terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Em Cuba, Dilma condena bloqueio e reafirma parceria - Portal Vermelho

Em Cuba, Dilma condena bloqueio e reafirma parceria - Portal Vermelho

Ao visitar Cuba pela primeira vez desde que assumiu o governo brasileiro, a presidente Dilma Rousseff condenou o bloqueio imposto à ilha pelos Estados Unidos há 50 anos. Segundo Dilma, a melhor forma de o Brasil ajudar o país caribenho é furar esse bloqueio e continuar investindo em parcerias que também são estratégicas para o Brasil.


Dilma posa para foto ao lado do presidente de Cuba, Raúl Castro, durante sua primeira visita ao país / Foto: Roberto Stuckert Filho - Presidência da República

"Eu acredito que a grande contribuição que nós podemos dar aqui, a Cuba, é ajudar a desenvolver todo o processo econômico", disse. "A melhor forma de o Brasil ajudar Cuba é contribuir para acabar com esse processo, que eu considero que não leva a grande coisa, leva mais à pobreza das populações que sofrem a questão do bloqueio, a questão do embargo, do impedimento do comércio", disse.

Segundo ela, que chegou a Cuba na segunda (30), a cooperação estratégica com Cuba é favorável aos dois países, pois em áreas como biotecnologia o estado caribenho exibe uma estrutura excepcional e competente, enquanto o Brasil pode aportar uma alta capacidade tecnológica.

Depois de colocar uma oferenda floral no memorial dedicado a José Martí, herói nacional de Cuba, Dilma destacou que seu governo tem o compromisso de contribuir com o povo da ilha, que impulsiona um processo de atualização econômica.

Dilma Rousseff rede homenagem a José Martí / Foto: Omara García Mederos/AIN

Dilma citou as iniciativas brasileiras em Cuba que ela considera estratégicas, como a política de crédito para compra de alimentos na ilha. Por meio de um crédito rotativo, o Brasil financia para Cuba a compra de produtos alimentícios brasileiros. Essa linha oferece US$ 400 milhões em crédito.

Além disso, o programa federal Mais Alimentos financia a compra de máquinas e equipamentos para a produção de alimentos em Cuba. Nessa modalidade, o crédito oferecido ao país caribenho é de US$ 200 milhões, de acordo com informações da própria presidenta. "É impossível considerar correta a política de bloqueio de alimentos para um povo", enfatizou.

Dilma também destacou a parceria para a ampliação e modernização do Porto de Mariel, estratégico para o comércio externo do país. "Trata-se de um sistema logístico de exportações de bens", disse. Dos cerca de US$ 900 milhões investidos no porto, o Brasil contribui com cerca de US$ 640 milhões. "Nós achamos que é fundamental que se criem aqui condições de estabilidade para o desenvolvimento do povo cubano", disse a presidente, que deixará a ilha nesta quarta, rumo ao Haiti.

Havana e Brasília mantêm relação diplomáticas desde 1943 - interrompidas em 1964 e restabelecidas 22 anos depois - com laços que se fortaleceram a partir da chegada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao governo, uma tendência que permanece com a atual gestão. O Brasil é hoje o segundo maior parceiro comercial de Cuba na América Latina, depois apenas da Venezuela. Atualmente, quase 700 jovens brasileiros estudam na ilha.

Sem dupla moral

Na entrevista coletiva em Cuba, Dilma destacou que os direitos humanos não devem ser usados como arma política. Para a chefe de Estado brasileira, a questão deve ser tratada de uma forma mais abrangente e não como ferramenta para criticar apenas certos países. "O mundo precisa se comprometer em geral. Não é possível fazer da política de direitos humanos só uma arma de interesse político e ideológico. O mundo precisa se convencer que é algo que todos os países do mundo têm de se responsabilizar, inclusive o nosso", disse a presidente.

Dilma afirmou que desrespeitos aos direitos humanos ocorrem em todas as nações, inclusive no Brasil, e citou como exemplo as violações denunciadas na base norte-americana de Guantânamo. A questão dos direitos humanos é com frequência utilizada pelos detratores de Cuba, que, por outro lado, não fazem as mesmas cobranças a outros países, a exemplo dos Estados Unidos e suas práticas de tortura.

"Quem atira a primeira pedra tem telhado de vidro. Nós no Brasil temos o nosso. Então eu concordo em falar de direitos humanos dentro de uma perspectiva multilateral", disse a presidenta, em coletiva de imprensa. "Não podemos achar que direitos humanos é uma pedra que você joga só de um lado para o outro. Ela serve para nós também", encerrou a presidente, negando-se a engrossar o coro do discurso anticubano.

Com agências

Protógenes: nada sensibilizou tanto como o que vi em Pinheirinho - Portal Vermelho

Protógenes: nada sensibilizou tanto como o que vi em Pinheirinho - Portal Vermelho

Nos últimos anos, ele esteve no centro pela luta por justiça. Como delegado da Polícia Federal, Protógenes Queiroz foi o símbolo da luta contra a corrupção no Brasil. Fez o que pode dentro dos quadros da Polícia. Perseguido pelos poderosos bandidos que mandou prender, como Daniel Dantas, e seus serviçais incrustados em todos níveis de poder , teve que procurar outras frentes de batalha para atuar.

Por Kerison Lopes


Protógenes em Pinheirinho

Protógenes em reunião com moradores de Pinheirinho

Agora como deputado federal do PCdoB-SP, novamente Protógenes está no centro dos acontecimentos da conjuntura brasileira. Foi o autor e praticamente sozinho conseguiu criar na Câmara dos Deputados a CPI da Privataria. Há poucos dias, foi dos únicos parlamentares a acompanhar de perto as atrocidades cometidas pelo governo de São Paulo e sua polícia em Pinheirinho, na cidade de São José dos Campos.

Nesta entrevista para o Vermelho, Protógenes faz um balanço dos acontecimentos recentes e confessa que está revigorado de esperança graças ao giro que tem feito pelo país, participando ao lado do jornalista Amaury Ribeiro Junior do lançamento do livro Privataria Tucana. Já foram feitos lançamentos em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e estão programados em Belo Horizonte (dia 06) e Brasília (dia 15).

Vermelho: Como tem sido os Lançamentos do livro Privataria Tucana pelo Brasil afora?
Protógenes Queiróz: Estou vendo esses lançamentos como atos de chamamento e mobilização nacional do povo brasileiro para reacender o debate sobre as privatizações. Existe uma grande curiosidade e indignação dos brasileiros no sentido de entender o que aconteceu naquela quadra histórica. Todo mundo quer saber o que houve como o dinheiro arrecadado com a venda das estatais.

Está muito vivo na mente dos que viveram naquela época o discurso de que os tucanos vendiam estatais para investir em políticas públicas que diziam prioritárias. Mas não foi o que aconteceu, essas políticas nunca foram cumpridas e na verdade não aconteceram vendas e sim negociatas do patrimônio público. O dinheiro desapareceu. O livro do Amaury trouxe esse debate à tona e como tenho dito, é um documento incontestável que mostra em detalhes como foi conduzido aquele processo.

Como deputado, tenho a obrigação de levar essa discussão para a Câmara, não para fazer uma revisão do processo, pois não temos força para isso, mas para fazer um reencontro do Brasil com essa verdade histórica. Entender como alguns conseguiram ficar milionários da noite para o dia à custa do suor do povo brasileiro, que foi quem na prática construiu por décadas as estatais que foram entregues no processo de privatização.

Vermelho: E como tem sido a receptividade do público que participa destes debates, qual a expectativa deles para os próximos passos?
PQ: O público tem correspondido a esse chamado. A maioria que participa destes eventos quer se engajar nesta luta. O próprio sucesso de vendas do livro é uma prova disso. O número de livros vendidos surpreendeu a todos, inclusive ao autor. Qual brasileiro não se pergunta quanto aos altos preços cobrados pelas operadoras de celular? Qual brasileiro não se indigna ao ver a Vale operando em vários estados e enviando nossas riquezas para fora sem pagar os impostos justos, pois os royalties do minério são irrisórios. Há uma incompreensão do povo brasileiro quando vê as nossas riquezas indo embora e não voltando nada para ser investido por aqui. Tem também os trabalhadores que atuavam nas empresas privatizadas. Quantos perderam seus empregos, existem casos de bancários que até se suicidaram depois de perder o emprego em bancos privatizados.

Vermelho: No final do processo legislativo do ano passado, o senhor conseguiu o número necessário para a instalação da CPI da Privataria? Qual sua expectativa para esse ano legislativo que começa nessa semana?
PQ: Cumprimos todos os ritos regimentais, ao fundamentar o pedido de CPI e protocolar junto à presidência da Casa com o número necessário de assinaturas para sua instalação, como você disse. Daqui para frente confio nos próximos passos regimentais para a sua efetiva instalação. Pelo que estou rodando pelo Brasil vejo que há uma pressão popular muito grande para a sua instalação. O mais importante já está acontecendo, que é ter um debate sobre o processo de privatização.

Vermelho: O senhor teve uma participação destacada em defesa dos moradores que foram desocupados de Pinheirinho. Inclusive foi um dos parlamentares que acompanhou de perto a ação policial. O que viu naquele dia?
PQ: Confesso que muito me chocou aquelas cenas da desocupação. Em doze anos de Polícia Federal e nesse ano de deputado, nada me sensibilizou tanto quanto o que vi ali em Pinheirinho. Fiquei assustado com o autoritarismo praticado, não se teve o mínimo de bom sendo para tratar com dignidade aquele povo. A juíza, os governantes, a Polícia deixaram de lado os valores do ser humano. Foram indiferentes ao fato que ali estavam seres humanos, mulheres, crianças, idosos, brasileiros pobres que só estavam morando ali há anos porque não tiveram outra opção de habitação. O Estado que deveria ali defender os interesses do povo, praticou um total desrespeito aos direitos humanos.

Vermelho: E a batalha está perdida? O que o senhor tem feito em relação ao assunto?
PQ: Partimos para uma ação concreta. Estamos investigando a origem da propriedade. Sabemos que aquela área pertenceu a uma família que foi chacinada na década de 60 e pode ter sido invadida por grilhagem. Já pedi a certidão centenária pra fazer um histórico até os dias de hoje. Saber como aquele terreno foi parar nas mãos da empresa de Nagi Nahas, e olha em que mãos. Risos. Podemos ficar tranqüilos que também nesse caso a verdade vai aparecer e não vai demorar.

