quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Quando a felicidade é luta - Paulo Vinícius Silva



"A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos,
Só pode exaltar."
Canção do Tamoio, Gonçalves Dias

Existe uma famosa frase no jargão da UJS que diz: "alguém tem que se &$#@#$". Impublicável e amplamente conhecida, longe de fútil ou grosseira, descreve uma enorme generosidade. Fala da noção da responsabilidade do(a) militante abnegado, convencido da natureza imprescindível da sua ação individual para o êxito dos empreendimentos coletivos. Significa: "A responsabilidade é minha". Significa: "Estamos aqui pra isso mesmo". É uma piada, mas encerra uma verdade tão clara para o(a) militante que só pode ter um resultado, o mais importante: o nascimento de um quadro. São feitos do sonho dessas pessoas todas as vitórias que se tem conquistado na luta dos estudantes, ano após ano.

Essas abnegação, coragem e determinação são ainda mais notáveis nas mulheres. Pensemos em quantas barreiras as camaradas não enfrentam para exercer essa liberdade emancipadora de fazer política e viajar milhares de quilômetros, passar dias fora de casa. Imagina quantas mães rezando, quantos pais de coração apertado, quanto namorado ciumento que - besta - fica querendo empatar, e"roda" no meio do caminho. E é impressionante quantas e quão empoderadas são as camaradas, com posições e resultados cada vez mais notáveis em todos os níveis das lutas dos estudantes. Na UJS o poder feminino é um fato. Também para elas é necessária uma chama especial dentro do peito e entre as têmporas a lhes impulsionar tão longe. E é chama de entrega, é teimosia alimentada dia a dia com a certeza do caminho e com o aprendizado das vitórias e derrotas. O melhor é quando se as menospreza. É lindo ver as meninas da UJS atropelando machistas mal informados da sua capacidade. De vez em quando o cabra ouve: "Foi mexer com as comunistas"!

E há outra frase que responde à possível pergunta se tudo isso não é chato demais: "Quem não aguenta, bebe leite". Amparada na idade que dá a energia, e na convicção que dá a disciplina, com muita ginga, essa moçada consegue curtir e cumprir o seu dever. É verdade: o povo beija na boca, dança, curte, fazem o que tem direito nessa fase de pungente descoberta de si e do mundo. Para isso, dão seus pulos. Mas o valor, a arte mesmo, o que diferencia o(a)  quadro, só se demonstra na hora em que não é possível tergiversar, em que, seriamente, como ninguém imaginaria, e com concentração total, persegue-se o objetivo coletivo. E se ultrapassam as metas rumo à vitória.

É bonito também ver a surpresa geral quando aquele ou aquela jovem abre a boca e todas as suas fragilidades dão lugar à limpidez com que a justa política penetra no coração das massas. Ou quando uma pessoa normalmente tímida vence suas barreiras e aprende que mais importante que falar bonito é falar às pessoas com a simplicidade da empatia e a força das ideias corretas. Afora aqueles que sequer falam, mas que dão contribuições inestimáveis, sem palanque algum. Sem eles tudo despencaria, seja na organização, mapas, finanças, no credenciamento, no transporte, na construção dos banheiros ou nos trabalhos mais difíceis e invisibilizados. Superam barreiras inacreditáveis que fariam inveja a qualquer produtor calejado. E isso porque há um brilho especial em cada um deles(as). Essa é a verdadeira e última razão dos resultados positivos que trazem, ou do choro sentido com que enfrentam as derrotas. Acordam mais cedo, dormem mais tarde, sabem o que defendem, não se dividem. E lutam.

Tem uma seriedade cheia de diversão e amizades, verdadeiramente brasileira naquilo que tem de gênio e contradição. É o "jeitinho" que serve para o bem, e bem feito. Uma fidelidade seriíssima, mas temperada com as doçuras e amarguras de ser jovem e viver os problemas e as belezas de o ser inteiramente. É isso que encanta, atrai, enche e notabiliza a UJS. 

Por isso essa saudação querida,  e até solene, para todas as lideranças da UJS que farão o maior CONEB da História da Gloriosa União Nacional dos Estudantes, o maior encontro de Grêmios da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas e a mais linda das bienais. Também os coroas da ANPG estaremos no Recife, porque a luta continua, e militar ensina muito, inclusive a ter êxito no estudo e avançar para novos desafios na luta de ideias que tanto necessita de nós. 

E sobre esse chão pernambucano, que pariu Abreu e Lima, Luiz Gonzaga, Paulo Freire, Diógenes Arruda Câmara, Gregório Bezerra, pelas ruas em que tantos heróis caminharam, militarão - laboriosamente e se divertindo - muitas centenas de jovens que aspiram ao socialismo e à libertação do Brasil. Gente que persegue esses sonhos na luta, com arte e ciência, e com aquele sorrisão estampado em tantas fotografias de quase três décadas de militantes da UJS. Nela aprendem que a felicidade não é individual, nem fútil. Ser feliz e ter liberdade verdadeira não se compra em lugar nenhum. Para essa galera, ser feliz tem a ver com a integridade de lutar coletivamente para que nossos sonhos se realizem. E tem se realizado.

De lá partirão, com "sangue no olho", "dando nó em pingo d´água", para enfrentar as duras lutas de 2013. E vencê-las. Por isso são a Juventude do Araguaia.