quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Feliz Natal! - Poema O Filho do Homem - Vinicius de Morais

O FILHO DO HOMEM

Rio de Janeiro , 1954

O mundo parou
A estrela morreu
No fundo da 
Com boi e charrua
Com foice e martelo.

Ao lado do infante
O homem e a mulher
Uma tal Maria
Um José qualquer.

A noite o fez negro
Fogo o avermelhou
A aurora nascente
Todo o amarelou.

O dia o fez branco
Branco como a luz
À falta de um nome
Chamou-se Jesus.

Jesus pequenino
Filho natural
Ergue-te, menino
É triste o Natal.

Natal de 1947
http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/o-filho-do-homem



quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Campo democrático sairá às ruas levando a bandeira da legalidade - Portal Vermelho





Campo democrático sairá às ruas levando a bandeira da legalidade - Portal Vermelho

O campo democrático sairá às ruas nesta quarta-feira (16) para denunciar o pedido de impeachment inconstitucional, o ajuste fiscal e pelo Fora Cunha. Convocada pela Frente Brasil Popular, a mobilização nacional tem como princípio reunir setores progressistas contra a persistência da direita em promover um golpe já em andamento, com intuito de derrubar a presidenta Dilma e ignorando o recado legítimo das urnas, o que provoca um cenário de caos e ingovernabilidade,



A Frente Brasil Popular, criada em setembro em Belo Horizonte e que reúne um vasto campo progressista, entre eles, artistas, intelectuais, políticos, movimentos sociais e a sociedade civil organizada, é a maior organização do campo democrático criada após o impeachment de Collor, em 1992.



Confira abaixo onde será a manifestação em sua cidade:



Região Sul



Rio Grande do Sul – Porto Alegre

Concentração 17h, em frente à Prefeitura



Santa Catarina - Florianópolis

Concentração: 16 horas: Largo da Alfandega



Paraná - Curitiba

Concentração: 18 horas: Praça Santos Andrade



Região Sudeste



São Paulo – São Paulo

Concentração: 17 horas: Masp



Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

Concentração: 16 horas: Cinelândia



Minas Gerais – Belo Horizonte

Concentração: 16 horas: Praça Afonso Arinos



Espírito Santo – Vitória

Concentração: 16 horas: Praça Costa Pereira









Região Nordeste



Bahia – Salvador

Concentração: 14 horas: Praça da Piedade



Sergipe – Aracaju

Concentração: 16 horas: Praça Falso Cardoso



Pernambuco – Recife

Concentração: 15 horas: Praça do Derby



Ceará – Fortaleza

Concentração: 16 horas: Praça da Bandeira



Maranhão – São Luís

Concentração: 15 horas: Praça João Lisboa

Percurso: João Lisboa-Rua Grande-Praça Deodoro.



Rio Grande do Norte – Natal

Concentração: 15 horas: Av. Salgado Filho (Em frente à Fiern). Percurso: Passeata até o shopping Midway - Ato Público.



Piauí – Teresina

Concentração: 16 horas: Praça Pedro II



Paraíba – João Pessoa

Concentração: 12 horas: Largo de João Pessoa



Região Norte



Amazonas – Manaus

Concentração: 16 horas: Teatro Amazonas



Amapá – Macapá

Concentração: 9 horas: Praça da Bandeira



Acre – Rio Branco

Debate sobre democracia: 9 horas: Teatro Plácido de Castro



Pará – Belém

Concentração: 9 horas: 14 de Março (Próximo ao Posto de Urgência e Emergência)



Roraima – Boa Vista



Concentração: 15 horas na Praça do Centro Cívico.



Região Centro-Oeste



Goiás – Goiânia

Concentração: 17 horas: Praça Bandeirantes



Mato Grosso – Cuiabá

Concentração: 16 horas: Rua Barão do Rio Branco (Bar do Zé)



Mato Grosso do Sul – Campo Grande

Concentração: 9 horas: Calçadão da Barão



DF – Brasília

Concentração: 15h: Mané Garrincha





Membros da Frente Brasil Popular convocam a população para sair às ruas contra o golpe, confira o vídeo abaixo:









Leia também:

Movimentos sociais convocam população às ruas contra o golpismo





Do Portal Vermelho




Renato Rabelo: em defesa do mandato da Presidenta Dilma e contra a direita golpista


“Nosso papel como ator da história é barrar a marcha liderada pelos setores mais reacionários, enfrentar a chamada mídia conservadora e defender a institucionalidade, o mandato da presidenta Dilma Rousseff. Precisamos estar unidos e firmes para enfrentar essa onda golpista", avisa Renato Rabelo, presidente Nacional do PCdoB, ao convocar toda a militância para cobrir as ruas dia 13 de março em defesa do Brasil.

“PCdoB reafirma sua posição de defesa do mandato da presidenta Dilma Rousseff, da Petrobras, do combate à corrupção e dos direitos até aqui conquistados”, declara o líder comunista.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Dia 16/12 - movimentos sociais chamam povo pra barrar golpe nas ruas!

12 de Dezembro de 2015 - 11h00 

Movimento social convoca população para sair às ruas contra o golpe


“Contra o golpismo e fora Cunha!” essa é a palavra de ordem que vem unificando o movimento social em defesa da Constituição e pela democracia, movimentação essa que denuncia um golpe da direita em curso no país, que pretende tirar o mandado legítimo da presidenta Dilma Rousseff e promove o quadro de ingovernabilidade. 


 

 

No vídeo abaixo, lideranças políticas e sociais, que compõe a Frente Brasil Popular, convocam a população para saír às ruas no próximo dia 16, dia de mobilização nacional contra o impeachment da presidenta, o ajueste fiscal e pelo fora Cunha.

Assista ao vídeo: 




Por Laís Gouveia, do Portal Vermelho 

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Defender Dilma: a defesa da democracia, do Brasil e dos direitos do Povo - Paulo Vinícius Silva

En la lucha de clases todas las armas son buenas - versos, noches, poemas.
Paulo Leminski (sic, pq de memória)

Estamos diante do assalto da Direita neoliberal, dos achacadores, dos abutres do capital financeiro e do Partido da Imprensa Golpista ao poder. Tamanha violência, que um tipo como Cunha se esquiva de ser punido, atacando a democracia e a soberania popular, tudo para depor uma Presidenta honesta.

O locaute, o bloqueio e massacre midiático, a cooptação - vide Temer e sua traição - e até a pusilanimidade de setores da esquerda colaboram para um soturno horizonte que só poderá ser detido com ampla união e mobilização popular.

Nessa quadra é que a vacilação e o oportunismo aparecem e confundem gente bem intencionada, mas desapontada pelos erros do nosso projeto, pela fanfarronice da ultra-esquerda quinta-coluna e pela guerra midiática em curso. É preciso paciência e diálogo com todos para deixar claro o que pode advir e para unir o povo em torno da Frente Brasil Popular e da rede em defesa da legalidade lançada pelo Governador comunista maranhense Flávio Dino, Ciro Gomes e Carlos Lupi, presidente do PDT.