Vermelho: Em Pinheirinho, quando o senhor estava defendendo os moradores contra a selvageria da Polícia, o que passou pela sua cabeça?
PQ: Agi naquele episódio em defesa da democracia brasileira. Foi uma resposta contra o autoritarismo. Minha geração enfrentou a ditadura e não podemos ver impunemente o autoritarismo voltar para nosso convívio. Pratiquei ali uma ação cidadã, não parlamentar. Fui movido ali pelos sentimentos de um brasileiro que acredita nos poderes da República. Mais do que na força da República, acredito acima de tudo na força do povo brasileiro que é o verdadeiro construtor do nosso país. No povo que luta, que batalha dia-a-dia para criar seus filhos e que viu naquela área a única forma de dar um teto para sua família. Agi pela crença nesse povo que tem a capacidade de resistir. Estive em Pinheirinho e estou do lado do seu povo porque acredito na democracia brasileira. Antes de tudo, pratiquei ali uma ação de cidadania.

Mídia tenta criar polarização eleitoral "na marra" em SP - Portal Vermelho

Mídia tenta criar polarização eleitoral "na marra" em SP - Portal Vermelho

Em meio às incertezas que ainda permeiam a disputa eleitoral na capital de São Paulo, um tendência já se demonstra bastante sólida: o empenho, nada disfarçado, por parte da grande mídia em ocultar candidaturas e favorecer à manutenção da polarização política na cidade.


Todas as últimas pesquisas têm demonstrado que o eleitor reconhece o surgimento de novas lideranças e não está disposto a ser levado de roldão a escolher, necessariamente, entre os nomes de PT, PSDB ou o indicado pelo prefeito, do PSD.

É lícito dizer que estas são as três principais forças políticas da disputa - pois estão à frente, respectivamente, dos executivos nacional, estadual e municipal. Não é legítimo, no entanto, falsear a conjuntura de maneira a restringir a cobertura pré-eleitoral a estas alternativas. Mas é o que tem acontecido, basicamente, até agora.

Vejamos. Os pré-candidatos dessas legendas não figuram entre os primeiros colocados em nenhuma sondagem feita até aqui - à exceção de quando José Serra é o nome tucano, algo que já foi por ele rechaçado um sem número de vezes.

Ao contrário, em todas as pesquisas - inclusive nas quais Serra aparece -, uma diversa gama de pré-candidatos alcança posições de destaque, todos de outros partidos.

Resultado das pesquisas não se reflete na cobertura

Celso Russomano lidera no último Datafolha de 2011 e neste primeiro de 2012, em diversos cenários. Vale lembrar que este trocou de partido (anteriormente era do PP) justamente porque lhe foi assegurada a possibilidade de candidatura no PRB. No entanto, Russomano tem sido escanteado na cobertura pré-eleitoral e sequer teve seu nome incluído no último IBOPE.

Netinho de Paula, pré-candidato pelo PCdoB, muito embora alcance patamares muito expressivos (entre 13% e 15%) e esteja sempre nas primeiras colocações em todas as pesquisas, tem espaço bastante restrito nas matérias que tratam dos cenários para a sucessão na capital. E trata-se de figura pública conhecida por mais 90% do eleitorado e que vem de uma recente candidatura ao Senado que lhe rendeu mais de 7 milhões de votos, sendo quase 2 milhões na cidade de São Paulo.

O mesmo tem ocorrido com Soninha Francine e Paulo Pereira da Silva, que se apresentam por PPS e PDT, respectivamente. Gabriel Chalita ainda aparece de quando em vez, sempre vinculado ao cobiçado tempo de TV de seu partido, o PMDB.

Fato é que o resultado das pesquisas não tem se refletido na cobertura. Logo, a média da opinião popular tem sido desrespeitada de maneira flagrante, uma vez que a escolha de mais da metade do eleitorado não encontra eco nos meios de comunicação - a soma dos resultados de Russomano, Netinho, Soninha e Paulinho, em todas as últimas sondagens, ultrapassa 50%.

Cenário com múltiplas possibilidades

Obviamente, muita coisa ainda pode acontecer até o início da campanha. Alianças podem ser costuradas e definições importantes ainda precisam acontecer, a exemplo da indicação do candidato do PSDB e o posicionamento final do prefeito Gilberto Kassab, por ora ensaiando aproximação com o PT.

No entanto, já existem dados concretos que diferenciam esta das eleições anteriores e abrem margem para que outros partidos, legitimamente, apresentem seus quadros para a disputa. A ausência de personagens políticos fortes e com desempenho eleitoral já testado - como Marta Suplicy, Paulo Maluf e, até o momento, José serra - possibilita a disputa de grande número de eleitores.

Portanto, ao contrário do que pretendem os advogados da polarização, o cenário está aberto e com múltiplas possibilidades de desfecho.

Por que não debater novos atores e ideias?


A pergunta que fica para quem observa os meses anteriores à definição dos times que entrarão em campo é: por que desconhecer a existência de novos agentes políticos e novas ideias para enfrentar os desafios da cidade?

O razoável seria fazer o caminho inverso - ou seja, explorar a conjuntura para debater alternativas - e não ignorar postulações legítimas e respaldadas, até o momento, pelas intenções de voto aferidas.

O PCdoB de São Paulo considera um ganho para a cidade este quadro de múltiplas possibilidades e o surgimento de lideranças com energias renovadas para enfrentar os dilemas paulistanos. Com a candidatura Netinho de Paula, o partido segue firme em seu propósito de contribuir para a construção de uma São Paulo mais justa e desenvolvida.

Espera-se que todas as candidaturas, daqui por diante, tenham espaço para se posicionar e debater democraticamente suas posições.

Da Sucursal de São Paulo

Dilma e Raúl Castro: Brasil investe $ 452 bilhões em porto de Mariel em Cuba

Dilma e Raúl Castro: Brasil investe $ 452 milhões em porto cubano


A presidente Dilma Rousseff iniciou nesta segunda-feira (30) uma viagem ao Caribe. A primeira parada foi Cuba. Atuamente o Brasil investe US$ 425 milhões no Porto Mariel, em Havana. O repórter Paulo La Salvia está na capital cubana e tem mais informações.



Protógenes defende que CPI da Privataria é um bem para o país - Portal Vermelho

Protógenes defende que CPI da Privataria é um bem para o país - Portal Vermelho


segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Veja a Programação dos 90 anos do PCdoB

O Partido Comunista do Brasil completa 90 anos em 2012 - Portal Vermelho
Fundado em 25 de março de 1922, o Partido Comunista do Brasil completa 90 anos em 2012. É uma longa existência de luta pelos direitos dos trabalhadores e do povo brasileiro, pela independência nacional, a democracia e o socialismo. Um partido internacionalista e solidário com as lutas libertadoras dos povos de todo o mundo. Carregue esta bandeira, filie-se ao PCdoB, lute com ele por um Brasil melhor, livre do imperialismo, da opressão e exploração. Lute por um Brasil socialista.

A agenda nacional de comemorações está definida e em acelerada preparação. Eis a programação:

1) Festa nacional dos 90 anos do PCdoB. Festa com programação cultural e política. Dia 24 de março, na cidade do Rio de Janeiro, na Casa VIVO RIO, a partir das 19 horas. Presença de representações do Partido de todo o país. Serão convidados aliados e amigos e delegações internacionalistas.

2) Sessão Especial do Congresso Nacional em homenagem aos 90 anos do Partido Comunista do Brasil, PCdoB. Brasília, Plenário das Sessões do Senado Federal, dia 26 de março, às 17 horas. Presença de delegações do Partido de todo o país. Serão convidados: dirigentes partidários, lideranças parlamentares e do movimento social, autoridades dos Poderes da República, convidados internacionalistas e representações diplomáticas.

3) Exposição Iconográfica: 90 anos de história do PCdoB. Brasília, Câmara dos Deputados, de 15 a 31 de março. (Haverá uma versão compactada desta exposição que poderá ser confeccionada separadamente e exposta em todo o país.)

4) Seminário PCdoB 90 anos: história, legado, marxismo e Programa Socialista. São Paulo, SP, dias 20 e 21 de abril. Auditório da Universidade Paulista, UNIP, Unidade Vergueiro. Presença de quadros e militantes de todo o país e convidados.

5) Programa de TV e Rádio alusivo aos 90 anos do PCdoB, dia 29 de março, às 20:30 horas, duração de 10 minutos. As organizações do Partido devem promover eventos em todo país para se assistir o programa, seguido de debates, atos e festas locais de comemoração.

As direções partidárias, o coletivo militante, todos são chamados ao engajamento entusiástico pelo êxito das comemorações que devem ser um acontecimento na vida do Partido e da sociedade. A vitória requer o empenho pela vitória dessa agenda nacional e, também, por uma rede de eventos nos estados e municípios que deve ser desde agora preparada. Exige também o esforço para a campanha de finanças com a venda do Bônus dos 90 anos.

As comemorações devem materializar o papel político crescente da legenda comunista no Brasil de hoje e o esforço pela educação ideológica de suas fileiras militantes. As responsabilidades que exerce perante o povo e a Nação, desde sua presença no governo da presidenta Dilma Rousseff até sua atuação e seus vínculos com a luta dos trabalhadores e ao valor que atribui à batalha de ideias.

Festejar os 90 anos do PCdoB é celebrar a luta do povo, força motriz das grandes mudanças! Enaltecer seu legado e sua história anima e alimenta de energia transformadora a atual geração de revolucionários em face das batalhas do presente e dos desafios do futuro!

São Paulo, 27 de janeiro de 2012

A Comissão Política Nacional do Partido Comunista do Brasil-PCdoB



Inácio Arruda destina verba para o combater o crack em Fortaleza - Portal Vermelho

Inácio Arruda destina verba para o combater o crack em Fortaleza - Portal Vermelho

A dependência do crack é considerada hoje pelo ministério da Saúde, como uma grande epidemia só comparada ao desafio do enfrentamento a epidemia da AIDS. Preocupado com esta situação e engajado na campanha nacional de combate as drogas lançada pela presidenta Dilma Rousseff, o senador Inácio Arruda destinou R$8 milhões de emenda de bancada (cada senador tem direito de indicar uma) para o combate e a prevenção ao crack em Fortaleza e nos municípios da Região Metropolitana.


