sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

#Luto - Falecem o brilhante lutador da Juventude Alessandro de Leon e a jovem liderança manauara Luciana Telles Fontes

Ângela Guimarães, presidente do CONJUVE, traz-nos uma terrível, consternadora notícia:

"Companheir@s, me valho deste espaço para dar uma triste notícia a tod@s que conviveram, militaram e puderam compartilhar de sua presença sempre solidária, alegre e parceira .... acaba de falecer num trágico acidente automobilístico em estrada do Rio de Janeiro o Conselheiro Nacional de Juventude Alessandro Lutfy Ponce de Leon.... Família e amig@s recebam nossos sentimentos e pesares... Em breve divulgaremos nota de pesar no site do Conjuve.... #tristezainfinita"

De Leon era um militante sincero e com grandes serviços prestados à luta da juventude com quem convivi pelo menos desde 2003. Brilhante, carioca, um parceiro, amigo e uma pessoa leal, divertida, cheia de vida.


Com ele estava a jovem liderança Luciana Telles Fontes, jornalista, que foi candidata a vereadora em Manaus em 2008, quando militava no PCdoB, vivendo agora no Rio. O acidente ocorreu no km 53, da RJ-124, Via Lagos, altura da cidade de São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Alessandro perdeu a direção na curva, e o Civic que dirigia colidiu terrivelmente num caminhão que vinha no sentido contrário.







Em novembro, Alessandro participou com seu habitual brilhantismo, bom humor e qualificação do debate acerca das políticas públicas de juventude havido no Senado Federal na Comissão de Direitos Humanos, com a presença de diversos conselheiros e a condução do grande Senador Paim.


Alessando de Leon no Senado e o debate sobre o Estatuto da Juventude



Sua fala resume bem a figura querida que era ele. Os alertas que faz acerca da situação da juventude que compõe o bônus demográfico, marcada pelo extermínio de mais de 50 mil jovens e pelas piores condições de acesso ao mercado de trabalho, à previdência e às políticas públicas. Dizia De Leon que essa geração era estratégica, não para si, mas para o país, que o interesse de a incluir deveria ser do Brasil, e condenou o extermínio da juventude negra. Citando o Padre Debret, pedia que se convocasse a juventude para os grandes desafios, porque ela sofre quando convocada apenas para os medíocres.

De Leon era muito querido. Bem humorado, curtia a vida, fazia músicas incríveis em seu sintetizador, uma pessoa leal que sempre tentou levar adiante uma prática política que empoderasse a juventude. Conheci-o através de Danilo Moreira e sempre me marcou o carinho mútuo de nossa amizade, mas que era em verdade extensivo ao mundo. Ele era uma pessoa que contribuía fortemente no conteúdo e na articulação, nosso parceiro de primeiríssima hora nas conquistas recentes da juventude. Lutou Jiu Jitsu, era um galã irreverente, era um lutador da juventude... quem imaginaria que o perderíamos tão cedo.

Farão muitíssima falta.


Com informações do G1, do CONJUVE e do Senado Federal
Atualizado e corrigido às 20h19