Siga o Coletivizando!

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Sarau da Olga - Com Olgamir 65180 - No Balaio (201 Norte)quarta, 27/08 às 19h00




Venha bater um papo descontraído sobre direitos das mulheres, LGBT, luta antirracista, educação e cultura com Olgamir, primeira Secretária de Estado da Mulher do DF, Professora da UNB e candidata à Deputada Distrital, pelo PCdoB.

Contaremos com a presença especialíssima da Poetiza Marina Mara, com Varal de Poemas da Luíza e da Bia e um Caldinho delícia pra afastar o frio.

#VocêNãoPodePerder #Vem #SaraudaOlga

sábado, 23 de agosto de 2014

Marina abre o jogo e se afirma como candidata neoliberal - Portal Vermelho



Marina abre o jogo e se afirma como candidata neoliberal - Portal Vermelho
Em sua primeira entrevista depois da oficialização de sua candidatura à Presidência da República, nesta quarta-feira (20), em substituição ao candidato Eduardo Campos (PSB), Marina Silva (Rede Sustentabilidade) fez jus à empolgação do sistema financeiro e da direita neoliberal, mostrando a metamorfose de seu ideário político que se adapta aos interesses antinacionais.

Agência Brasil Candidata do PSB-Rede-PPS prometeu "vantangens competitivas" ao agronegócio. Durante toda a entrevista, a candidata repetiu a cartilha de medidas estabelecidas pelos economistas do sistema financeiro, inclusive para o agronegócio. Marina, que antes fazia críticas ferrenhas ao modo de produção do setor, afirma agora que este será também um “polo da sua campanha”.

Distante do combate ao latifúndio e seus laços com o capital estrangeiro, Marina revelou a sua real bandeira quando assume o compromisso com o setor de “avançar nas vantagens comparativas que temos, transformando-as em vantagens competitivas”. Questionada se faria mudanças no novo Código Florestal, contra o qual se posicionou na época da votação no Congresso, Marina agora defende a sua “implementação”.

Aliás, a aproximação com o agronegócio, tão criticado por Marina e a sua Rede de Sustentabilidade, é nítida com a escolha de seu vice, o deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS) que tem trânsito entre as empresas do setor, que são os principais doadores de sua campanha.

Copiar base econômica de FHC

Marina reafirmou o compromisso com o receituário econômico de ajustes com o sistema de metas de inflação, câmbio flutuante e autonomia do Banco Central, fazendo questão de elogiar a política econômica do governo de FHC. Por outro lado, criticou a presidenta Dilma Rousseff dizendo que o governo precisa ter uma “base política que dê credibilidade para os investimentos”.

As afirmações de Marina mostram a quem o seu plano de governo serve e confirmam que a euforia dos especuladores internacionais (além de tucanos) com a sua candidatura não foi à toa. Na terça-feira (19), o banco americano Brown Brothers Harriman (BBH) divulgou “relatório” em que afirma que a eventual eleição de Marina é muita positiva “para os mercados”. Gurus econômicos de Aécio também manifestaram sua alegria com a entrada de Marina na disputa por conta da identidade dos tucanos com sua a política econômica.

Aliás, para acompanhar o coro alarmista, seguindo o exemplo da campanha do tucano Aécio Neves na questão inflacionária, Marina lançou a “ameaça do apagão” dizendo que é uma ameaça existente desde 2002. No entanto, a candidata tratou logo de dizer que irá resolver o problema, mas não é algo “que se faça da noite para o dia”.

Da Redação do Portal Vermelho, Dayane Santos
Com informações de agências

Infográfico mostra que a Transposição do São Francisco avança com Dilma


As transformações da educação superior nos últimos 12 anos no Brasil - Portal Vermelho


As transformações da educação superior nos últimos 12 anos no Brasil - Portal Vermelho
Quando derrubamos a ditadura militar, em meados da década de 1980, apenas 11% dos jovens de 18 a 24 anos estavam na educação superior. Durante a década de 1990, as instituições de educação superior pública passaram por enormes dificuldades, diminuindo inclusive o seu montante.

Por Madalena Guasco Peixoto*, especial para o Vermelho


Manifestação de estudantes contra a política educativa de FHC. 1º de abril de 1998, Rio de Janeiro-RJ. A oferta da educação superior ficou nas mãos do setor privado, principalmente mercantil e lucrativo, que, com a ajuda dos privatistas do governo FHC, ficou durante dez anos sem a mínima regulamentação, liberado para obter lucro em detrimento da qualidade.