Mais especificamente, esses recursos serão aplicados na construção de Unidades de Acolhimentos para pessoas com necessidades decorrentes do uso do crack, álcool e outras drogas, previsto no Plano Integrado de Combate às drogas.

Para o senador Inácio Arruda o plano lançado pela presidenta Dilma “vai combater uma chaga social gravíssima, que ataca principalmente a nossa juventude”.

Ele informa que a secretaria Nacional de Políticas sobre Dogras (Senad) do Ministério da Justiça está elaborando uma pesquisa inédita sobre o perfil do consumo de crack no Brasil, com o objetivo de conhecer o que leva uma pessoa a buscar as drogas, “que hoje em dia não é mais só um problema dos grandes centros urbanos, mas também do meio rural”.

Rede de atendimento

O programa lançado pelo governo federal prevê, para atender aos dependentes químicos, o lançamento da rede de atendimento “Conte com a Gente”, que tem a meta ambiciosa de auxiliar dependentes e familiares e tentar garantir a reinserção social. O Sistema Único de Saúde (SUS) será uma das ferramentas do tratamento, criando enfermarias especializadas nos hospitais da rede. Até 2014, o Ministério da Saúde promete repassar recursos para que estados e municípios criem 2.462 leitos. O investimento total previsto é de pouco mais de R$ 670 milhões. O valor da diária de internação passará de R$ 57 para R$ 200.

Além da estrutura do SUS, o governo promete criar mais de 300 consultórios de rua, para fazer atendimento volante em locais de maior incidência de crack. As equipes serão compostas por médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Outra novidade é que os centros especializados para álcool e drogas passarão a funcionar 24 por dia e sete dias por semana. A própria presidente Dilma Rousseff já havia criticado o modelo anterior, em que os centros funcionavam em horário comercial.

Para evitar a entrada de drogas no País, o programa promete ações policiais nas fronteiras e em áreas de grande consumo. O contingente das polícias Federal e Rodoviária Federal deverá ser reforçado com mais 2 mil homens. Para prevenção, o foco das ações do governo será nas escolas e por meio de líderes comunitárias.

Fonte: Assessoria do Senador Inácio Arruda – PCdoB

Celebrar a luta do povo, festejar os 90 anos do PCdoB - PCdoB. O Partido do socialismo.

Celebrar a luta do povo, festejar os 90 anos do PCdoB - PCdoB. O Partido do socialismo.
Reunida em São Pualo nesta sexta-feira (27), a Comissão Política Nacional do PCdoB aprovou uma nota em que faz um chamamento aos militantes, amigos e o povo brasileiro a se incorporarem nos festejos comemorativos do 90º aniversário do partido


Neste ano de 2012, a legenda partidária de mais longa presença na história brasileira comemora a épica passagem de 90 anos de sua fundação.

Em 25 de março de 1922, na cidade de Niterói, Rio de Janeiro, pelas mãos de um grupo de intrépidos trabalhadores nasceu o Partido Comunista do Brasil. Seu itinerário de 90 anos de lutas se funde com as diferentes etapas da história do país. Constante nesta trajetória é a bandeira do socialismo que nos seus punhos se manteve sempre alta. Socialismo que, na atualidade, – rejuvenescido e renovado pela experiência histórica – é apresentado pelo PCdoB como a alternativa capaz de assegurar um novo avanço civilizacional para o Brasil – salto este que hoje tem por caminho a realização do Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento.

Esta trajetória que vem desde a República Velha, atravessa ditaduras, regimes autoritários, pequenas ilhas de liberdade, até a contemporaneidade – quando, desde 1985, o PCdoB vive seu período mais duradouro de atuação legal –, resulta num legado de batalhas e realizações em prol da democracia, da soberania nacional, dos direitos dos trabalhadores, da paz e da solidariedade entre os povos. Tal legado é fruto da militância revolucionária de várias gerações de comunistas nas quais estão presentes inúmeros heróis do povo brasileiro.

Desde os fundadores de 1922 – simbolicamente personalizados no talento de Astrojildo Pereira – aos que o dirigiram nos tumultuados e enriquecedores anos de meados do século passado – cuja expressão é o destacado líder popular, Luiz Carlos Prestes –, até o período recente quando se agiganta o papel de João Amazonas como construtor e ideólogo do Partido Comunista que vicejou e se projetou para o século 21.


Conforme a tradição de nossa gente de festejar quando as colheitas são boas, o PCdoB convida o povo, suas personalidades e forças sociais e políticas democráticas e progressistas, para participarem da agenda de eventos e festejos comemorativos dos 90 anos do Partido Comunista do Brasil. É uma festa dos comunistas, dos trabalhadores; é uma festa da democracia brasileira da qual o PCdoB tem sido um guardião, mesmo à custa de muitas vidas. Os democratas, os patriotas são todos bem-vindos às comemorações deste acontecimento histórico.

Atos de alegria e confraternização irão ocorrer por todo este país continental, de Norte a Sul. De formas diversas, mas com semelhante regozijo, irão se manifestar entre os operários e assalariados; entre os sertanejos e os camponeses; entre a juventude, as mulheres, os intelectuais; enfim, entre o povo brasileiro de toda parte! Cada um, ao seu modo, irá fazer ecoar o legado dos comunistas, tão bem sintetizado num poema de Pablo Neruda, o poeta chileno, quando diz que o Partido deu voz, boca e ação aos humildes e oprimidos. Com o Partido,

"O escravo sem voz nem boca,
o extenso sofrimento,
se fez homem, se chamou Povo,
Proletariado, Sindicato,
ganhou pessoa e postura".

É justamente isto que tem feito o Partido nestas nove décadas de existência.

Walter Sorrentino: “Precisamos falar mais para a sociedade” - PCdoB. O Partido do socialismo.

Walter Sorrentino: “Precisamos falar mais para a sociedade” - PCdoB. O Partido do socialismo.
O trabalho organizativo e de construção partidária do PCdoB ganha em 2012 um papel ainda mais destacado na vida de seus quadros e militantes. As comemorações dos 90 anos do PCdoB e a realização das eleições municipais — em mais de 5,5 mil municípios brasileiros — formam os principais pilares da atuação do Partido este ano.

Por Mariana Viel
Walter S

Sorrentino: "O documento mais elevado da vida partidária é o Programa pelo qual lutamos".

O secretário nacional de Organização do PCdoB, Walter Sorrentino, define o processo eleitoral como um ponto determinante do processo organizativo do Partido este ano. “A primeira estaca de todo o processo que pensamos é de fato preparar e mobilizar o Partido para a vitória eleitoral. O PCdoB vem preparando esse projeto político afirmativo há dois anos. Tudo que fazemos é construir o Partido para a luta política”, explica o dirigente.

A participação nas eleições municipais deverá reforçar ainda mais o protagonismo político do Partido no cenário nacional. Com candidaturas próprias em 10 grandes capitais brasileiras e em diversos municípios de médio e pequeno porte, o PCdoB promete firmar importantes marcas no pleito. Walter cita a expressiva votação do Partido em 2010, na disputa para o Senado — quando o PCdoB foi o 4º mais votado, atrás apenas do PT, PSDB e PMDB. “Não estou dizendo que somos o 4º partido mais forte, mas esse tino político e a capacidade de nos concentrarmos em torno de determinadas batalhas dão a ideia de nossa força. Acumulamos força para ter 10 candidatos competitivos em 10 importantes capitais. Não dá para lidar com o PCdoB como um partido pequeno”.

“Precisamos falar mais para a sociedade, por isso as eleições são tão importantes. O Partido tem que amplificar a capacidade de falar de tudo que se orgulha para a sociedade. Qual é o Partido que tem 90 anos, tem uma base teórica bem definida, tem um Programa exequível e uma estrutura e princípios organizativos do tipo do PCdoB?”.

90 anos do PCdoB

Mas 2012 representa ainda um marco na história do Partido — que completa no próximo dia 25 de março 90 anos. Ao lado das eleições, foi pensado um intenso processo de afirmação das convicções, da ideologia e da política PCdoB em todo o país. "É o partido mais antigo do país e creio que seja também o mais maduro do Brasil — em termos de saber o que quer e o que fazer para alcançar seus objetivos".

O extenso calendário de comemorações inclui uma variada programação política, cultural e de estudo da própria história do PCdoB. "Estamos pensando em uma ampla mobilização, que reforce a organização partidária. Em função dos 90 anos e das eleições, construímos o projeto de construção partidária para 2012. Vai ser um processo de intenso trabalho ideológico e de mobilização — voltado para o reforço da estrutura organizativa do Partido”.

“Fazemos um grande esforço para sermos fiéis a esse legado que acumulamos em 90 anos de luta e ao mesmo tempo sermos fiéis ao povo trabalhador, à nação e à luta pelo socialismo em nosso país”.

Reforço ideológico

A meta de reforço do trabalho ideológico prevê que todo o Partido passe pelo Curso do Programa Socialista. Do ponto de vista organizativo a estaca central é persistir nas definições retiradas do 7º Encontro Nacional Sobre Questões de Partido — definida por Walter como “uma obra para um período histórico da construção partidária”.

“Em matéria organizativa, os objetivos do 7º Encontro, falam da necessidade de dirigirmos crescentemente o Partido por meio da política de quadros e a partir dela fortalecer a vida militante de base. Quem acompanhou os debates entende bem que essas duas coisas combinadas significam uma revolução, que chamamos de um novo modo de direção organizativa. É um assunto complexo e vamos nos dirigir de novo às direções dos grandes municípios com essa missão. É a partir deles que queremos fortalecer esse caminho".

A necessidade permanente do reforço ideológico também está diretamente associada ao crescimento do Partido. Em 2011, durante o processo de conferências municipais o número de militantes participantes da vida partidária cresceu mais, proporcionalmente, do que o número de filiados inscritos. "É um movimento importante que mostra o estilo do militante do partido. Evidentemente que o trabalho ideológico é voltado para a ideia de vida militante – desde a base. É um partido que, na luta, se mobiliza mediante as suas organizações”.

