quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Feliz Natal! - Poema O Filho do Homem - Vinicius de Morais

O FILHO DO HOMEM

Rio de Janeiro , 1954

O mundo parou
A estrela morreu
No fundo da 
Com boi e charrua
Com foice e martelo.

Ao lado do infante
O homem e a mulher
Uma tal Maria
Um José qualquer.

A noite o fez negro
Fogo o avermelhou
A aurora nascente
Todo o amarelou.

O dia o fez branco
Branco como a luz
À falta de um nome
Chamou-se Jesus.

Jesus pequenino
Filho natural
Ergue-te, menino
É triste o Natal.

Natal de 1947
http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/o-filho-do-homem



quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Campo democrático sairá às ruas levando a bandeira da legalidade - Portal Vermelho





Campo democrático sairá às ruas levando a bandeira da legalidade - Portal Vermelho

O campo democrático sairá às ruas nesta quarta-feira (16) para denunciar o pedido de impeachment inconstitucional, o ajuste fiscal e pelo Fora Cunha. Convocada pela Frente Brasil Popular, a mobilização nacional tem como princípio reunir setores progressistas contra a persistência da direita em promover um golpe já em andamento, com intuito de derrubar a presidenta Dilma e ignorando o recado legítimo das urnas, o que provoca um cenário de caos e ingovernabilidade,



A Frente Brasil Popular, criada em setembro em Belo Horizonte e que reúne um vasto campo progressista, entre eles, artistas, intelectuais, políticos, movimentos sociais e a sociedade civil organizada, é a maior organização do campo democrático criada após o impeachment de Collor, em 1992.



Confira abaixo onde será a manifestação em sua cidade:



Região Sul



Rio Grande do Sul – Porto Alegre

Concentração 17h, em frente à Prefeitura



Santa Catarina - Florianópolis

Concentração: 16 horas: Largo da Alfandega



Paraná - Curitiba

Concentração: 18 horas: Praça Santos Andrade



Região Sudeste



São Paulo – São Paulo

Concentração: 17 horas: Masp



Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

Concentração: 16 horas: Cinelândia



Minas Gerais – Belo Horizonte

Concentração: 16 horas: Praça Afonso Arinos



Espírito Santo – Vitória

Concentração: 16 horas: Praça Costa Pereira









Região Nordeste



Bahia – Salvador

Concentração: 14 horas: Praça da Piedade



Sergipe – Aracaju

Concentração: 16 horas: Praça Falso Cardoso



Pernambuco – Recife

Concentração: 15 horas: Praça do Derby



Ceará – Fortaleza

Concentração: 16 horas: Praça da Bandeira



Maranhão – São Luís

Concentração: 15 horas: Praça João Lisboa

Percurso: João Lisboa-Rua Grande-Praça Deodoro.



Rio Grande do Norte – Natal

Concentração: 15 horas: Av. Salgado Filho (Em frente à Fiern). Percurso: Passeata até o shopping Midway - Ato Público.



Piauí – Teresina

Concentração: 16 horas: Praça Pedro II



Paraíba – João Pessoa

Concentração: 12 horas: Largo de João Pessoa



Região Norte



Amazonas – Manaus

Concentração: 16 horas: Teatro Amazonas



Amapá – Macapá

Concentração: 9 horas: Praça da Bandeira



Acre – Rio Branco

Debate sobre democracia: 9 horas: Teatro Plácido de Castro



Pará – Belém

Concentração: 9 horas: 14 de Março (Próximo ao Posto de Urgência e Emergência)



Roraima – Boa Vista



Concentração: 15 horas na Praça do Centro Cívico.



Região Centro-Oeste



Goiás – Goiânia

Concentração: 17 horas: Praça Bandeirantes



Mato Grosso – Cuiabá

Concentração: 16 horas: Rua Barão do Rio Branco (Bar do Zé)



Mato Grosso do Sul – Campo Grande

Concentração: 9 horas: Calçadão da Barão



DF – Brasília

Concentração: 15h: Mané Garrincha





Membros da Frente Brasil Popular convocam a população para sair às ruas contra o golpe, confira o vídeo abaixo:









Leia também:

Movimentos sociais convocam população às ruas contra o golpismo





Do Portal Vermelho




Renato Rabelo: em defesa do mandato da Presidenta Dilma e contra a direita golpista


“Nosso papel como ator da história é barrar a marcha liderada pelos setores mais reacionários, enfrentar a chamada mídia conservadora e defender a institucionalidade, o mandato da presidenta Dilma Rousseff. Precisamos estar unidos e firmes para enfrentar essa onda golpista", avisa Renato Rabelo, presidente Nacional do PCdoB, ao convocar toda a militância para cobrir as ruas dia 13 de março em defesa do Brasil.