Dilma enfrenta toda essa pressão por que? Dilma - mulher corajosa e honesta - encarna nessa hora decisiva da Nação a firme defesa do legado de 13 anos de mudança e o futuro:
1)  Defender Dilma é defender a democracia conquistada e ampliada. A agenda da direita é clara: estuprar a soberania popular (voto), criminalizar a luta do povo (lei "anti-terror" e o que pode virar) e impedir que o povo possa decidir por um presidente(a) que não seja da direita em 2018;
2) Defender Dilma é defender o Pré-Sal e a PETROBRAS. A direita quer voltar ao regime de concessões de FHC, abrir o Pré-Sal aos gringos com perdas para o Brasil, abrir mão de 30% de conteúdo nacional nos equipamentos, excluir as empreiteiras nacionais e quebrá-las e fatiar e vender a PETROBRAS. O que fariam com o Banco do Brasil, com a Caixa, o BNDES e o Banco Central. Isso é destruir as possibilidades de desenvolvimento do Brasil e da América Latina. A direita é pau-mandada dos EUA e está a serviço do imperialismo.
3) Destruir as conquistas e o bem estar da classe trabalhadora. a) "desindexar"
Salário Mínimo, desvinculá-lo dos benefícios sociais; b) rasgar a CLT com a terceirização sem limites e colocar acordos entre patrões e empregados ACIMA da CLT. Ou seja: fim do aumento do salário mínimo acima da inflação, fim da CLT e dos direitos dos trabalhadores(as).
4) Derrotar os avanços em direitos humanos, conferindo a seitas caça-níqueis da teologia da prosperidade a potestade moral para uma agenda de machismo, homofobia, racismo, intolerância religiosa. Dilma é massacrada simbolicamente todos os dias por ser essa mulher admirável e com ela padecem aqueles e aquelas que vivem os horrores da discriminação e da violência covarde e da pobreza, geração após geração.

É essa mulher que nos separa de um retrocesso intolerável. Democratas, Patriotas, Trabalhadores(as), seres humanos, defendamos essa guerreira, defendamos a Presidenta Dilma, porque sobre seus ombros, nessa hora, repousa a defesa da democracia, do Brasil e das conquistas do povo!

Jean Wyllys faz homenageia protagonismo das mulheres no PCdoB

Jean Wyllys faz homenagem às mulheres públicas do PCdoB 


Em seu perfil nas redes sociais, o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) publicou uma avaliação da atuação das mulheres nos últimos meses. Em sua análise, o deputado destaca o protagonismo das mulheres públicas do PCdoB, a quem presta homenagem, dizendo que “o PCdoB tem o inegável mérito de empoderar suas mulheres. Aliás, antes de a Rede Sustentabilidade se construir, o PCdoB era o único partido presidido por uma mulher, a deputada Luciana Santos, de Pernambuco”. 


A seguir, leia a íntegra do post:

A primavera brasileira foi, em se tratando da cena política, sem dúvida, protagonizada pelas mulheres (representantes de diferentes e até conflitantes expressões do feminismo). Das bem-sucedidas (re) ações nas redes sociais com impactos indiretos na chamada “grande mídia” – a campanha-resposta #meuprimeiroassédio ao machismo mais abjeto que se seguiu à exposição de uma menina num programa de tevê e o movimento #Agoraéquesãoelas para que colunistas e blogueiros de expressão cedessem suas tribunas para que mulheres falassem por e sobre si mesmas – à ocupação das ruas pedindo a saída do corrupto Eduardo Cunha, que pretende, por meio de projeto de lei, retirar direitos sexuais e reprodutivos garantidos desde 1949, passando pelo debate acerca da citação de Simone de Beauvoir no Enem, eram as mulheres que estavam à frente. 

Mesmo no novíssimo movimento estudantil que ocupou as escolas de São Paulo, impedindo que o governo do PSDB as fechassem, as meninas foram relevantes, inclusive na resistência à força bruta e desmedida usada pela Polícia Militar tucana contra a ocupação.

Mas é importante que se diga que esse protagonismo é resultado de um trabalho histórico de mulheres (a maioria se reconhecendo e se apresentando como feministas; outras não) e de homens que vieram antes dessas protagonistas (alguns ainda aqui, na luta) e que deram, ao seu modo e em seu campo de atuação, contribuições para a equidade de gênero.

Nesse sentido, quero fazer uma justa homenagem às mulheres públicas do PCdoB – Partido Comunista do Brasil e ao partido como um todo. Eu estou deputado federal pelo Psol – Partido Socialismo e Liberdade, partido ao qual escolhi me filiar por afinidade ideológica e programática; esta identidade partidária, porém, não me impede de reconhecer méritos e conquistas de e em outros partidos [logo, não façam dessa postagem motivos para especulações maldosas; o Psol é o meu partido!].

Se o Psol tem a primazia e o mérito de abrigar o primeiro deputado federal homossexual assumido, orgulhoso de sua orientação sexual e porta-voz das reivindicações da comunidade LGBT e das pessoas sexo-diversas, articulando claramente essa agenda com outras importantes dos direitos humanos de minorias; se o Psol tem o mérito de ter apresentado o primeiro beijo gay num programa eleitoral, o primeiro candidato a prefeito assumidamente gay, Renan Palmeira II (e também o primeiro candidato a governador, Ailton Lopes, no Ceará) e de hoje ter uma mulher transexual, Samara Braga, como pré-candidata à prefeitura de Alagoinhas, bem como o mérito de contar com um bem-estruturado setorial de mulheres que construiu comigo o projeto de lei que legaliza e regulamenta a interrupção segura da gravidez indesejada, o PCdoB tem o inegável mérito de empoderar suas mulheres. Aliás, antes de a Rede Sustentabilidade se construir, o PCdoB era o único partido presidido por uma mulher, a deputada Luciana Santos, de Pernambuco (o Psol já foi o único partido presidido por uma mulher, Heloísa Helena, que hoje está na Rede Sustentabilidade).

Todas as mulheres públicas do PCdoB são admiráveis e a maioria é minha amiga. Com todas elas, estabeleço excelente diálogo, mesmo não concordando com todas as suas posições no que diz respeito às outras questões políticas – isso é ser democrata! E sinto muita falta de Manuela D'Ávila na Câmara Federal. Não que o Psol não busque empoderar suas mulheres públicas – Luciana Genro é um exemplo – mas ainda faltam mais mulheres entre as figuras públicas do partido.

Apesar dessas diferenças entre os partidos citados (e levando em conta também o tamanho da bancada feminina do PT e o fato de a presidenta da República pertencer a este partido), eles mostram que, em que pese alguma resistência interna, fruto da histórica dominação masculina que forja nossas subjetividades (dos homens, mas também das mulheres), as mulheres sempre gozaram de mais oportunidades entre comunistas e socialistas (não estou querendo dizer, com isso, que não haja espaço para mulheres entre liberais e capitalistas; há, sim, independentemente da qualidade desse espaço).

Se parte da obra de Marx é cega à questão de gênero, por razões óbvias que dizem respeito ao tempo e ao espaço em que ele a produziu, isso não quer dizer que não se possa vislumbrar abertura à questão em outras partes dessa mesma obra nem que os marxistas fecharam os olhos para ela; ao contrário, e a história é clara nesse sentido: os bolchevistas levaram a questão feminina a sério e os protestos em massa que resultaram na queda do czar foram detonados no Dia Internacional da Mulher em 1917. Uma vez no poder, o partido priorizou a igualdade para as mulheres e criou o Secretariado Internacional da Mulher. Este, por sua vez, convocou o Primeiro Congresso Internacional de Mulheres Operárias, para o qual foram delegadas de vinte países e que pressupunha que as metas do socialismo e da liberação feminina estavam intimamente ligadas.