O dirigente nacional reforça que o Partido está em franco crescimento, e que é uma força respeitada — com forte adesão popular. Em números reais, a meta do PCdoB é alcançar a marca de 400 mil filiados este ano. Segundo Walter, esse crescimento deve estar associado ao trabalho de educação. “O Partido se abriu muito, o que é ótimo. Entra muita gente jovem, da sociedade, do empreendedorismo, da cultura, da ciência e sem uma mentalidade mais aprofundada da ciência política e dos fundamentos marxistas e leninistas. Isso é normal. O que não seria normal era deixarmos de fazer um intenso trabalho de educação dentro do Partido. Essa abertura não significa diluição teórica, política ou organizativa.”.

Programa Socialista


O vértice do esforço de formação dessa nova e ampla militância comunista brasileira é o Programa Socialista do PCdoB. Para Walter, o documento reúne todo o conteúdo da luta política e da própria formação teórica e ideológica do Partido. O Programa se aproxima da realidade concreta, que diz respeito à experiência imediata do próprio militante. O documento indica a luta pelo socialismo (que é o rumo) e o Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento (o caminho).

“O documento mais elevado da vida partidária é o Programa pelo qual lutamos. Ele é assimilável por qualquer cidadão brasileiro. O Curso do Programa Socialista deve mobilizar de novo todas as bases que se organizaram para as conferências do ano passado”.

Mobilizações

Entre 2009 (ano do 12º Congresso) e 2011, a mobilização de base do PCdoB nas grandes cidades cresceu 240% — passando de 830 para cerca de 2400 bases organizadas. Em 2011 o PCdoB cresceu 34%, segundo os critérios de números de filiados e militantes. "Somos um Partido que tem um apelo popular, social, político e cultural".

O secretário nacional de Organização diz que a vantagem de trabalhar planejadamente é substituição das urgências pelo que é importante. “Começamos o ano com um plano, o que também acho muito importante. Devemos regular planificadamente a atividade do Partido. Nosso plano foi divulgado para o todo o Partido para fazer convergir os esforços. É uma agenda de uma pauta nacional que vale para todo o país — com as diferentes características que cada estado tem”.

Do ponto de vista organizativo, segundo o dirigente nacional, “a mosca do alvo” é a instituição de fato dos departamentos de quadros ligados aos 27 estados brasileiros. "É preciso dotá-los de um plano de trabalho na direção do Plano Nacional. Vamos fazer uma reunião entre os departamentos de quadros em março, no Rio de Janeiro. A partir desses pontos de apoio vamos insistir num novo modo de direção organizativa".

Os ataques
 
Em outubro de 2011, falsas denúncias dirigidas ao ex-ministro do Esporte Orlando Silva e ao PCdoB provocaram uma forte reação da base militante do Partido. Os ataques se transformaram em uma forte campanha da mídia conservadora brasileira e da oposição para atingir a integridade do Partido e tentar frear seu crescimento.

De acordo com Walter, as agressões se revelaram um grande teste para o Partido. “Como uma estrutura de 300 mil filiados e 130 mil militantes se mantém firme? Porque confia na orientação política e porque tem uma política de organização e formação que dá consistência. São pessoas que vivenciam a realidade política e sabem que aquelas denúncias eram mentiras. O Partido reagiu em uníssono, o que demosntra também grande espírito político”.
 
“Como uma pessoa poder ter confiança na orientação política se não estiver suficientemente informada? Como é que um militante pode estar suficientemente informado se o Partido não tiver uma vida interna democrática e organizada? Uma coisa leva à outra. Se a pessoa acha que o dirigente está separado da massa de militantes e não há informação, transparência e democracia no debate interno isso não acontece”.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Sujeito de Sorte - Belchior

Vejam só, que maravilha! Belchior no Pirata Bar, em Fortaleza, em 1988,
cantando Sujeito de sorte, que tem esse janeiro ecoado incessantemente
em mim e que divido com vocês nesse domingo!
E quem o desejar, seguem as cifras violão, que encontrei no
http://www.cifras.com.br
Bom domingo!

Sujeito de Sorte - Belchior



                  E                    F# 
Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte
A                           E 
Porque, apesar de muito moço, me sinto são e salvo e forte.
E tenho comigo pensado:
F# 
Deus é brasileiro e anda do meu lado.
A                             E 
Assim já não posso sofrer... no ano passado. (repetir tudo 2x)
F# 
Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro.
A                               E 
Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro. 
A                               E 
Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro. 


sábado, 28 de janeiro de 2012

Secretaria de Segurança de SP exalta "Revolução" de 64 - Portal Vermelho

Secretaria de Segurança de SP exalta "Revolução" de 64 - Portal Vermelho

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo exaltou o golpe militar de 1964 em uma seção na sua página oficial na internet. O golpe é tratado como uma “Revolução”, “desencadeada para combater a política sindicalista de João Goulart”. Em seguida, a SSP diz que, durante o golpe, “Força Pública e Guarda Civil puseram-se solidárias às autoridades e ao povo.”


UOL
Ditadura secretaria sp

Golpe de 1964 foi articulado pelas Forças Armadas para depor o governo legal de Jango, que chegou a Presidência após Jânio Quadros renunciar ao cargo em 1961.

A ditadura militar durou mais de 20 anos, matou civis e estabeleceu a censura, proibindo partidos políticos e prendendo e torturando os que se opunham ao governo.

A exaltação ao golpe militar apareceu em uma linha do tempo da seção institucional da página de SSP. A descrição do golpe aparece acompanhada de uma figura onde está representada uma marcha a favor da ditadura e o símbolo do comunismo sobreposto por um "x". Por volta de 18h50 desta sexta-feira (27), o ano de 1964 foi removido da página, como mostra a imagem.

Procurada pela reportagem do UOL, a SSP afirmou que "o texto relacionado ao ano de 1964 não reflete o pensamento da Secretaria da Segurança Pública e foi retirado do site."

Fonte: UOL

Vereador Netinho visita empresa de Telemarketing

O vereador e Pré-Candidato à Prefeitura de São Paulo, Netinho de Paula, e a radialista Patrícia Liberato, da Transcontinental FM, acompanhados da Diretoria do Sintratel, visitaram a empresa de telemarketing Vikstar, na região da ZN Leste.

Ambos ficaram impressionados pelo trabalho realizado pela empresa com os jovens naquela Região. Isso vem ao encontro do desenvolvimento social necessário na ZN Leste. E reforça ainda mais a importância do Incentivo Fiscal, para que outras empresas se estabilizem na periferia.

Alem de gerar emprego, ativa a economia local e contribui para o melhor deslocamento ao local de trabalho, o que é muito importante, visto que o transporte é hoje e um dos grandes desafios da cidade.

Essa  experiência serve de exemplo para elaboração das políticas de desenvolvimento  econômico para São Paulo. “E uma iniciativa importante e que contribui para mudança de vidas NetinhoVikstar-Site-2destes jovens e contribui para geração de emprego e renda da região, deslocando este processo das áreas privilegiadas do município”, comentou o Vereador Netinho de Paula.

Pesquisa:
Segundo pesquisa feita para prefeitura de São Paulo, executada pelo instituto Ibope/Band, Netinho de Paula, do PCdoB, está em primeiro lugar em  4 cenários.
Clique AQUI para ver maiores detalhes.

AguardemOs sócios do Sintratel em breve terão acesso a uma grande parceria entre a Radio Transcontinental FM e o Sindicato. Só sócio tem benefícios...


NetinhoVikstar-Site-1
 

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Dilma exalta participação dos movimentos no fórum em Porto Alegre - Portal Vermelho

Dilma exalta participação dos movimentos no fórum em Porto Alegre - Portal Vermelho

Onze anos depois da primeira edição do Fórum Social Mundial, quando era secretária do governo Olívio Dutra (PT), Dilma Rousseff retorna a Porto Alegre como presidente da República para falar a cerca de 5 mil pessoas que participam do Fórum Social Temático 2012, no Ginásio de Esportes Gigantinho. Ela defendeu a participação da sociedade nas discussões sobre desenvolvimento sustentável e a soberania da América Latina diante das pressões econômicas mundiais.


Dilma no Fórum Social Temático 2012

Dilma Rousseff aplaude movimentos sociais no Gigantinho, em Porto Alegre/foto: Blog do Planalto

Dilma Rousseff foi recebida ao som de gritos de guerra como "Olê olê olê olê, Dilma, Dilma" e "Dilma Guerreira da Pátria Brasileira" que compunham o ambiente repleto de faixas e cartazes. O ex-presidente Lula, que também visitou o evento enquanto presidente da República, também foi lembrado pelo coro dos presentes nas arquibancadas.

“O papel da sociedade civil será determinante para a realização da Rio+20. Eu tenho certeza, um outro mundo é possível”, disse a presidente. Ela lembrou que a esperança foi o que a moveu quando era militante, e que essa mesma esperança tem em relação à conferência.

Dilma Rousseff considerou que o encontro em Porto Alegre, que discute propostas que serão levadas à Cúpula dos Povos, evento alternativo à Conferência Rio+20, da ONU, onde todos os países devem discutir e determinar novas metas de sustentabilidade para a redução do aquecimento global, ganhou força diante do cenário atual de crise mundial.

Ainda sobre a crise, lembrou que durante a primeira edição do FSM o que se discutia era a crise que ainda estava por vir. “Ela se tornou real desde 2008. Mas, nesses últimos anos surgiram respostas progressistas e democráticas para enfrentá-la”, disse a presidente da República, que discursou durante cerca de 30 minutos.

Depois de fazer uma exposição sobre o cenário internacional econômico, mencionou as conquistas e transformações que estão em curso nos últimos anos na América Latina e mandou um recado: “Nossos países não sacrificam sua soberania frente à pressão de grupos financeiros e agências de classificação de risco”.

Ela recordou os tempos de recessão enfrentados pelo Brasil e países da América do Sul por causa das soluções técnicas do sistema financeiro. As mesmas que estão sendo adotadas agora na Europa.

Voltando a falar da sociedade civil organizada, referiu-se aos movimentos recentes surgidos no mundo, contra o capital financeiro e o desemprego, que ocupam as praças das capitais de países como Estados Unidos e Espanha, como um sintoma importante que não pode ser desconsiderado.

"Não é fácil produzir novas ideias e alternativas quando estamos dominados por preconceitos políticos e ideológicos. Nos anos 80 e 90, foram eles que impeliram os países da América Latina a um modelo conservador que levou nosso país à estagnação, aprofundando a pobreza, o desemprego e a exclusão social. Hoje, são essas receitas fracassadas que estão sendo adotadas na Europa”, falou Dilma, sendo bastante aplaudida por militantes de organizações sociais e partidos políticos presentes.

