domingo, 25 de outubro de 2009

Con normalidad uruguayos iniciaron histórica jornada electoral

www.telesurtv.net

Con total normalidad comenzó este domingo la jornada comicial en Uruguay al reportarse la apertura de los colegios electorales a las 08H00, hora local (10H00 GMT), donde acudirán cerca de dos millones y medio de personas para cumplir con su deber constitucional y elegir al Presidente que regirá los destinos del país suramericano entre 2010 y 2015, así como al futuro Parlamento.

Leer en: http://www.telesurtv.net/noticias/secciones/nota/60316-NN/con-normalidad-uruguayos-iniciaron-historica-jornada-electoral/

sábado, 24 de outubro de 2009

Os cinco patriotas cubanos: uma audiência memorável

www.vermelho.org.br

América Latina
24 de Outubro de 2009 - 9h19

Andrés Gómez, líder da comunidade progressista cubana que reside em Miami e diretor de Areítodigital, apresenta suas observações abaixo, sobre a audiência de re-sentença de Antonio Guerrero. Começando esta semana, Gómez viajará pela Europa, incluindo Bélgica, Holanda, França e Dinamarca, para falar sobre o caso e sobre a luta pela libertação dos Cinco.

Por Andrés Gómez

A recente audiência celebrada em Miami de redução da pena de Antonio Guerrero foi a primeira das audiências no processo judicial imposto aos Cinco a que tive oportunidade de assistir estano um deles presente. O motivo principal que me levou a aí estar é que queria conhecer pessoalmente a Antonio.

Lá na frente e de costas para nós, o tivemos pelo espaço de quase quatro horas. Entrou por uma porta lateral situada à frente da sala e todos nós que nos encontrávamos ao fundo, acompanhando sua mãe e sua irmã estávamos presentes para apoiá-lo, nos olhos com satisfação e aprumou-se, enquanto caminhava com seus tornozelos acorrentados até seu lugar diante de uma mesa ao lado de seu eminente advogado Leonard Weinglass.

Em nenhum momento foi permitido ao preso estabelecer contacto algum com outras pessoas na sala, sequer visual, com exceção de seu advogado. Terrível castigo este mais parece tortura. Mais pressão e frustração por essa razão tinha que ter sentido Antonio durante a audiência.

Antonio aparenta sua idade. Cumpre hoje precisamente 51 anos de vida. E como recordou à juiza, durante a audiência, o dr. Weinglass, esteve preso e separado de seus entes queridos durante onze anos, os últimos sete numa prisão de máxima segurança, desde seus 39 anos, "o coração de sua vida", como eloquentemente qualificava o dr.Weinglass a esses longos anos da vida de Antonio sofrida em prisão.

Está pálido devido à falta de sol, parte do cruel regime diário nesse tipo de cárcere. Permanece magro e um tanto fisicamente frágil, embora os que o conhecem intimamente que é normal nele. Durante o transcurso da audiência se manteve firme e tranquilo. Irradia a serenidade daquele que está consciente de sua responsabilidade com seu povo e diante da história. A mesma postura ven galhardamente demonstrando seus outros quatro irmãos.
Há outras duas questões que merecem ser abordadas com relação a esta audiência. A primeira é o motivo do acordo entre a defesa e a procuradoria, que recomendava ao Tribunal que a nova pena fosse de 20 anos de prisão. Deve ficar claro que este acordo nada tem a ver com a acusação falsamente imputada pelo governo dos Estados Unidos a Antonio Guerrero por 'conspiração para cometer espionagem'.

Este acordo somente diz respeito com a condenação a prisão perpétua que arbitrariamente lhe foi imposto tendo por base esta acusação. Acordo que obrigou a terrível juíza Joan Lenard –quem presidiu o julgamento em 2001 e lhes impôs aos Cinco essas bárbaras condenações - a impor essa tarde a Antonio 21 anos e 10 meses de prisão, o limite mínimo recomendado pelas normas federais de condenações. A todos os presentes na sala ficou patente que a juíza Lenard se retorcia de raiva porque, obrigada pelas circunstancias, não pôdo impôr a Antonio uma pena mais cruel ainda.

Mente a direita, enfurecida ao saber que no pior dos casos Antonio agora sairia da prisão em aproximadante sete anos -- em vez de poder mantê-lo encarcerado pelo restante de sua vida como era o propósito de sua condenação anterior- ao afirmar desavergonhadamente que Antonio reconheceu sua culpabilidade ao aceitar esse acordo. O acordo só teve de ver com a condenação. Nada mais.

A segunda questão a tratar é realmente assombrosa. É a explicação da Procuradoria do governo dos Estados Unidos, descrita pela procuradora, Caroline Heck Miller, a mesma procuradora que representou o governo no processo levado a efeito contra os Cinco, das razões pelas quais a procuradoria chegou ao acordo com o advogadode Antonio sobre a pena de 20 anos recomendada por ambas as partes ao Tribunal.