O historiador Robert J.C. Young diz que “até o ressurgimento dos movimentos femininos na década de 1960, é impressionante constatar como apenas os homens das searas socialista ou comunista encaravam a questão da igualdade feminina como intrínseca a outras formas de liberação política”. No início do século 20, os ambientes comunistas e o socialistas eram os únicos em que as questões de gênero e do colonialismo eram debatidas de forma sistemática.

Aliás, esses dados históricos servem também para mostrar que sempre existiram homens que se aliaram ao feminismo sem querer “roubar o protagonismo das mulheres”, essa cantilena repetida hoje à exaustão por certas “feministas” que têm um prazer estranho em desqualificar publicamente os homens que se apresentam como aliados de suas causas, mas curiosamente silenciam em relação aos reais adversários ou inimigos. Aliás, a impressão que eu tenho dessas “feministas” é que desconhecem a história e a solidariedade.

Contudo, se as mulheres encontraram, nas searas comunistas e socialistas, espaço para se expressar, por outro, muitas delas estreitaram sua leitura do mundo, passando a interpretar certas expressões da liberação feminina como “subprodutos do capitalismo opressor”. Ora, em primeiro lugar o patriarcado é anterior ao capitalismo (o que não quer dizer que eles não tenham se aliado nem que o capitalismo não enseje liberdades em nome de novas forças de trabalho e mercados consumidores); em segundo, em que pesem as boas intenções de intelectuais e revolucionários socialistas, em muitos governos ditos “socialistas” as mulheres permaneceram oprimidas ou com menos oportunidades. E, por fim, no caso específico da prostituição feminina (favor não confundir com exploração sexual nem com tráfico de mulheres para esse fim abjeto), este é um exercício de liberdade feminina anterior ao patriarcado e apesar dele – liberdade que muitas mulheres socialistas não engolem e à qual se opõem (algumas com um nível insuportável de desonestidade intelectual e violência verbal) porque suas subjetividades estão igualmente eivadas do moralismo do patriarcado judaico-cristão ao qual se opõem. São as contradições da vida e nossas com as quais temos de lidar!

Bom, mas este post é mesmo uma homenagem às mulheres que fizeram a primavera e que não sairão de cena e às mulheres públicas do PCdoB. Obrigado a todas vocês! Como homem gay vítima da prima-irmã do sexismo, a homofobia, tenho orgulho de ser seu parceiro! 

PSOL vacila na hora da crise. Em nota, chama a ficar em casa

Desculpem a franqueza, mas essa nota do PSOL eh um "apoio moral" e um chamado à militância pra ficar em casa? Nem defesa do governo, nem defesa do Impeachment? Marinaram! 

Ah, História...

A crise e o impeachment – Nota do Diretório Nacional do PSOL

A crise e o impeachment – Nota do Diretório Nacional do PSOL

O Diretório Nacional do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), diante dos últimos acontecimentos que agravam a crise política, considera que:

1- Os efeitos da crise econômica e política, aprofundadas pelas medidas do governo federal, pesam especialmente sobre os trabalhadores e o povo, que sofrem a violência do desemprego e da perda do poder de compra dos salários, enquanto os grandes rentistas e os bancos ampliam seus lucros. Nosso modelo neoliberal periférico se aprofunda com a política de “ajuste” do governo Dilma. Os governos estaduais do PSDB, PMDB, PT e outros agem na mesma direção.

2- Vivemos a mais aguda degradação do nosso sistema político, com o crescente desencanto da população em relação aos parlamentos e aos partidos, quase todos capturados pelas grandes corporações econômicas e corrompidos pelo assalto aos cofres públicos, o eleitoralismo, o clientelismo, a demagogia e a rebaixada disputa por nacos do Orçamento Público.

3- Processo de impeachment, que pode culminar no ato mais extremo da dinâmica política legal – a destituição do governante -, tem previsão constitucional (arts. 85 e 86 da CF). Mas este, decidido por Eduardo Cunha, o ilegítimo presidente da Câmara dos Deputados, construído num ambiente de chantagens mútuas e posições oportunistas de todos os grandes partidos, foi descarada retaliação, no marco de barganha que o deputado pratica permanentemente, dentro do Legislativo e fora dele. Cunha abusa de suas prerrogativas para salvar seu mandato, atingido por denúncias robustas de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, ocultação de bens e outros crimes. As ruas, em especial as mobilizações das mulheres e da juventude, clamam por sua cassação. Ele carece, portanto, de legitimidade, em especial para tomar decisão de tamanho impacto. O PSOL já advoga há tempos o afastamento de Cunha e não reconhece a validade de suas iniciativas.

4- O mérito da denúncia que embasaria o afastamento da presidente da República – as chamadas “pedaladas fiscais” – não tem, a nosso juízo, substância para promover destituição de quem detém mandato eletivo. Governos estaduais de diversos partidos também as praticaram, o que é questionado pelos que se vinculam à concepção neoliberal do ajuste fiscal contra o povo, com supressão de direitos. Para nós, no plano fiscal e orçamentário, é imperativa a auditoria da dívida e o fim do superávit primário.

5- Destituir Dilma, a cujo governo antipopular nos opomos, para colocar em seu lugar Michel Temer (PMDB), significaria aprofundar “uma ponte para o futuro” que é mera continuidade do presente, pavimentada pelos materiais do privatismo puro e duro.

6- Para nós do PSOL, as saídas da crise só virão com ampla mobilização popular em torno de reformas profundas, que instituam um novo modelo econômico, soberano, igualitário e ambientalmente sustentável. Além de um modelo político, livre do financiamento empresarial, que aprofunde a democratização do país, através do qual as maiorias sociais possam se tornar as maiorias políticas, e a transparência republicana, melhor antídoto à corrupção sistêmica. Reforçamos nossa luta frontal contra Cunha e todos os corruptos, e de oposição programática e de esquerda ao governo Dilma. O PSOL não participará de manifestações que tenham como finalidade defesa do governo ou de defesa do impeachment.

Diretório Nacional do PSOL
Brasília, 4 de dezembro de 2015

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Presidenta Dilma em pronunciamento rechaça chantagem e golpismo e defendea dermocracia - Portal Vermelho e Amigos do Presidente Lula

Dilma: “Não existe nenhum ato ilícito praticado por mim”

 


Em pronunciamento em rede nacional, a presidenta Dilma Rousseff falou sobre a abertura do processo de impeachment. “Tenho convicção e absoluta tranquilidade quanto à improcedência desse pedido, bem como quanto o seu justo arquivamento”, declarou. Dilma disse ainda que jamais aceitaria “barganhas” para impedir a abertura do processo.

   “Não paira contra mim nenhuma suspeita de desvio de dinheiro público. Não possuo conta no exterior, nem ocultei do conhecimento público a existência de bens pessoais”, disse a presidenta, numa referência às acusações de que Eduardo Cunha mantém dinheiro desviado da Petrobras em contas na Suíça.