A Lei de Diretrizes e Bases (LDB) aprovada em 1996, já sob influência do neoliberalismo, colocou determinações diferentes para a educação pública e a privada, como, por exemplo, a exigência de plano de carreira apenas para os profissionais da educação pública e regras democráticas e participativas apenas nas instituições públicas.

A LDB criou ainda o contrassenso de universidades por área de saber, sem a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Criou também a possibilidade de cinco tipos de instituições de educação superior: universidades, centros universitários, faculdades isoladas, faculdades integradas e institutos superiores, exigindo ainda que apenas um terço do corpo docente das instituições universitárias tivessem titulação e apenas um terço com contrato de período parcial e integral.

A autonomia universitária, por portaria ministerial, no período FHC, foi estendida aos centros universitários; a avaliação se restringia ao provão e não havia qualquer regulamentação quanto à relação mantenedora/ mantida.

Foram regulamentados vários tipos de cursos de curta duração, com ampla atuação dos representantes do governo para diminuir também as exigências regulatórias das várias graduações e licenciaturas. O ensino a distância proliferava, sem que existisse a mínima regulação.

Todas estas medidas foram tomadas tendo como política o incentivo à proliferação das instituições privadas. O próprio PNE 2000/2010 previa a ampliação de 30% das vagas para o ensino superior, principalmente pela expansão da educação privada.

Logo no início do governo Lula, tendo à frente do Ministério da Educação (MEC) o ministro Tarso Genro, iniciou-se um diálogo com as entidades nacionais de educação para elaborar um projeto de reforma da educação superior. O PL 7.200/2006, construído de forma democrática – mas hoje engavetado no Congresso Nacional –, propunha uma modificação no capítulo de educação superior da LDB.

Destaco desse projeto os seguintes pontos: regulamentação da relação entre mantenedoras e mantidas, com exigências específicas para as mantenedoras (como, por exemplo, não poder ter mais que 30 % de capital internacional); instauração de um conselho para todas as mantenedoras, estabelecendo o perfil dos conselheiros; regras democráticas para as instituições públicas e privadas; fim das universidades sem pesquisa e sem extensão e que não tivessem, pelo menos, quatro cursos de pós-graduação stricto sensu; retirada da autonomia dos centros universitários e exigência de, pelo menos, duas pós-graduações stricto sensu; aumento dos índices de qualificação docente – através do número de docentes titulados, aumentando a proporção de doutores – bem como de contratos de tempo integral.

No primeiro mandato do presidente Lula, foi aprovado o Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior). Muito mais completo do que o anterior, o qual só avaliava os alunos (provão), o sistema representou um avanço na concepção de avaliação, porque envolve todos os elementos da educação superior: curso, alunos (através do Enade), além de avaliação constitucional e autoavaliação.

A lei do Sinaes garante participação democrática no processo de elaboração dos instrumentos, dos critérios de avaliação e no acompanhamento dos seus resultados trienais, criando a Conaes (Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior), constituída por representante de docentes, estudantes, técnicos administrativos, pesquisadores na área da avaliação e representantes das secretarias do MEC e do Inep.

O Sinaes vem sendo colocado em prática e aperfeiçoado desde então e tem trazido certa regulamentação, principalmente da educação superior privada. À medida que estabelece elementos na avaliação que acarretam necessidades de investimento em pessoal e critérios de qualidade que precisam ser observados, o Sinaes gera processos para supervisão e termos de compromisso assinados pelas instituições, podendo levar ao descredenciamento e à proibição de vestibular dos cursos mal-avaliados.

Durante os dois mandatos de Lula, a rede privada continuou crescendo. No entanto, a rede pública de educação superior também aumentou consideravelmente. O Reuni (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais) trouxe um expressivo crescimento não somente das universidades federais, mas também de campi no interior do país. De 2003 a 2010 houve um salto de 45 para 59 universidades federais, o que representa a ampliação de 31%, e de 148 campi para 274 campi/unidade, crescimento de 85%. A interiorização também proporcionou uma expansão no país quando se elevou de 114 para 272 o número de municípios atendidos por universidades federais, um crescimento de 102%.

Através das universidades federais, a Universidade Aberta do Brasil oferece cursos superiores a distância, principalmente de licenciatura.