A presidente Dilma mencionou a melhora dos indicadores econômicos do Brasil afirmando que está se tornado em “um país de classes médias”. “O Brasil é hoje um outro país. Ninguém pode nos tirar isso. Somos hoje um país mais forte, mais desenvolvido e mais respeitado”. Porém, lembrou que é preciso corrigir a condenação ao baixo desenvolvimento de uma parte do país, o Norte e o Nordeste.

Sustentabilidade e desenvolvimento

A presidente frisou que é possível “crescer, incluir, proteger e conservar” e deu novo significado a palavra sustentabilidade, afirmando que “ significa o aprofundamento dos mecanismos de participação social e o fortalecimento da nossa democracia, e uma inserção soberana e competitiva no mundo.”

“Queremos que a palavra desenvolvimento apareça ao lado da palavra sustentabilidade”, completou.

Com relação à Rio+20, ressaltou que será um momento importante para a renovação de ideias. "A Rio+20 vai enfrentar uma questão mais ampla e decisiva. Um novo modelo de desenvolvimento nas suas dimensões econômica, social e ambiental", pontuou.

Ela frisou que é preciso encontrar um modelo de desenvolvimento que articule crescimento, geração de emprego, erradicação da pobreza e redução das desigualdades, além da ampliação de direitos na área de Educação, Saúde e inovação tecnológica, visando o uso sustentável e a preservação dos recursos ambientais.


de Porto Alegre
Deborah Moreira

Manifestantes sírios protestam contra ingerência estrangeira - Portal Vermelho

Manifestantes sírios protestam contra ingerência estrangeira - Portal Vermelho

Dezenas de milhares de pessoas participaram nesta quinta-feira (26) de manifestações de apoio ao presidente Bashar al-Assad e contra uma ingerência estrangeira nos assuntos internos do país, em Damasco e em outras cidades, informou a imprensa oficial síria.


No centro de Damasco, em uma grande manifestação na praça Sabeh Bahrat pessoas agitavam bandeiras da Síria e exibiam enormes imagens do presidente.

"Um povo liderado por Bashar jamais será vencido", e "todos somos Bashar, todos somos revolucionários", eram as frases escritas nas faixas, enquanto os alto-falantes reproduziam discursos do presidente.

Os manifestantes também atacaram a Liga Árabe, acusando-a de internacionalizar a crise, gritando "traição da Liga". A televisão exibiu imagens ao vivo de manifestações em Hasaké (nordeste do país, de maioria curda), Alep (norte), Deir Ezor (leste), Latakia e Tartus (oeste). Nessas imagens podiam ser vistas bandeiras da Rússia, tradicional aliada de Síria.

Fonte: AFP

Desenvolvimento soberano em debate no Fórum Social Temático - Portal Vermelho

Desenvolvimento soberano em debate no Fórum Social Temático - Portal Vermelho

Não existe desenvolvimento sem sustentabilidade e nem sustentabilidade sem desenvolvimento. A máxima foi defendida por Eron Bezerra, secretário de estado de Produção Rural do Amazonas, que integrou a mesa do debate Desenvolvimento Soberano e Proteção do Meio Ambiente, promovido pela Fundação Maurício Grabois, nesta tarde de quinta-feira (26), no Fórum Social Temático 2012, no Plenarinho, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.


grabois no fórum social temático

grabois no fórum social temático


“Não há contradição entre desenvolvimento e sustentabilidade. O desenvolvimento só é possível com sustentabilidade e o contrário também. O que precisa ser debatido é de que maneira reduzir ao máximo esse impacto e criar alternativas”, afirmou Eron.

Já secretário nacional de Meio Ambiente do PCdoB, Aldo Arantes, relacionou a crise ambiental com a crise do capitalismo. Para ele, o atual cenário internacional da crise econômica, do capital, expõe os limites desse sistema e os limites e impasses impostos a humanidade. Portanto, é crucial buscar o desenvolvimento, visando a proteção dos recursos naturais mantendo uma produção equilibrada.

Para Aldo, é importante criar uma visão marxista na questão ambiental. “A crise ambiental só existe por casa da crise do capitalismo”, disse Aldo Arantes, que citou diversos trechos de O Capital, de Karl Marx, onde ele expõe sua preocupação com a escassez dos recursos . “Marx e Engels não tratava do ambiente diretamente, mas sim do ponto de vista do capital. Naquele momento não era uma problemática como atualmente. Mas, mesmo assim, tratavam da importância da preservação da natureza”, lembrou.

“É imperativo buscar alternativas. Nós, a esquerda, temos que pegar com firmeza essa questão ambiental. O movimento social está sendo prejudicado por falta de consistência política e base científica. É preciso formar uma corrente marxista na questão ambiental”, finalizou seu discurso.

Também fizeram parte da mesa o carlos Fernando Niedersberg, presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) , dirigente do PCdoB; e Daniel Sebastiani, coordenador estadual da Fundação Maurício Grabois (FMG). Todos defenderam levar propostas que levem em conta a soberania nacional para a Conferência Rio+20, em junho, promovida pela Organização das Nações Unidas, para debater as mudanças climáticas e estabelecer metas.

Na plateia, diversos representantes de movimentos sociais e estudantis como Uniâo Nacional dos Estudantes (UNE), União da Juventude Socialista (UJS), Central Brasileira de Trabalhadores e /trabalhadoras do Brasil (CTB), União Brasileira de Mulheres (UBM), Unegro, Confederação Nacional de Associação de Moradores (Conam). Também o senador Inácio Arruda (PCdoB-CE).

Ao final, os participantes foram convidados a debaterem o tema.

de Porto Alegre
Deborah Moreira

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Veja as fotos da Marcha e do Debate da Juventude da CTB no FSMT (24 e 25 de janeiro))


Veja as fotos da Marcha do Fórum Social Mundial Temático (24/01) que debate "Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental" e também do debate que a Juventude da CTB realizou no Acampamento da Juventude hoje, 25/01, com o tema Juventude e a Crise do Capitalismo. 

Os debatedores foram:
- Professor Pedro Fonseca, do Departamento de Economia da URGS;
- Martin Pereyra, da Comissão de Jovens e da Executiva Nacional da PIT-CNT Uruguai, que ocupa agora a coordenação da Comissão de Jovens da Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul (CCSCS);
- Paulo Vinícius Silva - Sociólogo e Secretário nacional de Juventude da CTB.

Juventude da CTB promove debate no Fórum Social Mundial Temático agora no Parque da Harmonia

x0apto.jpg 
 
 O debate "Crise Capitalista e Juventude" que a Juventude da CTB promove agora às 14h00 no Acampamento da Juventude no Parque da Harmonia do Fórum Social Temático acontece no galpão que está logo abaixo do balão da CTB e em frente ao Restaurante Galpão Crioulo, veja foto acima.
 
Participam da mesa:
- Professor Pedro Fonseca, do Departamento de Economia da URGS;
- Martin Pereira, da Comissão de Jovens e da Executiva Nacional da PIT-CNT Uruguai, que ocupa agora a coordenação da Comissão de Jovens da Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul (CCSCS);
- Paulo Vinícius Silva - Sociólogo e Secretário nacional de Juventude da CTB



País está "indignado" com ação da PM no Pinheirinho, diz Leci - Portal Vermelho

País está "indignado" com ação da PM no Pinheirinho, diz Leci - Portal Vermelho

A deputada estadual Leci Brandão (PCdoB-SP) divulgou nota de indignação sobre os acontecimentos em torno da reintegração de posse do bairro Pinheirinho, em São José dos Campos (SP). "Mais uma vez, a ação da PM só pode ser qualificada como truculenta", afirma Leci, que é membro da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Cidadania, da Participação e das Questões Sociais da Assembleia Legislativa do Estado de Sáo Paulo (Alesp).



Nota da Deputada Leci Brandão (PCdoB) sobre a ação da PM em São José dos Campos - SP

O país está acompanhando indignado e estarrecido a operação de reintegração de posse feita pela Polícia Militar de São Paulo, no bairro do Pinheirinho, em São José dos Campos, interior do Estado. Mais uma vez, a ação da PM só pode ser qualificada como truculenta.

Em disputa há cerca de oito anos, a área abriga mais de mil moradias e cerca de 6 mil pessoas, que estão desalojadas ou vivendo em condições precárias desde o dia 22 de janeiro, quando foram violentamente retiradas de suas casas _entre elas crianças de colo e idosos.

A questão é social, mas está sendo tratada pelo poder público como um caso de polícia. Durante a abordagem, a PM feriu os direitos das pessoas no que há de mais precioso: a dignidade. Homens e mulheres trabalhadores receberam um tratamento desumano e humilhante. A solução para o impasse de uma questão como essa sempre deve ser a da negociação, durante o tempo que for necessário.

O Pinheirinho é um bairro consolidado. É inadmissível um processo de reintegração de posse sem antes se pensar em uma alternativa de moradia decente para as pessoas que lá vivem. A população não pode ser punida pela ineficácia da gestão municipal, que permitiu a consolidação do bairro e não ofereceu alternativas para as pessoas.

Que as negociações sejam retomadas e que a Prefeitura de São José dos Campos, o Governo de São Paulo e o Governo Federal encontrem uma saída pacífica para essa situação e sem mais prejuízos para as famílias.

Deputada Estadual Leci Brandão - PC do B

Fonte: gabinete da deputada Leci Brandão

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

CTB marca presença na Marcha de Abertura do Fórum Social Temático 2012

CTB marca presença na Marcha de Abertura do Fórum Social Temático 2012

A CTB participa, na tarde desta terça-feira (24), da Marcha de Abertura o Fórum Social Temático 2012, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Bonés, camisetas, coletes, bandeiras, balões e faixas da CTB trazem um colorido a mais para a caminhada e destacam a participação massiva dos cetebistas na atividade.

IMG_3741

A marcha, que começou por volta das 17h sob um forte calor, percorre as ruas centrais da capital gaúcha, como a Avenida Borges de Medeiros. A atividade tornou-se uma tradição no primeiro dia do megaevento internacional e reúne milhares de pessoas. A organização espera pelo menos 30 mil participantes.