“Nos últimos dias, a imprensa noticiou que haveria interesse na barganha de votos de membros da base governista no Conselho de Ética da Câmara. Em, troca, haveria o arquivamento dos pedidos de impeachment. Eu jamais aceitaria ou concordaria com qualquer tipo de barganha, muito menos aquelas que atentam contra o funcionamento livre das instituições democráticas do meu país, bloqueiam a justiça ou ofendem os princípios morais e éticos que devem governar a vida pública”, disse a presidenta.

A presidenta disse ainda que não “podemos deixar as conveniências e os interesses indefensáveis abalarem a democracia e a estabilidade de nosso país”.
“Devemos ter tranquilidade e confiar nas nossas instituições e no estado democrático de direito”, encerrou.

Confira a íntegra:


Pronunciamento de Dilma

Dirijo uma palavra de esclarecimento a todas as brasileiras e brasileiros.

No dia de hoje, foi aprovado pelo Congresso Nacional o projeto de lei que atualiza a meta fiscal, permitindo a continuidade da prestação dos serviços públicos fundamentais para todos os brasileiros.

Ainda hoje, recebi com indignação a decisão do Sr. Presidente da Câmara dos Deputados de processar pedido de impeachment contra mandato democraticamente conferido a mim pelo povo brasileiro.

São inconsistentes e improcedentes as razões que fundamentam este pedido.
Não existe nenhum ato ilícito praticado por mim.

Não paira contra mim nenhuma suspeita de desvio de dinheiro público.
Não possuo conta no exterior, nem ocultei do conhecimento público a existência de bens pessoais.

Nunca coagi ou tentei coagir instituições ou pessoas na busca de satisfazer meus interesses.

Meu passado e meu presente atestam a minha idoneidade e meu inquestionável compromisso com as leis e a coisa pública.

Nos últimos tempos, e em especial, nos últimos dias, a imprensa noticiou que haveria interesse na barganha dos votos de membros da base governista no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Em troca, haveria o arquivamento dos pedidos de impeachment.
Eu jamais aceitaria ou concordaria com quaisquer tipos de barganha.

Muito menos aquelas que atentam contra o livre funcionamento das instituições democráticas, bloqueiam a justiça ou ofendam os princípios morais e éticos que devem governar a vida pública.

Tenho convicção e absoluta tranqüilidade quanto à improcedência deste pedido, bem como quanto ao seu justo arquivamento.

Não podemos deixar as conveniências e interesses indefensáveis abalarem a democracia e a estabilidade do nosso país.

Devemos ter tranquilidade e confiar nas nossas instituições e no Estado Democrático de Direito.

Obrigada e Boa Noite!

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Osvaldão, herói brasileiro do Araguaia promove financiamento coletivo de longa metragem

Conheça o financiamento coletivo de Osvaldão

O documentário sobre a vida do guerrilheiro que lutou pelo fim da ditadura militar na região do Araguaia, Osvaldão, entra em circuito nacional no próximo dia 10 de dezembro, mas nesta segunda-feira (30) acontece uma pré-estreia na capital paulista. Uma das diretoras do filme, Ana Petta, fala sobre a história que “infelizmente não foi superada” da luta pela democracia e liberdade.

Por Mariana Serafini


Divulgação Cena do filme Osvaldão resgatada do documentário da Checoslováquia Osvaldão traz a história de Osvaldo Orlando da Costa, o jovem da cidade de Passa-Quatro, no interior de Minas Gerais, membro do PCdoB que dedicou sua vida a lutar pelo fim da ditadura militar no Brasil. O filme estreia num período em que o Brasil sofre tentativas de desestabilização por parte dos setores mais reacionários da política nacional, e sobre isso Ana lamenta que “a discussão ainda não foi superada porque existem grupos que defendem a volta da ditadura militar”.

Para a diretora, em momentos como este é importante resgatar a história para não repeti-la. Com esta responsabilidade os diretores – André Lorenz Michiles, Fábio Bardella e Vandré Fernandes, além de Ana – estão fazendo exibições gratuitas da obra nas escolas ocupadas pelos estudantes em São Paulo.

Cada luta ao seu tempo. Os alunos hoje empenhados em proteger suas escolas da reorganização proposta pelo governador Geraldo Alckmin, que vai prejudicar milhares de estudantes em todo o estado, têm contato, por meio do filme, com a história do também jovem Osvaldão que lutou pela liberdade do país. “Eles ficam curiosos, querem saber mais, fazem muitas perguntas, é muito interessante esse contato, é importante que eles conheçam essa história e quem são seus heróis nacionais”, conta Ana.

Cartaz de "pré-estreia" de Osvaldão em uma escola ocupada em São Paulo

Ana defende que a históriada ditadura militar como um todo e especificamente o episódio da Guerrilha do Araguaia devem fazer parte do projeto curricular das escolas, de forma a resgatar a esclarecer o que realmente aconteceu. Um dos objetivos do filme é este, manter as histórias de Osvaldão, e dos militantes que deram a vida pela democracia, vivas.

A produção do filme durou dois anos, período este em que os diretores fizeram um levantamento da história de Osvaldão em Passa-Quatro, onde ele nasceu e viveu boa parte da vida; no Rio de Janeiro, onde foi campeão de boxe pelo Club de Regatas Vasco da Gama; na Checoslováquia, onde viveu e estudou por alguns anos e, por fim, na região do Araguaia, onde foi um dos principais militantes da guerrilha que mobilizou a maior expedição do exército brasileiro desde a 2ª Guerra Mundial.

Em meio à pesquisa sobre a vida de Osvaldão, os diretores descobriram um documentário feito com vários estudantes da Checoslováquia, onde ele era um dos destaques, e usam imagens deste material no filme atual. O cantor Criolo empresa sua voz ao personagem principal, enquanto outros artistas, entre eles, Leci Brandão, Antônio Pitanga, Flávio Renegado e Fernando Szegeri narram trechos da história.

Ana conta que foi fascinante conversar com as pessoas que conheceram Osvaldão na região do Araguaia onde até hoje ele é muito querido. “O filme mostra que o Osvaldão ainda é muito presente na região, ele se tornou uma espécie de mito lá”.

Os depoimentos dos moradores da região do Araguaia dão conta de que Osvaldão “se transformava em pedra” ou “em árvore” e por isso não era encontrado pelos oficiais do exército. Há ainda quem acredite que ele era abençoado por uma proteção mágica que o fazia desaparecer. “Além de ser valente, ele era invisível”, relata um morador. Uma verdadeira lenda.

Segundo a diretora, a família de Osvaldão foi receptiva com a ideia do filme e gostou muito de descobrir fatos que mesmo para os parentes mais próximos eram novos. “Um sobrinho dele nos agradeceu porque hoje ele conhece mais sobre o Osvaldão, então o filme também conseguiu aproximar mais o Osvaldão da família dele”, conta.

Financiamento coletivo

Em dezembro o filme estreia em sete cidades do Brasil no circuito de cinema comercial. Dia 10 entra em cartaz em cinemas no Rio de Janeiro e na capital paulista. Este projeto foi possível graças a um projeto de financiamento coletivo que arrecadou os recursos necessários para a exibição.

A campanha de financiamento coletivo durou 40 dias e possibilitou que o filme entre em cartaz nos cinemas de Porto Alegre (RS), São Paulo(SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Recife (PE) e Fortaleza (CE).