As razões são de caráter político e não de caráter jurídico nem humanitário. É o reconhecimento por parte do governo dos Estados Unidos que a opinião pública neste pais e no mundo, lhes é adversa e condenatória como resultado da natureza falaz e arbitrária do processo judicial contra os Cinco e de suas resultantes condenações. Estado de opinião que é de tal magnitude que prejudica os interesses dos Estados Unidos. Em nada exagero seu extraordinário pronunciamento.

Assim é que a juíza Lenard, irritada com a procuradora, a increpou dizendo-lhe que “como era possível que ela mantivesse agora esta opinião quando por seis meses, durante o transcurso do juízo em 2001, qualificou Antonio como “perigoso inimigo cujas ações havia posto em perigo a segurança nacional e que foi a base de considerá-lo culpado da acusação de conspirar para Cometer Espionagem e por isso condenado pela própria juíza Lenard à prisão perpétua.

Foi assim que neste momento da audiência se tornaram evidentes todas as mentiras assacadas contra os Cinco. O governo pôs a descoberto que este foi sempre um processo político que nunca teve a ver com a verdade.

A afirmação da procuradora Heck Miller constitui-se num evidente reconhecimento do êxito dos resultados obtidos pelo movimento político em todo o mundo que por todos esses anos vem denunciando o caráter arbitrário e mendaz deste processo seguido por parte do governo dos Estados Unidos contra os Cinco e inalteravelmente exigindo sua imediata liberdade. Agora mais que nunca este movimento tem de redobrar seus esforços até que possamos vê-los livres.

Fonte: http://www.freethefive.org

0 comentários

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Doc Bergson Gurjão: de fera do basquete a herói do Araguaia


8 de Outubro de 2009 - 0h00 - Vermelho.org.br

Veja o vídeo

O documentário Bergson Gurjão, homenagem ao herói da Guerrilha do Araguaia, foi feito pelo Coletivo de Cultura do PCdoB, Acartes e Clan do Cinema. Com depoimentos dos familiares e amigos, o curta-metragem co

nta a história do jovem e brilha

nte atleta de basquete, estudante de Química na Universidade Federal do Ceará (UFC), que se tornou exemplar guerrilheiro contra a ditadura no anos 70.

Bergson foi eleito vice-presidente do DCE da UFC em 1968 e preso, no Congresso da UNE em Ibiúna, no mesmo ano. Ainda em 68, o jovem militante comunista foi excluído da universidade com base no Decreto-lei 477, sendo também gravemente ferido na cabeça quando participava de manifestação estudantil na Praça José de Alencar. Em 1969, foi residir na região de Caianos, onde continuou suas atividades políticas. Em oito de maio de 1972, foi ferido e morto em combate nas selvas do Araguaia.

A ossada de Bergson foi localizada em 1996, numa escavação feita na região do Araguaia, mas apenas 13 longos anos depois foi confirmada sua identificação. O anúncio oficial sobre a confirmação dos restos mortais foi feito em sete de julho deste ano pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República e pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos.

Leia também:
- 37 anos depois, Bergson Gurjão é sepultado com honras de Estado

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Lançamento do blog do Leandro no Bar Brahma - 3a. 06/10

Gracias, Mercedes, que nos ha dado tanto.

Paulo Vinícius


Duas das figuras que mais contribuíram para que eu me tornasse um internacionalista e pudesse me encontrar com a América Latina foram Mercedes Sosa e Pablo Neruda. Este pela prosa poética vertida em Confesso que Vivi, e aquela, “la negra”, por tudo de arrebatador e pungente que há em seu repertório irretocável.

Como se hoje fora, recordo da saudade que senti de Neruda – estranha nostalgia de quem não se conheceu, lastreada em poesia. Tal sentimento se intensificou ao ouvir na voz de Mercedes Sosa os zambas, chacareras, os versos de justiça e amor, voando pelo espaço aninhados naquela voz vibrante, forte, inconfundível.

Foi assim, exposto a esta dupla influência que me vi repentinamente órfão da América Latina, lastimando-me por não a ter conhecido antes, inconformado e intrigado ante o paradoxo em que a proximidade geográfica não se faz amizade, conhecimento mútuo, identidade. E desde então isso mudou a maneira como me situava no mundo. Descobrira-me, malgrado tanto lixo que se nos empurra, enfim, latino-americano.

E o que Mercedes Sosa cantou me ensinou tanto! Meu portunhol bem ajambrado foi aprendido com ela, cantando e entendendo a rebeldia e o amor, a ânsia por justiça e a grandiosidade com que aquela tucumana afirmava nossa origem comum, nossa irmandade de história, povo e sonhos.

Ela dizia a simplesmente e dura realidade, que “a esta hora exatamente há uma criança na rua”. Reinventou a geografia ao afirmar que “um verde Brasil beija meu Chile de cobre e mineral”. Lembrou-nos em meio a tantas vicissitudes que “tudo muda e mudarmos não é estranho” ainda que “não mude meu amor por mais distante que eu esteja, nem a lembrança nem a dor do meu povo, da minha gente”. Ademais, com os versos de Atahualpa Yupanqui, definiu para mim a amizade, ao mostrar-nos que temos “tantos irmãos que nem os podemos contar/, no bairro, na montanha/, no pampa e no mar/ cada qual com seu trabalho, com seus sonhos cada qual/ com a esperança adiante e as recordações lá de trás”, “tenho tantos irmãos que nem os posso contar e uma irmã muito linda que se chama liberdade”.