Mesmo assim, o índice de inclusão de jovens de 18 a 24 anos no ensino superior é muito baixo no Brasil. E em 2012, quase três décadas após a derrubada da ditadura e depois de toda a expansão privatista da década de 1990 e da expansão da educação pública realizada durante as duas gestões de Lula, incluímos ainda cerca de apenas 15% dos jovens nessa faixa etária.

Fez parte da campanha de Lula a criação de programas de inclusão na educação superior.

Logo no início de seu mandato, entrou em tramitação o ProUni. Inicialmente com bolsa integral em qualquer curso nas instituições filantrópicas, o projeto foi alterado para um programa que oferece a possibilidade de bolsas integrais e parciais em qualquer curso, tanto em instituições filantrópicas como com fins lucrativos, sendo destinado a pessoas de baixa renda que estudaram em escola pública e realizaram o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

O Enem passou a ser utilizado para o ingresso na educação superior pública, o que democratizou o acesso a essas instituições através do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), contribuindo também para terminar com as vagas ociosas até então existentes.

A política de cotas também passou a ser implementada em várias instituições durante as gestões de Lula, o que fortaleceu a participação dos movimentos sociais, em particular o movimento negro.

Têm enorme importância essas políticas de inclusão para a educação superior brasileira, assim como é inegável a relevância do ProUni para a democratização do acesso, em que pese, contraditoriamente, ter contribuído também para o aumento da margem de lucro das instituições empresariais que passaram a ter isenção dos impostos.

O mesmo acontece com o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que foi ampliado e facilitado, garantindo a milhares de pessoas a possibilidade de frequentar um curso superior. Todavia, para a rede privada mercantil, o Fies representa inadimplência próxima a zero e, portanto, contribui para tornar o negócio da educação atrativo.

Não foi ao acaso que, a partir de 2005, grupos internacionais de capital aberto passaram a adquirir instituições de educação superior no Brasil, atraídos pelos incentivos e pelo baixo risco do “negócio”.

A gestão Dilma Rousseff continuou desenvolvendo o ProUni e o Fies, mas, buscando melhorar a capacidade de regulação e supervisão da educação superior privada, criou no MEC uma Secretaria de Regulação. Por iniciativa do Executivo, está tramitando no Congresso Nacional um projeto de lei que busca criar uma autarquia – o Insaes (Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior) – cujo objetivo é fortalecer a avaliação, a regulação e a supervisão desse nível de ensino, aumentando a capacidade de atuação do Estado no sistema.

No início de sua gestão, após o término da 1ª Conferência Nacional de Educação, foi instituído o Fórum Nacional de Educação, órgão amplo e democrático cuja finalidade é acompanhar a tramitação das políticas públicas em educação, em particular a tramitação do PNE, e posterior implementação de suas metas.

Durante a gestão Dilma, foi aprovado o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), que amplia o acesso à educação profissional e tecnológica. Faz parte do Pronatec a ampliação e o fortalecimento da educação tecnológica pública, embora também represente um aporte enorme de recursos públicos para o setor privado. O programa envolve o chamado Sistema S, que conseguiu, durante a tramitação do projeto, retirar as principais regulamentações quanto à exigência da contratação de professores/as e a prévia aprovação dos projetos pedagógicos dos cursos.

Atualmente, Dilma ampliou ainda mais o programa, abrindo-o para instituições que oferecem cursos profissionalizantes e também para instituições de educação superior. A ampliação ocorre por pressão do empresariado de educação e não garante formação de qualidade ou tampouco está ligada a projetos de desenvolvimento local. Todavia, o mérito do Pronatec é propiciar a ampliação das vagas públicas de educação profissional e técnica e o atendimento desse tipo de formação aos estudantes do ensino médio público, abrindo a possibilidade de, em convênio com o Ministério da Educação, as secretarias estaduais oferecerem em suas redes educação profissionalizante que de fato auxilie o desenvolvimento local e seja de qualidade.

Foi criado ainda o programa Ciência Sem Fronteiras, que oferece a oportunidade aos jovens de estudarem graduação e pós-graduação em instituições estrangeiras, visando formar quadros e pesquisadores, principalmente em áreas de ponta.

No governo Dilma também tem sido feito um esforço por parte do MEC para a indução de criação de novos cursos de engenharia e de medicina e licenciatura em áreas de exatas, que passaram a ser oferecidos também nos institutos federais.