“PCdoB reafirma sua posição de defesa do mandato da presidenta Dilma Rousseff, da Petrobras, do combate à corrupção e dos direitos até aqui conquistados”, declara o líder comunista.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Dia 16/12 - movimentos sociais chamam povo pra barrar golpe nas ruas!

12 de Dezembro de 2015 - 11h00 

Movimento social convoca população para sair às ruas contra o golpe


“Contra o golpismo e fora Cunha!” essa é a palavra de ordem que vem unificando o movimento social em defesa da Constituição e pela democracia, movimentação essa que denuncia um golpe da direita em curso no país, que pretende tirar o mandado legítimo da presidenta Dilma Rousseff e promove o quadro de ingovernabilidade. 


 

 

No vídeo abaixo, lideranças políticas e sociais, que compõe a Frente Brasil Popular, convocam a população para saír às ruas no próximo dia 16, dia de mobilização nacional contra o impeachment da presidenta, o ajueste fiscal e pelo fora Cunha.

Assista ao vídeo: 




Por Laís Gouveia, do Portal Vermelho 

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Defender Dilma: a defesa da democracia, do Brasil e dos direitos do Povo - Paulo Vinícius Silva

En la lucha de clases todas las armas son buenas - versos, noches, poemas.
Paulo Leminski (sic, pq de memória)

Estamos diante do assalto da Direita neoliberal, dos achacadores, dos abutres do capital financeiro e do Partido da Imprensa Golpista ao poder. Tamanha violência, que um tipo como Cunha se esquiva de ser punido, atacando a democracia e a soberania popular, tudo para depor uma Presidenta honesta.

O locaute, o bloqueio e massacre midiático, a cooptação - vide Temer e sua traição - e até a pusilanimidade de setores da esquerda colaboram para um soturno horizonte que só poderá ser detido com ampla união e mobilização popular.

Nessa quadra é que a vacilação e o oportunismo aparecem e confundem gente bem intencionada, mas desapontada pelos erros do nosso projeto, pela fanfarronice da ultra-esquerda quinta-coluna e pela guerra midiática em curso. É preciso paciência e diálogo com todos para deixar claro o que pode advir e para unir o povo em torno da Frente Brasil Popular e da rede em defesa da legalidade lançada pelo Governador comunista maranhense Flávio Dino, Ciro Gomes e Carlos Lupi, presidente do PDT.

Dilma enfrenta toda essa pressão por que? Dilma - mulher corajosa e honesta - encarna nessa hora decisiva da Nação a firme defesa do legado de 13 anos de mudança e o futuro:
1)  Defender Dilma é defender a democracia conquistada e ampliada. A agenda da direita é clara: estuprar a soberania popular (voto), criminalizar a luta do povo (lei "anti-terror" e o que pode virar) e impedir que o povo possa decidir por um presidente(a) que não seja da direita em 2018;
2) Defender Dilma é defender o Pré-Sal e a PETROBRAS. A direita quer voltar ao regime de concessões de FHC, abrir o Pré-Sal aos gringos com perdas para o Brasil, abrir mão de 30% de conteúdo nacional nos equipamentos, excluir as empreiteiras nacionais e quebrá-las e fatiar e vender a PETROBRAS. O que fariam com o Banco do Brasil, com a Caixa, o BNDES e o Banco Central. Isso é destruir as possibilidades de desenvolvimento do Brasil e da América Latina. A direita é pau-mandada dos EUA e está a serviço do imperialismo.
3) Destruir as conquistas e o bem estar da classe trabalhadora. a) "desindexar"
Salário Mínimo, desvinculá-lo dos benefícios sociais; b) rasgar a CLT com a terceirização sem limites e colocar acordos entre patrões e empregados ACIMA da CLT. Ou seja: fim do aumento do salário mínimo acima da inflação, fim da CLT e dos direitos dos trabalhadores(as).
4) Derrotar os avanços em direitos humanos, conferindo a seitas caça-níqueis da teologia da prosperidade a potestade moral para uma agenda de machismo, homofobia, racismo, intolerância religiosa. Dilma é massacrada simbolicamente todos os dias por ser essa mulher admirável e com ela padecem aqueles e aquelas que vivem os horrores da discriminação e da violência covarde e da pobreza, geração após geração.