Versos assim se cravam no peito se se os canta como ela cantava, ao clamar às massas empobrecidas, “irmão, dá-me a mão, venha comigo buscar esta coisa pequenina que se chama liberdade. Esta é a hora primeira e este é o justo lugar, em que com tua mão e a minha, irmão, havemos de começar. Olha adiante irmão, tua terra que te espera, sem distâncias nem fronteiras que a afastem de tua mão, sem distâncias nem fronteiras, nesta hora primeira em que o punho americano marque o rosto dos tiranos e a dor enfim vá embora”.

Por tudo isto, quando ela veio a Brasília em 2008, senti que enfim chegava a oportunidade - que até desacreditava - de ouvi-la ao vivo, oportunidade que provavelmente fosse a última. E foi como um reencontro, essa sintonia tão estranha de fã, quando a ouvi erguer-se por cima da evidente fragilidade física pelas palavras de carinho e a voz inacreditável que venceu o tempo. E do meu lugar no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, depois de ir ao Chile, Cuba, Paraguai, Bolívia, Nicarágua e Venezuela, depois de ver os ventos de mudanças tão ansiados em seus versos se fazerem realidade, pude ouvi-la frente a frente, a dizer tão bem do Brasil, de nosso povo, cantando nossa música, aquela irmã argentina a declarar um amor tão sincero ao nosso país. Não foi em vão.

E agora que ela partiu, em paz consigo e com seus sonhos de uma intimorata e bela América Latina, não posso pranteá-la, apenas. Tenho na verdade é de lhes sugerir o único tributo verdadeiro para uma pessoa que dizia que “se se cala o cantor, cala-se a vida, porque a vida, a vida mesma é toda um canto”. Não podemos é permitir-nos não ouvi-la, pois assim permanece viva, tão necessária que é a iluminar os caminhos singulares em que a arte nos faz entender com uma profundidade total esta irmandade latino-americana, este amor aos oprimidos e o ódio às injustiças.

Conheçam Mercedes Sosa e partilhem do legado caudaloso de sua obra, das lições e do prazer de ouvi-la cantar, da poesia tão bem escolhida por uma intérprete que sabia o que dizer à mente e ao coração, uma irmã tucumana, argentina, latino-americana que, como a vida, pôde nos dar tanto.

Canções citadas (pra você curtir):

1- Gracias a la Vida – Violeta Parra - http://www.youtube.com/watch?v=xm9sIAW39o0
2- Hay un Nino en la Calle - Armando Tejada Gómez - Ángel Ritro - http://www.youtube.com/watch?v=apzGIJNipdY
3- Canción con todos - A. Tejada Gomez e Cesar Isella - http://www.youtube.com/watch?v=icrCSlBGkl0
4- Todo Cambia - Julio Numhauser - http://www.youtube.com/watch?v=In5TjoaYMRs
5- Los Hermanos – Atahualpa Yupanqui - http://www.mercedessosa.com.ar/cancionero/letras/loshermanos.htm
6- Hermano Dame tu Mano - Jorge Sosa, J. Sánchez - http://www.youtube.com/watch?v=F9-pdpfHxrs
7- Si se calla el cantor - Horacio Guarany - http://www.youtube.com/watch?v=xm9sIAW39o0 video

domingo, 4 de outubro de 2009

Oliver Oliveira – 0635 Candidato ao Conselho Tutelar de Planaltina


banner_oliver.jpg

Moçada, hoje, domingo, é a eleição do conselho tutelar e peço-lhes o voto para o meu cndidato, o Oliver Oliveira, um ex-diretor da Executiva da UBES, ue foi Presidente da UJS no DF e é flho de Planaltina. Oliver é um pessoa fundamental para ocupar uma vaga no conselho tutelar, comprometio com a infância e a adolescência e é uma liderança juvenil de futuro.

Paulo Vinícius


O Conselho Tutelar é o órgão mobilizador, fiscalizador e promotor dos direitos da Criança e do Adolescente. É o elo entre a comunidade e as autoridades. Para organizar e mobilizar a povo por mais melhorias para as nossa cidade e nossas crianças.

É muito simples, fácil e rápido votar!

Você vota na cidade (RA) onde está localizada o seu titulo. A sua seção está vinculada a umas das escolas onde você ira votar. Veja em anexo a relação das seções divididas por cidades e escolas.

Passo a passo pra votar:

· Na cabine de votação a tela do computador ira mostrar todas as cidades (RA) do DF;

· Você ira escolher a cidade a qual ira votar (Planaltina, por ex.);

· Vão aparecer todos os candidatos de Planaltina e você então ira votar em 0635 - Oliver Oliveira;

· Depois é só confirmar.

Obs. Ao escolher a cidade você só poderá votar nos candidatos daquela cidade.

Documentos para votar: Titulo de Eleitor e Identidade