Diante desse quadro, é nítida a preocupação com a educação superior e técnico-profissionalizante como instrumento de desenvolvimento estratégico do Brasil, algo que havia sido banido durante o período neoliberal. Também são evidentes os esforços para expandir o acesso ao setor, fazendo jus à máxima constitucional de que a educação é um direito de todos.

Ainda assim, é preciso lutar para eliminar o pensamento mercantilista em torno da educação, que tenta transformá-la em mercadoria, fortalecendo a educação pública, gratuita e de qualidade e garantindo a regulamentação da educação privada, com as mesmas exigências legais aplicadas à educação pública.

*Madalena Guasco Peixoto é professora titular da PUC –SP

Emocione-se - Flávio Dino: Carta aos Maranhenses - 1º Programa eleitoral

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

As Cartas Testamento e de Despedida - Getúlio Vargas - 24 de agosto de 1954/2014 - 60 anos de sua morte



Para quem duvida das conspirações da imprensa golpista e dos interesses do imperialismo, para quem se ilude com a defesa da ética feita por hipócritas sabidamente ligados às forças do capital, para quem duvida do imperialismo, sugiro a leitura dos dois documentos históricos a seguir, a Carta Testamento e a Carta Despedida de um dos pais da nacionalidade, construtor do Brasil, que liderou um ciclo de desenvolvimento e direitos sociais e trabalhistas que vigem até hoje, Getúlio Dorneles Vargas.


No 60º Aniversário de sua morte, outra vez, as forças do imperialismo, do capital financeiro, da imprensa golpista e apátrida, usando-se de todo tipo de expediente, de toda vilania, intentam impedir outro ciclo de desenvolvimento, inclusão social e de luta pela nossa soberania.

Não passarão. A resposta do povo será dada outra vez, a quarta, com a reeleição da Presidenta Dilma. Página memorável na História de nossa Pátria, em que uma mulher encarna as maiores esperanças da nacionalidade, e tem sobre os ombros a responsabilidade, a capacidade e a chance de fazer o Brasil avançar definitivamente para o encontro com sua própria História e seu destino de justiça e independência. Dilma é a única candidata que pode continuar os sonhos de quem luta pela independência e a justiça social, a única candidata em defesa do Brasil.

Paulo Vinícius Silva 






Carta-Testamento
Getúlio Vargas
 
Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se novamente e se desencadeiam sobre mim.

Não me acusam, me insultam; não me combatem, caluniam e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes. Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive que renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário-mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar a liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente.

Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia a ponto de sermos obrigados a ceder.

Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida. Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação. Meu sacrifício nos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão. E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate.

Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia, não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história.



Carta-Despedida
Getúlio Vargas

Deixo à sanha dos meus inimigos o legado da minha morte.

Levo o pesar de não haver podido fazer, por este bom e generoso povo brasileiro e principalmente pelos mais necessitados, todo o bem que pretendia.

A mentira, a calúnia, as mais torpes invencionices foram geradas pela malignidade de rancorosos e gratuitos inimigos numa publicidade dirigida, sistemática e escandalosa.

Acrescente-se a fraqueza de amigos que não me defenderam nas posições que ocupavam, a felonia de hipócritas e traidores a quem beneficiei com honras e mercês e a insensibilidade moral de sicários que entreguei à Justiça, contribuindo todos para criar um falso ambiente na opinião pública do país contra a minha pessoa.



Se a simples renúncia ao posto a que fui elevado pelo sufrágio do povo me permitisse viver esquecido e tranqüilo no chão da Pátria, de bom grado renunciaria. Mas tal renúncia daria apenas ensejo para, com mais fúria, perseguirem-me e humilharem. Querem destruir-me a qualquer preço. Tornei-me perigoso aos poderosos do dia e às castas privilegiadas. Velho e cansado, preferi ir prestar contas ao Senhor, não de crimes que não cometi, mas de poderosos interesses que contrariei, ora porque se opunham aos próprios interesses nacionais, ora porque exploravam, impiedosamente, aos pobres e aos humildes.

Só Deus sabe das minhas amarguras e sofrimentos. Que o sangue de um inocente sirva para aplacar a ira dos fariseus.

Agradeço aos que de perto ou de longe trouxeram-me o conforto de sua amizade.

A resposta do povo virá mais tarde...