É essa mulher que nos separa de um retrocesso intolerável. Democratas, Patriotas, Trabalhadores(as), seres humanos, defendamos essa guerreira, defendamos a Presidenta Dilma, porque sobre seus ombros, nessa hora, repousa a defesa da democracia, do Brasil e das conquistas do povo!

Jean Wyllys faz homenageia protagonismo das mulheres no PCdoB

Jean Wyllys faz homenagem às mulheres públicas do PCdoB 


Em seu perfil nas redes sociais, o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) publicou uma avaliação da atuação das mulheres nos últimos meses. Em sua análise, o deputado destaca o protagonismo das mulheres públicas do PCdoB, a quem presta homenagem, dizendo que “o PCdoB tem o inegável mérito de empoderar suas mulheres. Aliás, antes de a Rede Sustentabilidade se construir, o PCdoB era o único partido presidido por uma mulher, a deputada Luciana Santos, de Pernambuco”. 


A seguir, leia a íntegra do post:

A primavera brasileira foi, em se tratando da cena política, sem dúvida, protagonizada pelas mulheres (representantes de diferentes e até conflitantes expressões do feminismo). Das bem-sucedidas (re) ações nas redes sociais com impactos indiretos na chamada “grande mídia” – a campanha-resposta #meuprimeiroassédio ao machismo mais abjeto que se seguiu à exposição de uma menina num programa de tevê e o movimento #Agoraéquesãoelas para que colunistas e blogueiros de expressão cedessem suas tribunas para que mulheres falassem por e sobre si mesmas – à ocupação das ruas pedindo a saída do corrupto Eduardo Cunha, que pretende, por meio de projeto de lei, retirar direitos sexuais e reprodutivos garantidos desde 1949, passando pelo debate acerca da citação de Simone de Beauvoir no Enem, eram as mulheres que estavam à frente. 

Mesmo no novíssimo movimento estudantil que ocupou as escolas de São Paulo, impedindo que o governo do PSDB as fechassem, as meninas foram relevantes, inclusive na resistência à força bruta e desmedida usada pela Polícia Militar tucana contra a ocupação.

Mas é importante que se diga que esse protagonismo é resultado de um trabalho histórico de mulheres (a maioria se reconhecendo e se apresentando como feministas; outras não) e de homens que vieram antes dessas protagonistas (alguns ainda aqui, na luta) e que deram, ao seu modo e em seu campo de atuação, contribuições para a equidade de gênero.

Nesse sentido, quero fazer uma justa homenagem às mulheres públicas do PCdoB – Partido Comunista do Brasil e ao partido como um todo. Eu estou deputado federal pelo Psol – Partido Socialismo e Liberdade, partido ao qual escolhi me filiar por afinidade ideológica e programática; esta identidade partidária, porém, não me impede de reconhecer méritos e conquistas de e em outros partidos [logo, não façam dessa postagem motivos para especulações maldosas; o Psol é o meu partido!].

Se o Psol tem a primazia e o mérito de abrigar o primeiro deputado federal homossexual assumido, orgulhoso de sua orientação sexual e porta-voz das reivindicações da comunidade LGBT e das pessoas sexo-diversas, articulando claramente essa agenda com outras importantes dos direitos humanos de minorias; se o Psol tem o mérito de ter apresentado o primeiro beijo gay num programa eleitoral, o primeiro candidato a prefeito assumidamente gay, Renan Palmeira II (e também o primeiro candidato a governador, Ailton Lopes, no Ceará) e de hoje ter uma mulher transexual, Samara Braga, como pré-candidata à prefeitura de Alagoinhas, bem como o mérito de contar com um bem-estruturado setorial de mulheres que construiu comigo o projeto de lei que legaliza e regulamenta a interrupção segura da gravidez indesejada, o PCdoB tem o inegável mérito de empoderar suas mulheres. Aliás, antes de a Rede Sustentabilidade se construir, o PCdoB era o único partido presidido por uma mulher, a deputada Luciana Santos, de Pernambuco (o Psol já foi o único partido presidido por uma mulher, Heloísa Helena, que hoje está na Rede Sustentabilidade).