Nesta segunda-feira (30) a pré-estreia de Osvaldão é no Espaço Itaú de Cinema Frei Caneca às 21 horas.

Assista ao trailer:





Fonte: Portal Vermelho


Cultura
30 de novembro de 2015 - 16h46 - “Infelizmente uma história atual”, diz diretora de Osvaldão

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Com coragem e luta, Marcha das Mulheres Negras enfrenta o racismo - Potal Vermelo

 


Ramila Moura
Marcha das Mulheres Negras leva música e cor para Brasília Marcha das Mulheres Negras leva música e cor para Brasília

As mulheres negras encheram as ruas de Brasília-DF, nesta terça-feira (18), com cor, música e discursos contra a violência e o racismo. Até chegar em frente ao prédio do Congresso Nacional, a marcha, que saiu do Ginásio Nilson Nelson, percorreu o Eixo Monumental e a Esplanada dos Ministérios com faixas, cartazes e palavras de ordem “contra o racismo, contra a violência, pelo bem estar”. E receberam de parlamentares, ao longo da marcha, palavras de apoio.



Com um disparo de arma de fogo e vários rojões, um manifestante do acampamento que pede o impeachment da presidenta Dilma e a volta do regime militar tentou provocar tumulto na Marcha das Mulheres Negras. A correria das mulheres, inclusive idosas, não foi o suficiente para dispersar a marcha.

As palavras de apoio foram novamente ouvidas durante a sessão do Congresso Nacional, que acontecia no mesmo momento em que houve o tumulto provocando pelos manifestantes golpistas. Foi a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), quem pediu ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL), que presidia a sessão, que fosse feita uma revista no acampamento dos manifestantes golpistas. Na semana passada, a polícia prendeu um sargento reformado da polícia que participava do acampamento com uma pistola e várias armas brancas.

Luciana Santos, presidenta do PCdoB e deputada federal por Pernambuco, presenciou estarrecida a “cena de horror” e relatou: “Eu estava vindo com a Marcha das Mulheres Negras em direção ao Congresso Nacional quando um manifestante pró-impeachment atirou para cima no meio da marcha. Foram 3 tiros! Uma manifestação de ódio e intolerância que nós não podemos aceitar. O PCdoB vai reagir à altura e solicitar à mesa diretora da Câmara e do Senado que não permita esse acampamento com pessoas armadas, perto do Congresso Nacional. Isso vai de encontro a qualquer tipo de manifestação plural e democrática”.



Luciana contou ainda que depois do susto inicial “e vendo que todas estávamos bem, consegui registrar o momento da prisão. Um absurdo que o rancor e a intolerância tentem tomar o lugar da coragem, da força, da alegria e da combatividade que marcaram esta linda Marcha das Mulheres Negras 2015”, desabafou.



Durante a Marcha das Mulheres Negras, em cima do carro de som, a líder do PCdoB na Câmara, Jandira Feghali, declarou: “Nós não podemos permitir que as mulheres sejam assassinadas no aborto ilegal. Nós não podemos permitir que os homens entendam as mulheres negras como algo que possa ser descartado da vida com violência familiar”.


 

Jandira Feghali na Marcha das Mulheres Negras “Nós não podemos permitir que as mulheres sejam assassinadas no aborto ilegal. Nós não podemos permitir que os homens entendam as mulheres negras como algo que possa ser descartado da vida com violência familiar” declara a líder do PCdoB na Câmara, Jandira Feghali, durante a 2015 - Marcha das Mulheres Negras que ruma ao Congresso Nacional do Brasil.
Posted by PCdoB na Câmara on Quarta, 18 de novembro de 2015




Movimento de luta
 
Com roupas e turbantes coloridos, com música e dança, cartazes e discursos, cerca de 25 mil mulheres negras percorreram as ruas anunciando que marchariam “até que todas as mulheres sejam livres”.

A presidenta da Unegro no Distrito Federal, Santa Alves, considerou a marcha um grande sucesso pela força demonstrada pelas mulheres negras, reforçando o desejo das mulheres negras de combater o racismo que as oprime, para garantir a construção de uma sociedade de bem-estar. E acrescentou que as mulheres negras não vão permitir que o Congresso aprove matérias que aumente a opressão contra as mulheres.



Um grupo de mulheres do Quilombo Quingoma, de Lauro de Freitas, na Bahia, aproveitaram a marcha para denunciar as ameaças à comunidade remanescente de quilombolas com a construção da Via Metropolitana Camaçari-Lauro de Freitas, que vai passar dentro da terra delas.

Vídeo com as mulheres cantando.

Agressão dos golpistas

A marcha alegre que chegou em frente ao prédio do Congresso Nacional, parada tradicional das manifestações públicas, foi recebida com tiros por um sargento da polícia que foi preso em seguida. Ele alegou que se sentiu “ameaçado” pela presença das mulheres negras no espaço público.

Após os tiros, seguido de rojões, houve correria e dispersão. As mulheres ocuparam o gramado onde estão acampados os golpistas, que as ameaçaram e expulsaram do local. A polícia legislativa, que fez um cerco na entrada do prédio do Congresso, a tudo assistiu sem nenhuma interferência.

Do alto do carro de som, as organizadoras da marcha pediam as mulheres que não aceitassem provocação, saíssem do gramado e seguissem a marcha, que continuou pelo outro lado da Esplanada dos Ministérios, após a prisão do golpista.






De Brasília
Márcia Xavier 

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Argentina: um projeto de Nação ou a volta à década de 1990 - Partido Comunista Congresso Extraordinário



Un proyecto de Nación o la vuelta a los 90
o la vhttp://www.pcce.com.ar/247_edit.htmla a los ‘90

Transitamos un momento político cuyo desenlace será decisivo para el futuro de nuestro pueblo y de nuestra Nación. Frente al desafío que tenemos por delante, hacemos nuestras las palabras de la compañera Cristina respecto a que no existe el más mínimo margen para cavilaciones ni internismos que debiliten nuestras posiciones de cara a la confrontación de fondo que se expresará en el balotaje. Los esfuerzos debemos dirigirlos exclusivamente a forjar una nueva victoria del proyecto nacional que nos permita asegurar la continuidad de las conquistas alcanzadas durante los últimos 12 años. Esto significa consagrar a la fórmula del FpV compuesta por Daniel Scioli y Carlos Zannini el próximo 22 de noviembre.

En la previa al 25 de octubre, el poderoso complejo mediático logró desdibujar parcialmente los ejes principales de la campaña trasladando la atención hacia las formas o modales de los candidatos. Esto les permitió (al tiempo que defenestraron metódicamente al compañero Aníbal Fernández) que un personaje aparentemente insustancial como María Eugenia Vidal, construido íntegramente por los monopolios de la comunicación, se haya impuesto en la determinante Provincia de Buenos Aires. Eso posibilitó en definitiva estrechar la diferencia conquistada en las PASO y forzar una segunda vuelta en el orden nacional. Esa misma cobertura comunicacional fue la que hizo posible que Mauricio Macri llegue hasta estas instancias.