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

DILMA NA TV: 2º PROGRAMA, 21 DE AGOSTO DE 2014 - Muda Mais - http://www.dilma.com.br/

DILMA NA TV: 2º PROGRAMA, 21 DE AGOSTO DE 2014 http://www.dilma.com.br/campanha/dilma-na-tv-segundo-programa-21-de-agosto-de-2014-216




terça-feira, 19 de agosto de 2014

1º Programa de TV da Dilma (19/08): emoção, propostas, verdades que não saem no Jornal Nacional - Compartilhe!

Uma imagem mostra evolução da inflação de 94 a 2013 (descontrole era com FHC) - Muda mais


Campanha de Dilma apresenta informações para debate político  - Portal Vermelho



Campanha de Dilma apresenta informações para debate político - Portal Vermelho
A presidenta Dilma Rousseff já deu o tom da disputa eleitoral em 2014: “A verdade vai vencer o pessimismo. O que vence o pessimismo é a verdade de fato, e isso nós estamos mostrando e falando”. E para que a verdade chegue a todos a Campanha Dilma Rousseff indica alguns caminhos na internet que podem ajudar a enriquecer o debate político, acrescentando informações às discussões.

Diferentes caminhos apresentam informações de fontes confiáveis. No portal da Campanha Dilma Rousseff encontram-se as principais propostas, dados de seu governo, gráficos para compartilhamento, além de links para acompanhamento ao vivo das agendas da candidata.

Voltado à publicação de conteúdo jornalístico – textos, fotos, vídeos, áudios e documentos –, o site Sala de Imprensa traz o passo a passo da candidata Dilma Rousseff. O site acompanha o cotidiano da candidata e suas atividades eleitorais, além de trazer dados e balanços das ações do governo Dilma.

Site apoiador, o Muda Mais tem um tom mais leve e jovial, mas não menos sério e relevante, no tratamento das informações. O site oferece material relevante, como gráficos e resumos informativos, de fácil compartilhamento em redes sociais. Outra parte importante de sua atuação está em desmentir dados equivocados massificados pela mídia.

Redes sociais

Nas redes sociais também há boas fontes de informação e material pronto para compartilhamento. Os caminhos para as páginas do Facebook são espelhos dos sites da campanha, e têm como referência principal os perfis de Dilma Rousseff . E também há perfis vinculados a sites apoiadores, como o do PT e o Muda Mais

Os perfis também estão presentes no Twitter. A presidenta Dilma Rousseff publica informações sobre sua agenda, atividades da campanha, informações sobre programas e ações do Governo Federal e mensagens presidenciais. Também é possível acompanhar a campanha de Dilma Rousseff pelo Google Plus.

Multimídia

A internet também está recheada de material multimídia sobre a campanha de Dilma, nos formatos de imagens, áudio e vídeo, com reportagens e entrevistas. A rotina de Dilma Rousseff, tanto nas atividades da Presidência quanto nas atividades de campanha, tem farto material disponível no perfil da presidenta e na Sala de Imprensa da campanha.

Os materiais em vídeo estão publicados em canais do Youtube. No perfil da campanha de Dilma Rousseff (https://www.youtube.com/dilma13presidenta) podem ser encontrados entrevistas, coberturas de eventos, agendas de campanha e vídeos para compartilhamento. Já a página do Muda Mais apresenta vídeos de apoiadores, material de divulgação e animação com dados, tudo também disponível para compartilhamento.

Quem tem interesse em arquivos de áudio, para uso ou compartilhamento, pode também acessar o material produzido na Sala de Imprensa da Campanha de Dilma Rousseff (https://soundcloud.com/sala-de-imprensa-dilma13), onde encontram-se entrevistas, matérias sobre a cobertura da campanha e com dados sobre o desempenho do governo da presidenta Dilma. Outra fonte de áudios para informação e compartilhamento é o Muda Mais, que apresenta entrevistas, discursos e áudios de apoiadores de Dilma Rousseff.

Da Redação em Brasília
Com informações da Assessoria da Candidata

Israel reinicia agressão contra Faixa de Gaza - Portal Vermelho



Israel reinicia agressão contra Faixa de Gaza - Portal Vermelho
O regime de Israel reiniciou o ataque contra a sitiada Faixa de Gaza na manhã desta terça-feira (19). Segundo meios palestinos, o regime de Telavive lançou um ataque contra 10 localidades no enclave.