Todas as mulheres públicas do PCdoB são admiráveis e a maioria é minha amiga. Com todas elas, estabeleço excelente diálogo, mesmo não concordando com todas as suas posições no que diz respeito às outras questões políticas – isso é ser democrata! E sinto muita falta de Manuela D'Ávila na Câmara Federal. Não que o Psol não busque empoderar suas mulheres públicas – Luciana Genro é um exemplo – mas ainda faltam mais mulheres entre as figuras públicas do partido.

Apesar dessas diferenças entre os partidos citados (e levando em conta também o tamanho da bancada feminina do PT e o fato de a presidenta da República pertencer a este partido), eles mostram que, em que pese alguma resistência interna, fruto da histórica dominação masculina que forja nossas subjetividades (dos homens, mas também das mulheres), as mulheres sempre gozaram de mais oportunidades entre comunistas e socialistas (não estou querendo dizer, com isso, que não haja espaço para mulheres entre liberais e capitalistas; há, sim, independentemente da qualidade desse espaço).

Se parte da obra de Marx é cega à questão de gênero, por razões óbvias que dizem respeito ao tempo e ao espaço em que ele a produziu, isso não quer dizer que não se possa vislumbrar abertura à questão em outras partes dessa mesma obra nem que os marxistas fecharam os olhos para ela; ao contrário, e a história é clara nesse sentido: os bolchevistas levaram a questão feminina a sério e os protestos em massa que resultaram na queda do czar foram detonados no Dia Internacional da Mulher em 1917. Uma vez no poder, o partido priorizou a igualdade para as mulheres e criou o Secretariado Internacional da Mulher. Este, por sua vez, convocou o Primeiro Congresso Internacional de Mulheres Operárias, para o qual foram delegadas de vinte países e que pressupunha que as metas do socialismo e da liberação feminina estavam intimamente ligadas.

O historiador Robert J.C. Young diz que “até o ressurgimento dos movimentos femininos na década de 1960, é impressionante constatar como apenas os homens das searas socialista ou comunista encaravam a questão da igualdade feminina como intrínseca a outras formas de liberação política”. No início do século 20, os ambientes comunistas e o socialistas eram os únicos em que as questões de gênero e do colonialismo eram debatidas de forma sistemática.

Aliás, esses dados históricos servem também para mostrar que sempre existiram homens que se aliaram ao feminismo sem querer “roubar o protagonismo das mulheres”, essa cantilena repetida hoje à exaustão por certas “feministas” que têm um prazer estranho em desqualificar publicamente os homens que se apresentam como aliados de suas causas, mas curiosamente silenciam em relação aos reais adversários ou inimigos. Aliás, a impressão que eu tenho dessas “feministas” é que desconhecem a história e a solidariedade.

Contudo, se as mulheres encontraram, nas searas comunistas e socialistas, espaço para se expressar, por outro, muitas delas estreitaram sua leitura do mundo, passando a interpretar certas expressões da liberação feminina como “subprodutos do capitalismo opressor”. Ora, em primeiro lugar o patriarcado é anterior ao capitalismo (o que não quer dizer que eles não tenham se aliado nem que o capitalismo não enseje liberdades em nome de novas forças de trabalho e mercados consumidores); em segundo, em que pesem as boas intenções de intelectuais e revolucionários socialistas, em muitos governos ditos “socialistas” as mulheres permaneceram oprimidas ou com menos oportunidades. E, por fim, no caso específico da prostituição feminina (favor não confundir com exploração sexual nem com tráfico de mulheres para esse fim abjeto), este é um exercício de liberdade feminina anterior ao patriarcado e apesar dele – liberdade que muitas mulheres socialistas não engolem e à qual se opõem (algumas com um nível insuportável de desonestidade intelectual e violência verbal) porque suas subjetividades estão igualmente eivadas do moralismo do patriarcado judaico-cristão ao qual se opõem. São as contradições da vida e nossas com as quais temos de lidar!