Cuando Cristina convoca a una profunda reflexión nacional que permita identificar con nitidez qué es lo que está en juego hoy en la Argentina, desata una respuesta inmediata y masiva de miles y miles en todo el país que ganan la calle para explicar y esclarecer sobre los riesgos objetivos de un retorno al neoliberalismo. El casa por casa es la única forma de revertir el daño producido por el accionar permanente de los generales multimediáticos. Ellos sí que han impulsado una colosal campaña sucia, de miedo, mentiras, odio y desánimo durante más de una década, y son capaces de lograr que una parte del pueblo termine conspirando contra sus propios intereses. Debemos apelar a la memoria, ser predicadores de los logros alcanzados y tener la capacidad de confrontar ideas y proyectos para no caer en el laberinto de los nombres propios o simpatías personales.

La Presidenta (la única que podía hacerlo) situó a la campaña en sus cauces correspondientes. Macri sintió el golpe, pero reforzó su táctica de confusión del electorado, de no hablar sobre lo que piensan hacer y de victimizarse cuando no les alcanza con el escudo de Clarín y su constelación monopólica. Pero sus patrones les exigen definiciones. Por eso Vidal evaluó voltear de un saque 50 mil becas estudiantiles, Michetti anticipó una quita masiva de subsidios y elevar la edad jubilatoria, y el inefable Melconian prometió un ajuste sobre salarios y jubilaciones y llevar el dólar a 16 pesos. Eso es neoliberalismo, liso y llano.

Este 5 de noviembre se cumplieron 10 años de la derrota del ALCA. En aquellas circunstancias el compañero Fidel habló de la “gloriosísima batalla de Mar de Plata”, donde Néstor Kirchner (según palabras de Chávez) fue el D’Artagnan latinoamericano. Vale preguntarnos qué sería de América Latina si se hubiese impuesto el proyecto de anexión del imperialismo. Otro sería el escenario actual. Lo que sí podemos advertir, sin riesgo a equivocarnos, es sobre el enorme impacto que significaría para todo el continente un retroceso político en la Argentina. En particular para dos pilares como Brasil y Venezuela. Por eso el 22 la confrontación trasciende a nuestro país, tanto como lo trascendió la batalla de Mar del Plata.

Dos proyectos en disputa, unidad del campo popular y frentismo para la construcción política. Ese fue el camino que trazó Cristina para afrontar el balotaje y también de cara a los desafíos futuros. Debemos asegurar la victoria y al mismo tiempo producir un salto en la conciencia y organización de nuestro pueblo para que lo conquistado sea verdaderamente irreversible.

domingo, 15 de novembro de 2015

15nov2015 PCdoB condena atentados terroristas

O Secretariado nacional do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) lança nota em que condena com veemência os atentados terroristas. No documento, os comunistas combatem também o terrorismo de Estado, praticado pelas potências imperialistas. Leia a íntegra.

1 - O Partido Comunista do Brasil condena energicamente a escalada de atentados terroristas dos últimos dias. A carnificina perpetrada em Paris na última sexta-feira (13), com fuzilamentos de civis e explosões de bombas em locais de lazer, resultando na morte e ferimento grave de centenas de pessoas, é crime abominável de lesa-humanidade, uma horrenda expressão do banditismo político. Já na véspera, atentados mataram mais de 40 pessoas na capital libanesa, Beirute, uma ação terrorista que também é da nossa condenação.

2 – Juntamo-nos ao luto que encobre as nações e os povos golpeados pela matança, à dor dos familiares das vítimas. Expressamos profundo sentimento de pesar e a integral solidariedade dos comunistas brasileiros.

3 – Estes fatos estão ligados ao agravamento da crise no Oriente Médio, nomeadamente na Síria, que há quatro anos ininterruptos é vítima da ação diuturna de bandos terroristas, muitos dos quais financiados e armados pelas potências ocidentais, nomeadamente os Estados Unidos, a França, outros países da União Europeia, Israel, Turquia e monarquias reacionárias árabes.

4 – Igualmente, não estão desligados do terrorismo de Estado, praticado por essas potências, que também deve ser condenado com veemência. As guerras e intervenções militares, tais como no Iraque, Afeganistão, Líbia e Mali, e a escalada militarista do Estado sionista contra o povo palestino, além de serem em si atos terroristas, criam o caldo de cultura para o desenvolvimento de grupos como Al Qaeda, ISIS (Estado Islâmico do Iraque e da Síria, na sigla em inglês) e outros.

5 - A sequência de atos terroristas nos últimos dias, sobretudo a carnificina em Paris, é reveladora de como não só os povos do Oriente Médio e outras regiões de conflitos, mas também as populações dos próprios países da Europa e demais continentes, podem ser vitimadas pela instabilidade, as crises e as guerras provocadas por seus governos. E demonstra os perigos a que está exposta a humanidade numa ordem mundial marcada pela violação sistemática do direito internacional, o militarismo, o intervencionismo, a guerra como meio de política externa e o desrespeito à soberania nacional. O combate ao terrorismo – seja de grupos ou de Estado – requer a mobilização dos povos, dos amantes da paz e da democracia, dos que lutam por uma sociedade livre da ingerência imperialista e por soluções justas para os conflitos internacionais.

São Paulo, 15 de novembro de 2015
O Secretariado Nacional do Partido Comunista do Brasil

Twenty-six Things About the Islamic State (ISIL) that Obama Does Not Want You to Know About - Global Research - Michel Chsosudovsky


ISIL invasion
This article was first published in November 2014.  

Recent developments confirm what is known and documented: Washington is behind the Islamic State (ISIS) and at the same time it is behind the moderate Al Qaeda terrorists, which the Obama administration is supporting as part of America’s campaign against the Islamic State (ISIS). And they expect us to believe that they are committed to waging a campaign against terrorists.
The Islamic State (ISIS) was until 2014 called al Qaeda in Iraq (AQI). 

Al Nusra is an al Qaeda affiliate which has committed countless atrocities in Syria.  It is now considered by the Obama administration as the “Moderate Opposition”. 
America’s “anti-terrorist campaign’ consists in supporting a so-called “moderate” Al  Qaeda entity (Al Nusra)  with a view to going after another al Qaeda entity entitled The Islamic State, formerly designated as Al Qaeda in Iraq.  
“Al Qaeda is going after Al Qaeda”, and both wings of al Qaeda are supported covertly by US intelligence. 
Both ISIS and Al Nusra are protected by the Western military alliance. Both Al Qaeda entities are used to destroy Syria and Iraq. The air campaign allegedly against ISIS does not target ISIS, it targets Syria and Iraq, schools, hospitals, factories, residential areas, government buildings, roads, bridges, etc. 
Both Al Qaeda affiliated entities are being used to destroy Iraq and Syria as nation states.
The terrorists  are the foot-soldiers of the Western military alliance.
US-NATO-Israel are state sponsors of terrorism, providing training, weapons and money to various terrorist formations. 
The endgame is “regime change” in Syria and the fragmentation of Iraq.  