A atividade é o momento em que movimentos sociais, centrais sindicais, estudantes, ambientalistas e ativistas internacionais se encontram para demonstrar a diversidade do fórum.

O evento pretende ser uma prévia da Cúpula dos Povos, encontro de movimentos sociais paralelo à Rio+20. Além do FST em Porto Alegre, mais 25 eventos devem compor a agenda do Fórum Social Mundial em 2012.

De acordo com a organização do FST, até domingo, cerca de 30 mil pessoas deverão passar pelas mais de mil atividades programadas para Porto Alegre e mais três cidades da região metropolitana da capital gaúcha.

IMG_3733


Ao longo da semana, a extensa programação do FST inclui debates, oficinas, exposições e apresentações culturais, na maioria atividades autogestionadas, organizadas por movimentos sociais, centrais sindicais e organizações não governamentais. Eclético, o menu inclui desde debates sobre a crise do capitalismo a oficinas de biodança e teatro de bonecos.

Centenas de cetebistas presentes do Fórum terão a oportunidade de participar ao longo da semana das diversas atividades promovidas pela CTB em parceria com outras entidades dos movimentos sociais e centrais sindicais. Entre elas, destacam-se duas mesas sobre a integração latino-americana, no dia 27 (sexta-feira); e debates acerca da juventude e a crise capitalista; Desenvolvimento Sustentável, Rio +20 e Trabalho Decente; Agricultura familiar, Segurança Alimentar e Sustentabilidade; e o Movimento Sindical e Perspectivas para a classe trabalhadora.

IMG_3729


Confira na integra a programação da CTB no Fórum Social 2012:

Dia 24 de janeiro
15h Marcha de abertura - Largo Glênio Peres, em Porto Alegre

Concentração da CTB na FETAG a partir das 13:30h Rua Santo Antonio,121 - Bairro Floresta

17h - Lançamento do samba-enredo em homenagem a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) -

Parque Harmonia na cidade de Porto Alegre/RS

Dia 25 de janeiro
14h “Juventude e a Crise Capitalista”
Tenda Central do Acampamento da CTB Jovem no Parque da Harmonia na Cidade de Porto Alegre/RS.

14h - Movimento Sindical e Perspectivas para os trabalhadores
Proponentes: CGTB,CTB,CUT,FS,UGT,NCST e DIEESE
Assembleia Legislativa - auditório Dante Barone

19 h - Plenária da CTB
FETAG Rua Santo Antonio, 121 Bairro Floresta
Crise Capitalista, justiça social e ambiental e o projeto da CTB

Dia 26 de janeiro

9h - Debate "Estratégias e Propostas para a intervenção dos Movimentos Sociais e do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais na Rio +20"
Promovida pela CONTAG.
FETAG – Rua Santo Antonio,121 Bairro Floresta

14h - Desenvolvimento Sustentável, Rio +20 e Trabalho Decente.
CGTB,CTB,CUT,FS,UGT,NCST E OIT
Assembleia Legislativa - auditório Dante Barone

14 as 18h - Debate "O que fazer com os resíduos químicos do mundo?"
Promovida pela Federação Nacional dos Farmacêuticos (FENAFAR) e Escola Nacional dos Farmacêuticos

Dia 27 de janeiro

8:30h “Integração Latino Americana Razões Macro Econômicas e Políticas e Sociais”. Tem como objetivo debater junto as suas entidades filiadas e entidades parceiras a construção de um projeto macro econômico regional e a consolidação do desenvolvimento com valorização do trabalho como forma de superar a atual crise capitalista.

14:30h “Integração Latino Americana: Alternativa concreta para a classe trabalhadora diante da crise capitalista”. Tem como objetivo debater e buscar alternativas da classe trabalhadora para enfrentar a crise.

Proponentes: CTB, Encontro Nossa America- ESNA e o Instituto de Estudos Estratégicos da America do Sul - INTERSUL com o apoio do Centro de Estudos Sindicais - CES

Local: STRE- Av. Mauá, nº 1013 - 10º andar, Porto Alegre- RS.

Dia 28 de janeiro

8:30h - Assembleia dos Movimentos Sociais

Usina do Gasômetro

14h - IV MERCOFITO - Organizado pelos países do MERCOSUL, o Encontro foiincorporado às atividades do Forum Social Temático, e será coordenado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente do RS em parceria com a CTB, CUT, Itaipu Binacional e terá como debatedores, representantes do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.
Plenarinho da Assembléia Legislativa- Pça. Marechal Deodoro s/n

Portal CTB (Fotos: Luiz Fernando Boaz/FETAG-RS)

Juventude da CTB debate crise capitalista no Pque da harmonia, dia 25, às 14h00 - participe!



Veja a programação completa da CTB no FSM temático em Porto Alegre:
Centrais e movimentos sociais na reta final para o Fórum Social 2012

Estudante perde a visão após ser atingido pela PM em Teresina - Portal Vermelho

Estudante perde a visão após ser atingido pela PM em Teresina - Portal Vermelho

“Eu também estava sentado na Frei Serafim. Quando a Tropa de Choque dispersou os estudantes, também corri. Foi quando vi que um grupo permaneceu sentado e estava sendo pisoteado. Pensei comigo: ‘Pô, não precisa disso’. Então, voltei para ajudar”. O depoimento acima é de Hudson Christh Silva Teixeira, 21 anos, estudante de Filosofia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e auxiliar administrativo substituto do Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo.


.

O cenário? Avenida Frei Serafim, terça-feira, dia 10 de janeiro de 2012, pouco mais de uma semana atrás, quando cerca de 500 policiais militares marcharam sobre um grupo de manifestantes que protestavam pacificamente contra o aumento do preço da passagem de ônibus e a integração parcial do transporte coletivo de Teresina.

“De repente, uma bomba explodiu nos meus pés e os estilhaços atingiram o meu rosto, principalmente o nariz e o olho direito. Quando virei para correr, recebi tiros nas costas e na perna”, detalha o jovem, que foi parar no Hospital de Urgência de Teresina Dr. Zenon Rocha.

Uma semana após o ocorrido, Hudson carrega no corpo as marcas do massacre ocorrido no sétimo dia do movimento #contraoaumento, que ganhou as ruas de Teresina pela segunda vez em menos de seis meses. Os braços e as pernas ainda estão machucados por conta das balas de borracha. O nariz ainda está costurado como quando ele saiu do HUT. E o olho direito continua condenado. “O laudo médico aponta que ele está cego”, conta o pai, o fonoaudiólogo Ribamar Rodrigues, de 43 anos.



O laudo médico a que se refere Ribamar Rodrigues é claro e não deixa margem para interpretações: “Baixa acuidade visual (cegueira) em olho direito. Em acompanhamento devido a trauma ocular”, atesta o diagnóstico assinado na segunda-feira (16) pelo especialista Wildaves Machado, que acompanha o Hudson desde a semana passada.

Família processará o Estado

O trauma e as agressões sofridas por Hudson no último dia 10 de janeiro serão resolvidos na Justiça. A família promete entrar com uma ação contra o Estado, responsabilizando-o pelos prejuízos do jovem universitário.

“Ainda no HUT, o pessoal do Fórum (Fórum Estadual em Defesa do Transporte Público) me procurou e disse que me daria o apoio jurídico se eu quisesse. Me encaminharam para a advogada (Adonyara Azevedo) e ela me acompanhou ao 1º Distrito Policial, onde registrei um B.O. (Boletim de Ocorrência), e no IML (Instituto Médico Legal), onde fiz o exame de corpo de delito”, revela Hudson.

O pai não se conforma com o ocorrido. “Estou indignado. Não só pelo Hudson Christh, mas por todas as pessoas que foram tratadas de forma truculenta. Elmano (Elmano Férrer, prefeito de Teresina), vereadores e Wilson Martins (governador) é que formam a verdadeira quadrilha no Piauí”, desabafa.

Para Hudson, toda a ação da Polícia Militar orquestrada contra os estudantes naquela terça-feira reflete a opressão da sociedade sobre as classes menos favorecidas. “Acho que os policiais agiram com aquela truculência justamente para mostrar que os estudantes e trabalhadores não podem medir forças com as autoridades”, argumenta. Questionado se teme ficar marcado, o universitário não hesita: “Eu já estou marcado”, diz mostrando os ferimentos espalhados pelo corpo e pelo rosto. “Fico indignado porque não era uma causa só minha. Era de todos que estavam ali”, completa.

A Polícia Militar, por sua vez, nega que tenha usado bombas. De acordo com o coronel Márcio Santos, comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e responsável por dispersar os manifestantes no sétimo dia do #contraoaumento, foram utilizados na ação apenas spray de pimenta, balas de borracha e granadas de som e luz.

Cegueira pode ser reversível

Hudson lembra dos vários momentos de aflição que sofreu desde que os estilhaços da bomba e as balas de borracha rasgaram o seu corpo. No instante em que seu rosto foi atingido, o medo foi inevitável: “Meu olho ficou muito inchado. Desde o momento que a bomba explodiu nos meus pés, meu olho fechou. Cheguei ao HUT sem enxergar absolutamente nada com o olho direito. Meu grande medo era ficar cego”, conta.

No HUT, Hudson foi submetido a tratamento no setor de urgência. Primeiro, teve a pálpebra do olho direito suturada – ela havia sido rasgada com o impacto dos estilhaços da bomba jogada aos seus pés. Em seguida, ele ficou esperando a chegada de um cirurgião plástico para tratar do nariz, igualmente rasgado por conta dos estilhaços lançados contra o seu rosto. “Disseram que eu ia precisar (de um cirurgião plástico). Quando o cirurgião chegou, ele avaliou que não seria necessária uma cirurgia plástica e recomendou apenas a sutura”, relata.

Nos dias seguintes, Hudson e o pai, que o acompanhava durante as manifestações do sétimo dia do movimento #contraoaumento, procuraram especialistas. “O laudo médico aponta que ele está cego. Mas o médico que o acompanha diz que essa cegueira pode ser reversível. Teremos uma nova consulta com o especialista na sexta-feira”, conta Ribamar.