Bom, mas este post é mesmo uma homenagem às mulheres que fizeram a primavera e que não sairão de cena e às mulheres públicas do PCdoB. Obrigado a todas vocês! Como homem gay vítima da prima-irmã do sexismo, a homofobia, tenho orgulho de ser seu parceiro! 

PSOL vacila na hora da crise. Em nota, chama a ficar em casa

Desculpem a franqueza, mas essa nota do PSOL eh um "apoio moral" e um chamado à militância pra ficar em casa? Nem defesa do governo, nem defesa do Impeachment? Marinaram! 

Ah, História...

A crise e o impeachment – Nota do Diretório Nacional do PSOL

A crise e o impeachment – Nota do Diretório Nacional do PSOL

O Diretório Nacional do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), diante dos últimos acontecimentos que agravam a crise política, considera que:

1- Os efeitos da crise econômica e política, aprofundadas pelas medidas do governo federal, pesam especialmente sobre os trabalhadores e o povo, que sofrem a violência do desemprego e da perda do poder de compra dos salários, enquanto os grandes rentistas e os bancos ampliam seus lucros. Nosso modelo neoliberal periférico se aprofunda com a política de “ajuste” do governo Dilma. Os governos estaduais do PSDB, PMDB, PT e outros agem na mesma direção.

2- Vivemos a mais aguda degradação do nosso sistema político, com o crescente desencanto da população em relação aos parlamentos e aos partidos, quase todos capturados pelas grandes corporações econômicas e corrompidos pelo assalto aos cofres públicos, o eleitoralismo, o clientelismo, a demagogia e a rebaixada disputa por nacos do Orçamento Público.

3- Processo de impeachment, que pode culminar no ato mais extremo da dinâmica política legal – a destituição do governante -, tem previsão constitucional (arts. 85 e 86 da CF). Mas este, decidido por Eduardo Cunha, o ilegítimo presidente da Câmara dos Deputados, construído num ambiente de chantagens mútuas e posições oportunistas de todos os grandes partidos, foi descarada retaliação, no marco de barganha que o deputado pratica permanentemente, dentro do Legislativo e fora dele. Cunha abusa de suas prerrogativas para salvar seu mandato, atingido por denúncias robustas de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, ocultação de bens e outros crimes. As ruas, em especial as mobilizações das mulheres e da juventude, clamam por sua cassação. Ele carece, portanto, de legitimidade, em especial para tomar decisão de tamanho impacto. O PSOL já advoga há tempos o afastamento de Cunha e não reconhece a validade de suas iniciativas.

4- O mérito da denúncia que embasaria o afastamento da presidente da República – as chamadas “pedaladas fiscais” – não tem, a nosso juízo, substância para promover destituição de quem detém mandato eletivo. Governos estaduais de diversos partidos também as praticaram, o que é questionado pelos que se vinculam à concepção neoliberal do ajuste fiscal contra o povo, com supressão de direitos. Para nós, no plano fiscal e orçamentário, é imperativa a auditoria da dívida e o fim do superávit primário.

5- Destituir Dilma, a cujo governo antipopular nos opomos, para colocar em seu lugar Michel Temer (PMDB), significaria aprofundar “uma ponte para o futuro” que é mera continuidade do presente, pavimentada pelos materiais do privatismo puro e duro.

6- Para nós do PSOL, as saídas da crise só virão com ampla mobilização popular em torno de reformas profundas, que instituam um novo modelo econômico, soberano, igualitário e ambientalmente sustentável. Além de um modelo político, livre do financiamento empresarial, que aprofunde a democratização do país, através do qual as maiorias sociais possam se tornar as maiorias políticas, e a transparência republicana, melhor antídoto à corrupção sistêmica. Reforçamos nossa luta frontal contra Cunha e todos os corruptos, e de oposição programática e de esquerda ao governo Dilma. O PSOL não participará de manifestações que tenham como finalidade defesa do governo ou de defesa do impeachment.