Michel Chossudovsky, September 03, 2015

The US led war against  the Islamic State is a big lie.
Going after ” Islamic terrorists”, carrying out a worldwide pre-emptive war to “Protect the American Homeland” are used to justify a military agenda.
The Islamic State of Iraq and the Levant (ISIL) is a creation of US intelligence. Washington’s “Counter-terrorism Agenda” in Iraq and Syria consists in Supporting the Terrorists.  
The incursion of the Islamic State (IS) brigades into Iraq starting in June 2014 was part of a carefully planned military-intelligence operation supported covertly by the US, NATO and Israel.
The counter-terrorism mandate is a fiction. America is the Number One “State Sponsor of Terrorism” 
The Islamic State is protected by the US and its allies. If they had wanted to eliminate the Islamic State brigades, they could have “carpet” bombed their convoys of Toyota pickup trucks when they crossed the desert from Syria into Iraq in June. 
\
The  Syro-Arabian Desert is open territory (see map below). With state of the art jet fighter aircraft (F15, F22 Raptor, CF-18) it would have been  -from a military standpoint-  a rapid and expedient surgical operation  

In this article, we address 26 concepts which refute the big lie.  Portrayed by the media as a humanitarian undertaking, this large scale military operation directed against Syria and Iraq has resulted in countless civilian deaths.
It could not have been undertaken without the unbending support of  the Western media which has upheld Obama’s initiative as a counter-terrorism operation.  

THE HISTORICAL ORIGINS OF AL QAEDA

1. The US has supported Al Qaeda and its affiliated organizations for almost half a century since the heyday of the Soviet Afghan war. 

2. CIA training camps were set up in Pakistan.  In the ten year period from 1982 to 1992, some 35,000 jihadists from 43 Islamic countries were recruited by the CIA to fight in the Afghan jihad.
“Advertisements, paid for from CIA funds, were placed in newspapers and newsletters around the world offering inducements and motivations to join the Jihad.”
3. Since the Reagan Administration, Washington has supported the Islamic terror network.
Ronald Reagan called the terrorists “freedom fighters”. The US supplied weapons to the Islamic brigades.  It was all for “a good cause”: fighting the Soviet Union and regime change, leading to the demise of a secular government in Afghanistan.
Ronald Reagan meets Afghan Mujahideen Commanders at the White House in 1985 (Reagan Archives)

4. Jihadist textbooks  were  published by the University of Nebraska. “. “The United States spent millions of dollars to supply Afghan schoolchildren with textbooks filled with violent images and militant Islamic teachings”

5. Osama bin Laden, America’s bogyman and founder of Al Qaeda was recruited by the CIA in 1979 at the very outset of the US sponsored jihadist war against Afghanistan . He was 22 years old and was trained in a CIA sponsored guerilla training camp.
Al Qaeda was not behind the 9/11 Attacks. September 11, 2001 provided a justification for waging a war against Afghanistan on the grounds that Afghanistan was a state sponsor of terrorism, supportive of Al Qaeda. The 9/11 attacks were instrumental in the formulation of the “Global War on Terrorism”.
THE ISLAMIC STATE (ISIL)

Veja também:

Vídeo: 2325 arquitetos e engenheiros nos EUA denunciam: 11/09 foi explosão planejada das torres do World Trade Center - Paulo Vinícius Silva



6. The Islamic State (ISIL) was originally an Al Qaeda affiliated entity created by US intelligence with the support of Britain’s MI6, Israel’s Mossad, Pakistan’s Inter-Services Intelligence (ISI) and Saudi Arabia’s General Intelligence Presidency (GIP), Ri’āsat Al-Istikhbārāt Al-’Āmah ( رئاسة الاستخبارات العامة‎).
China unlikely to join Obama's anti-ISIS coalition: Report

7. The ISIL brigades were involved in the US-NATO supported insurgency in Syria directed against the government of  Bashar al Assad.

8.  NATO and the Turkish High Command were responsible for the recruitment of ISIL and Al Nusrah mercenaries from the outset of the Syrian insurgency in March 2011. According to Israeli intelligence sources, this initiative consisted in:
“a campaign to enlist thousands of Muslim volunteers in Middle East countries and the Muslim world to fight alongside the Syrian rebels. The Turkish army would house these volunteers, train them and secure their passage into Syria. (DEBKAfile, NATO to give rebels anti-tank weapons, August 14, 2011.)
9.There are Western Special Forces and Western intelligence operatives within the ranks of the ISIL. British Special Forces and MI6 have been involved in training jihadist rebels in Syria.

10. Western military specialists on contract to the Pentagon have trained the terrorists in the use of chemical weapons.
“The United States and some European allies are using defense contractors to train Syrian rebels on how to secure chemical weapons stockpiles in Syria, a senior U.S. official and several senior diplomats told CNN Sunday. ( CNN Report, December 9, 2012)
11. The ISIL’s practice of beheadings is part of the US sponsored terrorist training programs implemented in Saudi Arabia and Qatar.

12. Recruited by America’s ally, a large number of ISIL mercenaries are convicted criminals released from Saudi prisons on condition they join the ISIL. Saudi death row inmates were recruited to join the terror brigades. 

13. Israel  has supported  the ISIL and Al Nusrah brigades out of the Golan Heights.
Jihadist fighters have met Israeli IDF officers as well as Prime Minister Netanyahu. The IDF top brass tacitly acknowledges that “global jihad elements inside Syria” [ISIL and Al Nusrah] are supported by Israel. See  image below:
“Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu and Defence Minister Moshe Ya’alon next to a wounded mercenary, Israeli military field hospital at the occupied Golan Heights’ border with Syria, 18 February 2014″
Inline images 1

SYRIA AND IRAQ

14 The ISIL are the foot soldiers  of the Western military alliance. Their unspoken mandate is to wreck havoc and destruction in Syria and Iraq, acting on behalf of their US sponsors.

15. US Senator John McCain has met up with jihadist terrorist leaders in Syria. (see picture right)

16  The Islamic State (IS) militia, which is currently the alleged target of  a US-NATO bombing campaign under a “counter-terrorism” mandate, continues to be supported covertly by the US.  Washington and its allies continue to provide military aid to the Islamic State.

17. US and allied bombings are not targeting the ISIL, they are bombing the economic infrastructure of Iraq and Syria including factories and oil refineries.

18.  The IS caliphate project is part of a longstanding US foreign policy agenda to carve up Iraq and Syria into separate territories: A Sunni Islamist Caliphate, an Arab Shia Republic, a Republic of Kurdistan.

THE GLOBAL WAR ON TERRORISM (GWOT)
 
 19. “The Global War on Terrorism” (GWOT) is presented as a “Clash of Civilizations”, a war between competing values and religions, when in reality it is an outright war of conquest, guided by strategic and economic objectives.
20 U.S. sponsored Al Qaeda terror brigades (covertly supported by Western intelligence) have been deployed in Mali, Niger, Nigeria, the Central African Republic, Somalia and Yemen.
original
America’s “War on Terrorism” By Mchel Chossudovsky

These various affiliated Al Qaeda entities in the Middle East, sub-Saharan Africa  and Asia are CIA sponsored “intelligence assets”. They are used by Washington to wreck havoc,  create internal conflicts and destabilize sovereign countries.

21 Boko Haram in Nigeria, Al Shabab in Somalia, the Libya Islamic Fighting Group (LIFG) (supported by NATO in 2011),  Al Qaeda in the Islamic Maghreb (AQIM),  Jemaah Islamiah (JI) in Indonesia,  among other Al Qaeda affiliated groups are supported covertly by Western intelligence.