“Eu queria voltar à Frei Serafim”

Enquanto se recupera dos ferimentos, Hudson praticamente não sai de casa, no Residencial Lagoa Azul, zona Norte de Teresina, onde mora com os pais e as duas irmãs. Os mesmos 20 dias de licença médica que o impedem de trabalhar o “proibem” também de ir ao lugar onde ele mais queria estar no momento: a Avenida Frei Serafim, que permanece sendo o palco das principais manifestações contra o aumento do preço da passagem de ônibus e a integração parcial do sistema de transporte coletivo de Teresina.

“Não voltei à Frei Serafim desde terça-feira por questão de saúde mesmo. Não fosse isso, estaria lá com os outros estudantes durante todos esses dias”, afirma.

Em casa, porém, Hudson praticamente não desfruta do tempo livre que tem à disposição. Fã de histórias em quadrinhos e de filmes de ficção científica, terror e aventura, ele tem tido problemas para cultivar outra de suas paixões: tocar baixo. “Tentei praticar na segunda-feira, mas não consegui. Acho que ainda por causa do trauma recente no olho, minha cabeça doeu muito”.

O movimento #contraoaumento completou, na terça-feira (17), 12 dias de protestos desde a instituição do novo preço da passagem (saiu de R$ 1,90 para R$ 2,10) e a implantação do sistema de integração de transporte coletivo que envolve apenas 33 das 92 linhas de ônibus de Teresina. Os manifestantes prometem voltar às ruas nesta quarta-feira (18).

Reportagem: Flávio Meireles
Fotos: Seu Silva

Fonte: Portal da Clube

Mais:
Estudantes conseguem mudanças favoráveis no transporte coletivo


Sobre o Duvanier Pereira

Há dias que penso na morte do Duvanier Pereira, chefe dos Recursos Humanos do Ministério do Planejamento. vindo do movimento sindical, com quem estive em uma das mesas de negociação dos servidores federais...

Hoje de manhã entendi o porque (pelo menos assim elaborei). Naquelas fatídicas horas em que ele agonizava, não era o negociador, não era o militante, o sindicalista, foi o servidor público federal nas mãos da lógica assassina dos planos de saúde, foi um negro na fila de um hospital, foi a expressão fatalmente vívida da lentidão com que mudamos o nosso país, e do nosso universal e revoltante desamparo.

Quadras para Pinheirinho, São José dos Campos - Paulo Vinícius Silva

Onde dormirão essa noite,
os pobres do Pinheirinho?
Pobreza tangida a açoite -
Idoso, mulher e meninos!

Como Caldeirão e Canudos,
O roteiro é conhecido:
Os pobres viram bandidos
Na imprensa dos graúdos.

E o frio que vence o colo
Em que dorme uma criança,
Tem  na justiça o dolo
Defensor da abundância!

E a polícia com seus tiros,
Que não respeitam criança.
E o indefeso, o esquecido
Traz-me Jesus à lembrança.

Sem teto ele foi igual,
Porque tangidos seus pais,
Por armas também demais,
Eis a origem do Natal!

Seu pai era José,
Vejam só, que ironia,
Ser o nome da cidade
O do esposo da Maria.

Pinheiro nenhum havia...
E o presente, de verdade,
Que sob a estrela luzia
Era a solidariedade.

Onde viverão doravante,
Os pobres de Pinheirinho?
Como seguirão adiante,
Qual será o seu caminho?

Que ameaça ofertavam?
Quanto mentem os jornais?
Tão torpes que nos enojam:
Cínicos, sujos, venais!

Porrete para o mais fraco,
Justiça para o patrão
Essa é a lei em São Paulo.
Pode dizer: lei de cão!

Mas a verdade, quem diria,
Sempre acha defensores.
Pois o poder da maioria
Está com os trabalhadores.

Suas mãos produzem tudo.
E suas vozes, se estão unidas,
Podem sim mudar o mundo,
E São Paulo e suas vidas.

Como chispa que se espalha,
Como lava de um vulcão,
Pinheirinho ao peito fala,
E cresce a indignação.

Vede povo brasileiro,
Não esquecais esse dia:
É esse o tratamento
Ao estilo privataria!

Toda cidade é cenário
Dessa luta sem igual:
O povo a receber salário
A lutar contra o capital.

"Toda noite tem aurora"
Castro Alves já sabia
E mesmo quando demora,
Há de chegar esse dia!

Em que São Paulo, liberado,
Poderá ser de esperança,
Sem que o policial armado
Se volte contra crianças.


Sem governo repugnante,
Cuja força do Estado
Tem endereço certo:
Inimiga do mais fraco.

Valente com o viciado,
O estudante e o pobre,
Defensora de engomados
De banqueiros e de "nobres".


Expulsa trabalhadores,
De barracos miseráveis,
E apoia especuladores
Pra sociedade imprestáveis!


Por isso, de mãos dadas,
Vamos! Vozes levantadas,
Gritando pelo caminho:
#SomosTodosPinheirinho!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Resistir e lutar! #SomosTodosPinheirinho - Portal Vermelho

Resistir e lutar! #SomosTodosPinheirinho - Portal Vermelho

Resistir e lutar! #SomosTodosPinheirinho

A reintegração de posse da comunidade do Pinheirinho, localizada em São José dos Campos, polo industrial e tecnológico no interior de São Paulo, executada na madrugada de domingo (22), deixou o país perplexo com imagens de crianças, idosos, mulheres, trabalhadores deixando suas casas sob o ataque brutal da Tropa de Choque da Polícia Militar. Mais uma vez valeu-se de uma ação truculenta e militarizada para reprimir uma questão de ordem social: o déficit habitacional do país.

De acordo com a Constituição Federal, a moradia é um direito social. “É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios (...) promover programas de construção de moradias e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico”. Logo, não é necessário alto grau de abstração para perceber que o Estado não está cumprindo com seu dever, tal como determina a Lei maior do Estado brasileiro, e não o cumpriu no caso do Pinheirinho.

“Como um Estado democrático tolera uma coisa dessas?”, questiona o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos (confira aqui). A questão é: de que Estado estamos falando?

Em todo o país, há um déficit de mais de 5,5 milhões de moradias, segundo dados de 2008 utilizados pelo Ministério das Cidades. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 7 milhões de pessoas vivem em favelas ou áreas em situação de risco. Os quase 9 mil moradores do Pinheirinho agora fazem parte destas estatísticas. A eles foi privado o direito de morar sob um teto, tendo sido alojados em condições precárias em abrigos oferecidos pela prefeitura (leia aqui a matéria).

Dessas pessoas foi tirada a dignidade, o direito de ter onde morar, feito que conseguiram com dificuldade e sem a ajuda do poder público, esse mesmo que agora lhes dá as costas para beneficiar, este sim agiu fora da lei, comprovadamente praticou crimes contra o sistema financeiro, tal como foi registrado na Operação Satiagraha, deflagrada pela Polícia Federal em 2008.

Em um país em que os problemas sociais são graves e notórios, em que — apesar dos avanços observados nos últimos anos com a redução da miséria e a elevação do padrão de renda de milhares de pessoas — ainda há muitos que vivem sem que as necessidades básicas, as mesmas garantidas por nossa Carta Magna, sejam devidamente supridas, em um país como este, o poder público, que deveria trabalhar para minimizar, quando não resolver os conflitos sociais, os agrava tratando questões sociais como questão de polícia.

Com um viés que tende ao fascismo, o prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury, e o governador do estado, Geraldo Alckmin, não hesitaram frente ao pedido de reintegração de posse feito pelo empresário Naji Nahas, que deve 15 milhões de reais de impostos à prefeitura e ignoraram a intenção do governo federal de urbanizar a área, implantando na região infraestrurura e saneamento básico.

O governo federal comandava, de forma democrática, um diálogo para evitar o sofrimento e a dor causados neste ato e conseguira um acordo para uma solução negociada, mas esta negociação foi solenemente ignorada pela prefeitura que não hesitou e deflagrou uma verdadeira guerra contra o povo.

O intuito higienista da ação é claro, mas fica mais didático ainda com o teor das denúncias veiculadas na tarde desta segunda-feira (23). Que alertam para o fato de que a prefeitura está oferecendo passagens de ônibus para os moradores que queiram deixar a cidade. São oferecidos transportes para a cidade de São Paulo e até para o Piauí.

Dessa forma, o poder público torna-se não um meio para apaziguar os conflitos sociais, provendo as pessoas de um estado de bem-estar social, mas mais um instrumento para favorecer as elites dominantes. A repressão brutal funciona como um recado claro aos movimentos sociais, na tentativa de conter manifestações em que o povo reclame direitos sociais, tais como moradia, transporte público acessível, terra... Instrumentos que lhes faltam. É assim com os movimentos rurais e é assim com os movimentos urbanos.

Enquanto a sociedade for fundamentada no capitalismo, haverá conflitos entre as classes, a dominante e a dominada. Democrática e progressista, nossa Constituição de 1988 garante o direito à luta e é isso que o povo está fazendo: no Pinheirinho, nas manifestações contra o aumento da passagem em Teresina e em Pernambuco, contra a higienização promovida na cracolândia paulista. Em um Estado democrático, lutar é um direito de todos. Sem ele, o povo estará escravizado.

Episódios como este reforçam a necessidade de uma reforma urbana que contemple o suprimento do déficit habitacional do país e ressalta a importância do movimento organizado, da denúncia e da mobilização social. A história registra episódios como o de Santa Maria de Iquique, no Chile que, em 1907 presenciou o massacre de 3,6 mil operários salitreiros, fato que por muito tempo ficou no esquecimento. Esse poderia ser o destino do Pinheirinho não fosse a intensa mobilização nas redes sociais e nas ruas de todo o país. Oxalá o fato não seja esquecido em outubro quando o país vai escolher os políticos e as políticas que querem para nossas cidades.

#SomosTodosPinheirinho

Que Justiça é essa em SP? Do Nahas? | Conversa Afiada

Que Justiça é essa em SP? Do Nahas? | Conversa Afiada

Nahas (D) na posse de algemas



O Conversa Afiada publica textros do Viomundo e de Wálter Maierovitch.

Não deixe de ler também “PM e Justiça de SP devolvem a Nahas propriedade ilegal”


Carta Maior: A lógica do dinheiro grosso contra o povo miúdo


Editorial de Carta Maior, por sugestão de ZePovinho


Qual o sentido em se despejar violentamente cerca de 1.660 famílias pobres, que já estão construindo suas casas, que mal ou bem abrigam-se sob um teto e erguem uma comunidade, para depois cadastrá-las nas intermináveis filas dos programas de habitação social que para atendê-las terão que adquirir ou desapropriar glebas, viabilizar projetos, contratar obras até, finalmente, um dia –- se é que essa dia chegará -– devolver um chão e alguma esperança de cidadania a essa gente?