Blindados de fabricação americana reiniciaram genocídio na Faixa de Gaza


Aviões israelenses bombardearam áreas de cultivo em Beduina (norte) e outras duas partes do bairro de Zeitoun e no leste de Khan Iunis. Barcos israelenses também dispararam contra a costa de Gaza.

Segundo fontes palestinas, duas crianças palestinas do bairro de Rafah foram feridas nos ataques, que também tiveram a participação de blindados por terra.

A nova agressão começou depois que o premiê Benjamin Netanyahu ordenou o exército a atacar o enclave, após ter conhecimento de relatórios feitos por fontes israelenses de que três foguetes teriam sido lançados contra territórios ocupados.

Em seguida, Netanyahu ordenou a saída de forma unilateral da delegação israelita que mantinha uma conversação indireta com palestinos na cidade do Cairo, no Egito, sobre uma extensão da trégua acertada há dez dias.

Em resposta, o porta-voz do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) da Palestina, Sami Abu Zuhri, repudiou as alegações sobre os disparos de foguetes caseiros a partir de Gaza e assegurou que tais afirmações "não têm base sólida".

"Não tenho nenhuma informação sobre lançamento de foguetes a partir de Gaza. Os ataque israelenses têm como finalidade sabotar as negociações aqui na cidade do Cairo", agregou o porta-voz.

Horas antes, na mesma jornada, o porta-voz do Hamas havia informado que o regime israelense estava criando obstáculos nas negociações e estava levando as conversas para o que chamou de "beco sem saída".

Há 43 dias o regime de Telavive deu início à mais uma agressão contra a Faixa de Gaza, que resultou no assassinato de 2016 palestinos, dentre eles 516 crianças. Além destes assassinatos, 10.195 pessoas foram feridas, dentre elas 3.084 menores de idade.

Com informações da HispanTV.

Sob vaias, candidato Alckmin visita obras do metrô em São Paulo - Portal Vermelho



Sob vaias, candidato tucano visita obras do metrô em São Paulo - Portal Vermelho
Durante uma vistoria às obras da estação de metro da Barra Funda, na zona oeste da capital paulista, nesta terça-feira (19), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) foi vaiado pelo público presente. Além das vaias, os transeuntes gritaram frases como "Eu estou com sede" e "Está faltando água", em referência à crise de abastecimento hídrico no estado.




Geraldo Alckmin esteve na estação Palmeiras-Barra Funda de metrô. Foto: Renata de Oliveira Silva / vc repórter/Portal Terra O candidato tucano à reeleição também recebeu xingamentos e críticas ao seu governo. Reclamações como "Diminui o preço da tarifa" e "Melhora a saúde e o metrô" também foram dirigidas a Alckmin.

O candidato do PSDB esteve na Estação Palmeiras Barra-Funda para anunciar o “Cartão Bom”, que foi anunciado em 2011, mas começará a ser usado no dia 30 de agosto, segundo ele. Em relação à expansão do metrô e CPTM, o candidato tucano afirmou que entregará, ainda neste ano, quatro estações que estão com as obras bastante atrasadas.

“Vamos entregar duas estações se não em agosto em setembro. Uma é a Vila Prudente e a outra e a Oratório (ambas do monotrilho). Vamos entregar a estação Fradique Coutinho e em seguida Oscar Freire (ambas de bairros nobres da cidade). Alckmin preferiu não prometer mais quilômetros de metrô e trens, mas disse que o transporte sobre trilhos está em plena expansão.

Ao ser questionado sobre as vaias, o governador disse não ter se ofendido. "Primeiro, queria destacar aqui que hoje foi o recorde de selfies, de fotografias".

Uma passageira que estava perto do tucano tentou conversar com ele sobre a falta de água em sua casa. Segundo ela, já existe racionamento onde vive. Alckmin, no entanto, não parou para conversar com a jovem.