Diretório Nacional do PSOL
Brasília, 4 de dezembro de 2015

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Presidenta Dilma em pronunciamento rechaça chantagem e golpismo e defendea dermocracia - Portal Vermelho e Amigos do Presidente Lula

Dilma: “Não existe nenhum ato ilícito praticado por mim”

 


Em pronunciamento em rede nacional, a presidenta Dilma Rousseff falou sobre a abertura do processo de impeachment. “Tenho convicção e absoluta tranquilidade quanto à improcedência desse pedido, bem como quanto o seu justo arquivamento”, declarou. Dilma disse ainda que jamais aceitaria “barganhas” para impedir a abertura do processo.

   “Não paira contra mim nenhuma suspeita de desvio de dinheiro público. Não possuo conta no exterior, nem ocultei do conhecimento público a existência de bens pessoais”, disse a presidenta, numa referência às acusações de que Eduardo Cunha mantém dinheiro desviado da Petrobras em contas na Suíça.

“Nos últimos dias, a imprensa noticiou que haveria interesse na barganha de votos de membros da base governista no Conselho de Ética da Câmara. Em, troca, haveria o arquivamento dos pedidos de impeachment. Eu jamais aceitaria ou concordaria com qualquer tipo de barganha, muito menos aquelas que atentam contra o funcionamento livre das instituições democráticas do meu país, bloqueiam a justiça ou ofendem os princípios morais e éticos que devem governar a vida pública”, disse a presidenta.

A presidenta disse ainda que não “podemos deixar as conveniências e os interesses indefensáveis abalarem a democracia e a estabilidade de nosso país”.
“Devemos ter tranquilidade e confiar nas nossas instituições e no estado democrático de direito”, encerrou.

Confira a íntegra:


Pronunciamento de Dilma

Dirijo uma palavra de esclarecimento a todas as brasileiras e brasileiros.

No dia de hoje, foi aprovado pelo Congresso Nacional o projeto de lei que atualiza a meta fiscal, permitindo a continuidade da prestação dos serviços públicos fundamentais para todos os brasileiros.

Ainda hoje, recebi com indignação a decisão do Sr. Presidente da Câmara dos Deputados de processar pedido de impeachment contra mandato democraticamente conferido a mim pelo povo brasileiro.

São inconsistentes e improcedentes as razões que fundamentam este pedido.
Não existe nenhum ato ilícito praticado por mim.

Não paira contra mim nenhuma suspeita de desvio de dinheiro público.
Não possuo conta no exterior, nem ocultei do conhecimento público a existência de bens pessoais.

Nunca coagi ou tentei coagir instituições ou pessoas na busca de satisfazer meus interesses.

Meu passado e meu presente atestam a minha idoneidade e meu inquestionável compromisso com as leis e a coisa pública.

Nos últimos tempos, e em especial, nos últimos dias, a imprensa noticiou que haveria interesse na barganha dos votos de membros da base governista no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Em troca, haveria o arquivamento dos pedidos de impeachment.
Eu jamais aceitaria ou concordaria com quaisquer tipos de barganha.

Muito menos aquelas que atentam contra o livre funcionamento das instituições democráticas, bloqueiam a justiça ou ofendam os princípios morais e éticos que devem governar a vida pública.

Tenho convicção e absoluta tranqüilidade quanto à improcedência deste pedido, bem como quanto ao seu justo arquivamento.

Não podemos deixar as conveniências e interesses indefensáveis abalarem a democracia e a estabilidade do nosso país.

Devemos ter tranquilidade e confiar nas nossas instituições e no Estado Democrático de Direito.

Obrigada e Boa Noite!

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Osvaldão, herói brasileiro do Araguaia promove financiamento coletivo de longa metragem

Conheça o financiamento coletivo de Osvaldão

O documentário sobre a vida do guerrilheiro que lutou pelo fim da ditadura militar na região do Araguaia, Osvaldão, entra em circuito nacional no próximo dia 10 de dezembro, mas nesta segunda-feira (30) acontece uma pré-estreia na capital paulista. Uma das diretoras do filme, Ana Petta, fala sobre a história que “infelizmente não foi superada” da luta pela democracia e liberdade.

Por Mariana Serafini


Divulgação Cena do filme Osvaldão resgatada do documentário da Checoslováquia Osvaldão traz a história de Osvaldo Orlando da Costa, o jovem da cidade de Passa-Quatro, no interior de Minas Gerais, membro do PCdoB que dedicou sua vida a lutar pelo fim da ditadura militar no Brasil. O filme estreia num período em que o Brasil sofre tentativas de desestabilização por parte dos setores mais reacionários da política nacional, e sobre isso Ana lamenta que “a discussão ainda não foi superada porque existem grupos que defendem a volta da ditadura militar”.