Mas, sobretudo, qual o sentido dessa enorme volta em falso quando o único beneficiário da ação policial violenta contra a ocupação de ‘Pinheirinho’, em São José dos Campos (SP), chama-se Naji Nahas?


Dono do terreno, com dívidas de R$ 15 milhões junto à prefeitura local, Nahas é um especulador notório, preso em julho de 2008 pela Polícia Federal, na operação Satiagraha, junto do não menos notório banqueiro Daniel Dantas, ambos acusados de desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro.


Qual o sentido do ‘desencontro’ entre o manifesto desejo de um acordo favorável aos moradores de ‘Pinheirinho’, expresso pelo governo federal, e a engrenagem política-judicial repressiva e desastrada do governo paulista? Qual o sentido? O sentido é justamente esse, apenas esse: a supremacia do dinheiro grosso contra o povo miúdo.




Pinheirinho, e o uso precipitado da força pública


Numa ação de reintegração de posse de área grande e com muitos ocupantes, a regra orientadora básica do juiz do processo é a Justiça, e buscar à exaustão as conciliações em audiências. Em outras palavras, promover negociações voltadas à desocupação e, para tanto, envolver governos (municipal, estadual e federal) para encontrar soluções alternativas. Afinal, créditos tributários são habilitados para pagamento pela massa falida.


A reintegração coercitiva, com oficiais de Justiça e força policial, só deve ocorrer excepcionalmente e não era o caso da executada no domingo em imóvel pertencente à massa falida da empresa Selecta. Uma empresa que pertenceu ao megaespeculador Naji Nahas.


A falência foi declarada em 2004 e se arrecadou, como bem da massa, uma área de 1,3 milhão de metros quadrados, situada em São José dos Campos, em lugar conhecido por Pinheirinho.


Na reintegração, não estava em jogo apenas o interesse dos cerca de 6 mil ocupantes da área do Pinheirinho. Como todos sabem, os valores arrecadados com a massa falida pagam os créditos de trabalhadores tungados pelos gestores da Selecta. Mais ainda, existem créditos fiscais, previdenciários e até dos credores quirografários. Os pagamentos obedecem a uma ordem legal e, muitas vezes, os quirografários ficam a ver navios.


Desapropriar a área para solucionar o problema dos ocupantes e não deixar os credores desamparados poderia ter sido uma das soluções. Lógico, passada pelo crivo do Ministério Público por meio da curadoria de massas falidas e Judiciário. No caso da falência da Salecta, e como informado pelos jornais, havia um protocolo de intenções em curso no Ministério da Cidade para solucionar o problema dos ocupantes da área.


Sempre conforme o informado pela mídia, existia ainda um acordo para adiar a reintegratória. Esse acordo teria sido celebrado entre o representante da massa falida e uma comissão de moradores. Fora isso, no âmbito Judiciário, havia um conflito de competência entre Justiça estadual e a federal. Por incrível que possa parecer, o conflito foi resolvido, em sede do Superior Tribunal de Justiça, no domingo, quando a Polícia Militar, com bombas e balas de borracha, já havia praticamente promovido a desocupação.


O conflito poderia ter sido usado pela Justiça paulista como bom motivo para adiar a reintegração coercitiva e buscar novas tentativas conciliatórias. Pelo que se sabe, o governo federal tinha um representante na área. E esse representante chegou a ser atingido por projéteis de borracha disparados pela Polícia Militar.


Em síntese, existiam bons motivos para adiar o emprego da força policial. Uma solução determinada pela Justiça, que requisitou a força policial. Portanto, não cabia à Polícia Militar deixar de cumprir a determinação judicial.


Ao governo federal, por meio do Ministério das Cidades, faltou agilidade para fazer valer o protocolo celebrado.


Por outro lado, diante do problema social, o governo do Estado, pela Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania, deveria ter buscado uma solução amigável. Não falta ao governo estadual experiência, basta lembrar a região do Pontal do Paranapanema, em encontrar soluções em conflitos possessórios.


Não há dúvida que a questão judicial é antiga, pois a falência foi decretada em 2004. Mas o imóvel teve grande valorização e a lentidão da Justiça em solucionar conflitos é bem conhecida. No caso do Pinheirinho, nem todas as “portas” conciliatórias estavam fechadas. Lamentavelmente, a Justiça optou pelo uso da força.


Pano rápido. Por telefone, tentei buscar informação sobre se a falência da Selecta foi fraudulenta e se existe algum processo por crime falimentar contra o megaespeculador Naji Nahas ou algum dos gestores. Isso tudo para no Brasil, onde crimes falimentares costumam prescrever.


Especial de Prensa Latina desmascara cruzada contra a Síria!

Monografías
Apoyo Internacional
La Cruzada Historias mal contadas
Posición Siria Actualidad Siria
   

8ª Reunião Extraordinária debate a Eleição do Conselho Nacional de Juventude com transmissão on line

Data: 23/01/2012100_5716.JPG
A 8ª reunião extraordinária do Conselho Nacional de Juventude, que acontece em Porto Alegre (RS), está sendo transmitida pelo site do Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde e pode ser acompanhada  pelo endereço eletrônico www.aids.gov.br/mediacenter.
A pauta propõe discutir e aprovar o edital das eleições dos representantes do CONJUVE da sociedade civil para o biênio 2012-2013, além de oportunizar a presença dos conselheiros(as) no Fórum Social Temático-2012, que acontece de 24 a 29/01 na capital gaúcha.
100_5715.JPG
A Juventude da CTB, no exercício da titularidade da cadeira dos trabalhadores urbanos, é representada pelo seu Secretário Nacional, Paulo Vinícius Silva.


Com informações do Conselho Nacional de Juventude

Confira a Programação das CTB no Fórum Social Mundial Temático em Porto Alegre

Centrais e movimentos sociais na reta final para o Fórum Social 2012

Representantes das centrais sindicais e dos movimentos sociais já estão de malas prontas para participar do Fórum Social Temático 2012, que acontece entre os dias 24 e 29, em Porto Alegre e municípios.

ctb_no_fst

Durante o Fórum, a CTB promoverá diversas atividades e discussões, com destaque para as duas mesas sobre a integração latino-americana, em parceria com o Encontro Nossa América (ESNA) e o Instituto de Estudos Estratégicos da América do Sul – INTERSUL, com o apoio do Centro de Estudos Sociais -CES, no dia 27 (sexta-feira).

Outra inciativa da CTB, desta vez em parceria com as centrais sindicais será a realização de debates que abordarão a questão da juventude e a crise capitalista; Desenvolvimento Sustentável, Rio +20 e Trabalho Decente; Agricultura familiar, Segurança Alimentar e Sustentabilidade; e o Movimento Sindical e Perspectivas para a classe trabalhadora.

Ao longo da semana os cetebistas participam ainda de uma grande plenária nacional, que acontece no dia 25 (quarta-feira) na sede da Fetag-RS e da assembleia dos movimentos sociais (CMS), partir das 14 horas na Usina do Gasômetro.

Para o representante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, Joaquim Pinheiro, o tema da crise internacional potencializa a aglutinação dos movimentos e aponta para uma boa jornada de lutas.

Confira na integra a programação da CTB no Fórum Social 2012:

Dia 24 de janeiro

15h Marcha de abertura - Largo Glênio Peres, em Porto Alegre

Concentração da CTB na FETAG a partir das 13:30h Rua Santo Antonio,121 - Bairro Floresta

17h - Lançamento do samba-enredo em homenagem a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) -

Parque Harmonia na cidade de Porto Alegre/RS

Dia 25 de janeiro
14h “Juventude e a Crise Capitalista”
Tenda Central do Acampamento da CTB Jovem no Parque da Harmonia na Cidade de Porto Alegre/RS.

14h - Movimento Sindical e Perspectivas para os trabalhadores
Proponentes: CGTB,CTB,CUT,FS,UGT,NCST e DIEESE
Assembleia Legislativa - auditório Dante Barone

19 h - Plenária da CTB
FETAG Rua Santo Antonio, 121 Bairro Floresta
Crise Capitalista, justiça social e ambiental e o projeto da CTB

Dia 26 de janeiro

9h - Debate "Estratégias e Propostas para a intervenção dos Movimentos Sociais e do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais na Rio +20"
Promovida pela CONTAG.
FETAG – Rua Santo Antonio,121 Bairro Floresta

14h - Desenvolvimento Sustentável, Rio +20 e Trabalho Decente.
CGTB,CTB,CUT,FS,UGT,NCST E OIT
Assembleia Legislativa - auditório Dante Barone

14 as 18h - Debate "O que fazer com os resíduos químicos do mundo?"
Promovida pela Federação Nacional dos Farmacêuticos (FENAFAR) e Escola Nacional dos Farmacêuticos

Dia 27 de janeiro

8:30h “Integração Latino Americana Razões Macro Econômicas e Políticas e Sociais”. Tem como objetivo debater junto as suas entidades filiadas e entidades parceiras a construção de um projeto macro econômico regional e a consolidação do desenvolvimento com valorização do trabalho como forma de superar a atual crise capitalista.

14:30h “Integração Latino Americana: Alternativa concreta para a classe trabalhadora diante da crise capitalista”. Tem como objetivo debater e buscar alternativas da classe trabalhadora para enfrentar a crise.

Proponentes: CTB, Encontro Nossa America- ESNA e o Instituto de Estudos Estratégicos da America do Sul - INTERSUL com o apoio do Centro de Estudos Sindicais - CES

Local: STRE- Av. Mauá, nº 1013 - 10º andar, Porto Alegre- RS.

Dia 28 de janeiro

8:30h - Assembleia dos Movimentos Sociais

Usina do Gasômetro

14h - IV MERCOFITO - Organizado pelos países do MERCOSUL, o Encontro foiincorporado às atividades do Forum Social Temático, e será coordenado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente do RS em parceria com a CTB, CUT, Itaipu Binacional e terá como debatedores, representantes do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.
Plenarinho da Assembléia Legislativa- Pça. Marechal Deodoro s/n