Com agências


sábado, 16 de agosto de 2014

Lindo desenho sobre a esperança Palestina

Marah FM - Hebron - Palestina

ONU classifica como ‘desumano’ e ‘cruel’ confinamento solitário de crianças palestinas por Israel - ONU Brasil

20/07/2014
ONU Brasil

Relator especial denuncia tratamento ‘degradante’ e ‘ilegal’, enquanto Comitê Especial sobre o tema declarou estar ‘perturbado’ com relatos de prisão em massa de crianças e destruição rotineira de casas de povo palestino, entre outras práticas.
Sabah, de 4 anos, de pé em 2010. As autoridades israelenses demoliram a sua casa em 2010. (Foto: UNRWA)
O Relator Especial das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos nos territórios palestinos ocupados, Richard Falk, condenou nesta sexta-feira (20) o uso por Israel de solitárias para crianças palestinas. O Especialista, em seu relatório (acesse aqui), pediu ao governo israelense que trate as crianças palestinas detidas de acordo com as leis internacionais de direitos humanos, respeitando sua dignidade.
“O uso por Israel de confinamento solitário contra crianças viola flagrantemente os padrões internacionais de direitos humanos”, indignou-se Falk sobre o fato do país aplicar a medida como punição para crianças em greve de fome.
“Este padrão de abuso de Israel é grave”, avalia. “É desumano, cruel, degradante e ilegal, e mais preocupante, é provável que afete a saúde física e mental de detidos menores de idade.”
“As condições carcerárias são geralmente deploráveis, obrigando as crianças a dormirem no chão ou em camas de concreto em celas sem janelas”, afirma Falk. “Às crianças palestinas, especialmente de Gaza, também são negadas visitas de parentes e acesso a advogados. Isto isola e intimida as crianças e as expõem a maus-tratos durante interrogatórios.”
Falk destacou que, em 53 casos relatados pela ONG ‘Defence for Children International’ desde 2008, palestinos entre 15 e 17 anos foram confinados em solitárias por períodos de 1 a 24 dias.

Comitê da ONU relata momentos de terror que fazem parte do cotidiano dos palestinos

Também nesta sexta-feira (20), o Comitê Especial da ONU sobre práticas israelenses nos Territórios Ocupados expressou grave preocupação com o tratamento de crianças palestinas detidas pelas forças de segurança israelenses, advertindo que um padrão de detenção e maus tratos das crianças “está vinculado a preocupações mais amplas e de longa data sobre a detenção palestinos por Israel em geral”.
“Testemunhas informaram à Comissão que maus tratos de crianças palestinas começam desde o momento da detenção”, disse o Embaixador Palitha T.B. Kohona, Representante Permanente do Sri Lanka junto às Nações Unidas em Nova York e Presidente da Comissão, no final de uma visita de averiguação em Amã (Jordânia), Cairo (Egito) e na Faixa de Gaza.
“Um grande número de pessoas são rotineiramente detidas. Casas com crianças são cercadas por soldados israelenses durante a madrugada, granadas de som são disparadas em direção às casas, portas são quebradas, tiros muitas vezes são disparados, nenhum mandado é apresentado”, observou ele. “As crianças são brutalmente presas, seus olhos vendados e são empurradas para as traseiras dos veículos militares.”
O Embaixador Kohona explicou que os pais não estão autorizados por Israel a acompanhar as crianças detidas, e que os membros da família são insultados, intimidados e, por vezes, agredidos fisicamente. De acordo com testemunhas, a detenção e transferência de crianças pode durar horas, e muitas vezes, podem incluir paradas em assentamentos israelenses, postos de fiscalização e policiais ou bases militares de Israel.
“As crianças não são informados dos seus direitos, incluindo o direito à representação legal e não autoincriminação”, alertou. Em 63% dos casos envolvendo crianças palestinas, segundo os relatos recebidos, as autoridades israelenses tentam pressioná-las a se tornarem informantes. “A visão do Comitê é de que esta é uma prática inaceitável, com a qual Israel deve pôr fim imediatamente.”
“Relatórios do interrogatório de crianças palestinas são de extrema preocupação para a Comissão, bem como as condições de detenção em geral”, salientou o Embaixador Kohona. “Às crianças palestinas detidas, são frequentemente negadas visitas de familiares, o acesso a representação legal, além de serem mantidas em celas com adultos, negado o acesso à educação e, mesmo com a idade de 12 anos, julgadas em tribunais militares israelenses”.
“Ficamos consternados ao ouvir que Israel continua a sua prática de condenar crianças à prisão, ou a prisão domiciliar em outras casas diferentes das suas próprias famílias, com efeito exilando-as de suas famílias”, disse ele. A Comissão foi informada por testemunhas que havia 192 crianças em detenção – 39 delas com menos de 16 anos.
O Comitê também ficou chocado ao saber que Israel põe crianças palestinas em confinamento solitário. “Segundo relatos recebidos, Israel usa a solitária contra 12% das crianças palestinas detidas”, observou o Embaixador Kohona. “Isto é especialmente preocupante quando se considera que Israel prende cerca de 500 a 700 crianças palestinas todos os anos.”
Nas suas observações preliminares, o Comitê Especial da ONU chamou a atenção para duas outras áreas de preocupação imediata na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental: a prática israelense de demolir casas palestinas e a violência de colonos israelenses contra palestinos. Os especialistas também avaliaram o impacto econômico do bloqueio israelense à Faixa de Gaza.
“Estas práticas israelenses levam o Comitê Especial a uma conclusão abrangente e profundamente perturbadora”, ressaltou Kohona. “A prisão em massa de palestinos; a demolição rotineira de casas e o deslocamento de palestinos; a violência generalizada por colonos israelenses contra palestinos; e o bloqueio e a dependência resultante sobre o contrabando ilegal para sobreviver; estas práticas equivalem a uma estratégia para forçar a retirada do povo palestino de suas terras ou marginalizá-los severamente de modo a estabelecer e manter um sistema de opressão permanente.”
O Comitê Especial vai apresentar um relatório de missão para a Assembleia Geral da ONU em novembro próximo, com suas observações e recomendações para melhorar a situação dos direitos humanos para aqueles cujas vidas são afetadas pela ocupação.