Para a diretora, em momentos como este é importante resgatar a história para não repeti-la. Com esta responsabilidade os diretores – André Lorenz Michiles, Fábio Bardella e Vandré Fernandes, além de Ana – estão fazendo exibições gratuitas da obra nas escolas ocupadas pelos estudantes em São Paulo.

Cada luta ao seu tempo. Os alunos hoje empenhados em proteger suas escolas da reorganização proposta pelo governador Geraldo Alckmin, que vai prejudicar milhares de estudantes em todo o estado, têm contato, por meio do filme, com a história do também jovem Osvaldão que lutou pela liberdade do país. “Eles ficam curiosos, querem saber mais, fazem muitas perguntas, é muito interessante esse contato, é importante que eles conheçam essa história e quem são seus heróis nacionais”, conta Ana.

Cartaz de "pré-estreia" de Osvaldão em uma escola ocupada em São Paulo

Ana defende que a históriada ditadura militar como um todo e especificamente o episódio da Guerrilha do Araguaia devem fazer parte do projeto curricular das escolas, de forma a resgatar a esclarecer o que realmente aconteceu. Um dos objetivos do filme é este, manter as histórias de Osvaldão, e dos militantes que deram a vida pela democracia, vivas.

A produção do filme durou dois anos, período este em que os diretores fizeram um levantamento da história de Osvaldão em Passa-Quatro, onde ele nasceu e viveu boa parte da vida; no Rio de Janeiro, onde foi campeão de boxe pelo Club de Regatas Vasco da Gama; na Checoslováquia, onde viveu e estudou por alguns anos e, por fim, na região do Araguaia, onde foi um dos principais militantes da guerrilha que mobilizou a maior expedição do exército brasileiro desde a 2ª Guerra Mundial.

Em meio à pesquisa sobre a vida de Osvaldão, os diretores descobriram um documentário feito com vários estudantes da Checoslováquia, onde ele era um dos destaques, e usam imagens deste material no filme atual. O cantor Criolo empresa sua voz ao personagem principal, enquanto outros artistas, entre eles, Leci Brandão, Antônio Pitanga, Flávio Renegado e Fernando Szegeri narram trechos da história.

Ana conta que foi fascinante conversar com as pessoas que conheceram Osvaldão na região do Araguaia onde até hoje ele é muito querido. “O filme mostra que o Osvaldão ainda é muito presente na região, ele se tornou uma espécie de mito lá”.

Os depoimentos dos moradores da região do Araguaia dão conta de que Osvaldão “se transformava em pedra” ou “em árvore” e por isso não era encontrado pelos oficiais do exército. Há ainda quem acredite que ele era abençoado por uma proteção mágica que o fazia desaparecer. “Além de ser valente, ele era invisível”, relata um morador. Uma verdadeira lenda.

Segundo a diretora, a família de Osvaldão foi receptiva com a ideia do filme e gostou muito de descobrir fatos que mesmo para os parentes mais próximos eram novos. “Um sobrinho dele nos agradeceu porque hoje ele conhece mais sobre o Osvaldão, então o filme também conseguiu aproximar mais o Osvaldão da família dele”, conta.

Financiamento coletivo

Em dezembro o filme estreia em sete cidades do Brasil no circuito de cinema comercial. Dia 10 entra em cartaz em cinemas no Rio de Janeiro e na capital paulista. Este projeto foi possível graças a um projeto de financiamento coletivo que arrecadou os recursos necessários para a exibição.

A campanha de financiamento coletivo durou 40 dias e possibilitou que o filme entre em cartaz nos cinemas de Porto Alegre (RS), São Paulo(SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Recife (PE) e Fortaleza (CE).

Nesta segunda-feira (30) a pré-estreia de Osvaldão é no Espaço Itaú de Cinema Frei Caneca às 21 horas.

Assista ao trailer:





Fonte: Portal Vermelho


Cultura
30 de novembro de 2015 - 16h46 - “Infelizmente uma história atual”, diz diretora de Osvaldão