Comissão da Verdade UFBA - 9ª Oitiva: Maria Liege Rocha



Maria Liege Rocha, ex-aluna de Biblioteconomia e Documentação, ativista do movimento feminino pela Anistia e ex-presidente da União de Mulheres de Salvador, depôs na nona oitiva da Comissão Milton Santos de Memória e Verdade da UFBA, realizada no dia 22 abril de 2014, no auditório da Faculdade de Comunicação.

domingo, 10 de agosto de 2014

No Dia dos Pais, Dino é atacado por morte do filho - Brasil 247

247 - A disputa eleitoral pelo governo do Estado do Maranhão vai ganhando contornos pouco civilizados. Neste domingo (10), Dia dos Pais, perfis fakes no Twitter, que declaram apoio à candidatura de Edison Lobão Filho (PMDB), enviaram mensagens ironizando o candidato Flávio Dino (PC do B), que perdeu um de seu filhos há dois anos, vítima de negligência médica. "Feliz Dia dos... #SQN" é o texto central de mais de uma dezena de tweets que Dino recebeu. Diante do fato, o candidato a governador pelo PC do B criticou a atitude de péssimo gosto.
"Desde a manhã, os fakes de Edinho Lobão me dirigem mensagens agressivas em pleno dia dos pais. Esse tipo de "gente" so tem maldade na alma. Retuitei algumas das mensagens, para que todos possam ver para crer. Esse tipo de "gente" que nós estamos enfrentando. E vamos vencer. Fazem alusão à trágica morte do meu filho para tentar me intimidar e desestabilizar emocionalmente. "Gente" baixa", afirmou Dino.
O candidato do PC do B disse que o senador João Alberto (PMDB) afirmou, "aos berros", que "sou Satanás". "E agora fazem panfletos apócrifos em que sou representado pelo Diabo", disse. "Espalham mentiras contra meu pai, um idoso de 82 anos, aposentado e hipertenso. Essa "gente" é liderada pelo senador Jose Sarney. Querem, assim, conduzir a campanha ao esgoto absoluto, me levar ao nível deles, que nada tem a dizer ou propor. Eles não sabem que quem tem fé, de verdade, e põe a sua vida a serviço da causa da justiça, não tem medo de nada, nem de ninguém", completou.

George Gallaway: Why doesn´t Israel have the right of occupy Palestine?

Judeus ortodoxos contra o sionismo e Israel nos EUA - Vale a pena ver - English e Português - Vídeo

Incrível esse vídeo. Um judeu ortodoxo denunciando o sionismo de modo brilhante, porque o sionismo é uma grande desgraça, uma forma de racismo, apartheid e de genocídio. O materialismo que ele critica não é o filosófico, mas o apego - muito comum essa transposição. Vale muito a pena ver. Ser judeu não é o mesmo que ser sionista e compactuar com esse crime que é uma prática nazista por parte dos sionistas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Total de visualizações de página