22. The US is also supporting Al Qaeda affiliated terrorist organizations in the Xinjiang Uighur autonomous region of China. The underlying objective is to trigger political instability in Western China.
Chinese jihadists are reported to have received “terrorist training” from the Islamic State “in order to conduct attacks in China”. The declared objective of these Chinese-based jihadist entities (which serves the interests of the US)  is to establish a Islamic caliphate extending into Western China.  (Michel Chossudovsky, America’s War on Terrorism, Global Research, Montreal, 2005, Chapter 2).

HOMEGROWN TERRORISTS

23 The Terrorists R Us:  While the US is the unspoken architect of the Islamic State,  Obama’s holy mandate is to protect America against ISIL attacks.

24 The homegrown terrorist threat is a fabrication.  It is promoted by Western governments and the media with a view to repealing civil liberties and installing a police state. The terror attacks by alleged jihadists and terror warnings are invariably staged events. They are used to create an atmosphere of fear and intimidation.
In turn, the arrests, trials and sentences of “Islamic terrorists” sustain the legitimacy of America’s Homeland Security State and law enforcement apparatus, which has become increasingly militarized.
The ultimate objective is to instill in the minds of millions of Americans that the enemy is real and the U.S. Administration will protect the lives of its citizens.

25.  The “counter-terrorism” campaign against the Islamic State has contributed to the demonization of Muslims, who in the eyes of Western public opinion are increasingly  associated with the jihadists.

26  Anybody who dares to question the validity of the “Global War on Terrorism” is branded a terrorist and subjected to the anti-terrorist laws.
The ultimate objective of the “Global War on Terrorism” is to subdue the citizens, totally depoliticize social life in America, prevent people from thinking and conceptualizing, from analyzing facts and challenging the legitimacy of the inquisitorial social order which rules America.
The Obama Administration has imposed a diabolical consensus with the support of its allies, not to mention the complicit role of the United Nations Security Council.  The Western media has embraced the consensus; it has described the Islamic State as an independent entity, an outside enemy which threatens the Western World.

The Big Lie has become the Truth. 

Say no to the “Big Lie”. Spread the message.
The truth is ultimately a powerful weapon.

Please help us continue. We rely on the support of our readers.

Consider donating to Global Research. 
For Peace and Truth in Media, Michel Chossudovsky

DONATE GLOBAL RESEARCH
Comment on Global Research Articles on our Facebook page
Become a Member of Global Research

24 cosas sobre ISIS y Al-Qaeda que no quieren que sepas - nuevatribuna.es

El Estado Islámico, ISIS o Daesh, fue creado por la CIA, el MOSSAD y el MI6 para reventar a Siria. El profesor Michel Chossudovsky, economista canadiense y director del Centro de Investigación sobre la Globalización, en Montreal, ha recopilado 24 verdades que los gobiernos occidentales no quieren que la población conozca acerca de ISIS (o Estado Islámico) y Al-Qaeda… ¿Cómo es posible que sigan el juego de los Estados Unidos encaminado a crear un estado mundial policial? Pasando por la destrucción de pueblos, culturas ancestrales y restos de antiguas civilizaciones. La barbarie en su máxima dimensión.

COSAS QUE NO QUIEREN QUE SEPAS DE AL-QAEDA

1. Los Estados Unidos han apoyado a Al Qaeda y a sus organizaciones afiliadas durante casi medio siglo, desde el apogeo de la guerra afgano-soviética.

2. La CIA creó campos de entrenamiento para al-Qaeda en Pakistán. En el período de diez años, desde 1982 hasta 1992, unos 35.000 yihadistas procedentes de 43 países islámicos fueron reclutados por la CIA para luchar en la jihad afgana contra la Unión Soviética.

isis02

Anuncios, pagados con fondos de la CIA, se colocaron en los periódicos y boletines de noticias de todo el mundo ofreciendo incentivos y motivación para unirse a la Jihad.

isis03

3. Desde la época de la Administración Reagan, Washington ha apoyado a la red terrorista islámica. Ronald Reagan calificó a esos terroristas como “luchadores por la libertad”.

isis04
Reagan reunido con los Mujaidines afganos

Los EE.UU. suministraron armas a las brigadas islámicas. Todo era para “una buena causa”: la lucha contra la Unión Soviética y el cambio de régimen, lo que llevó a la desaparición de un gobierno secular en Afganistán.
isis05
Solo necesitamos recordar películas de propaganda de la época, como la célebre Rambo III…
 
 isis06

4. Los libros de texto yihadistas fueron publicados por la Universidad de Nebraska. Estados Unidos gastó millones de dólares para suministrar libros de texto repletos de imágenes violentas y enseñanzas islámicas militantes a los escolares afganos.

isis07

5. Osama bin Laden, fundador de Al Qaeda y hombre más odiado de Estados Unidos, fue reclutado por la CIA en 1979 al comienzo mismo de la guerra yihadista de Afganistán contra la Unión Soviética. Por aquel entonces, Bin Laden tenía 22 años y fue entrenado en un campo de entrenamiento de guerrillas patrocinado por la CIA.

isis08

Según el Profesor Chossudovsky, Al Qaeda se encontraba detrás de los ataques del 11 de septiembre. De hecho, el ataque terrorista de 2001 proporcionó una justificación para librar una guerra contra Afganistán, bajo el argumento de que Afganistán era un estado patrocinador del terrorismo de Al Qaeda.
Los ataques del 11 de septiembre, pues, fueron fundamentales para sentar las bases de la “Guerra Global contra el Terrorismo”.

COSAS QUE NO QUIEREN QUE SEPAS DE ESTADO ISLÁMICO

6. El Estado Islámico o ISIS era originalmente una entidad afiliada a Al-Qaeda, creada por la inteligencia de Estados Unidos con el apoyo del MI6 Británico, el Mossad Israelí, los servicios de Inteligencia de Pakistán y la Presidencia General de Inteligencia de Arabia Saudita (GIP o Ri’āsat Al-Istikhbarat Al-‘Amah (رئاسة الاستخبارات العامة).

7. Las brigadas de ISIS han estado involucradas en el apoyo a la insurgencia que los EE.UU. y la OTAN han dirigido contra el gobierno sirio de Bashar al Assad durante la guerra civil de Siria.
8. La OTAN y el Estado Mayor de Turquía fueron los responsables de la contratación de mercenarios de ISIS y Al Nusrah desde los inicios de la insurgencia siria, en marzo de 2011.
 
 isis09

Según fuentes de inteligencia israelíes, publicadas en la web DEBKA, esta iniciativa ha consistido en:
“Una campaña para reclutar a miles de voluntarios musulmanes en países de Oriente Medio y el mundo musulmán para luchar junto a los rebeldes sirios. El ejército turco aloja a estos voluntarios, los entrena y asegura su entrada en Siria”.

9. Hay miembros de las fuerzas especiales occidentales y agentes de inteligencia occidentales dentro de las filas de ISIS. Miembros de las Fuerzas Especiales Británicas y del MI6 han participado en el entrenamiento de los rebeldes yihadistas en Siria.

10. Especialistas militares occidentales contratados por el Pentágono han entrenado a los terroristas en el uso de armas químicas.
“Los Estados Unidos y algunos aliados europeos están utilizando a contratistas de defensa para entrenar a los rebeldes sirios sobre cómo asegurar los arsenales de armas químicas en Siria, según informó un alto funcionario de Estados Unidos y varios diplomáticos de alto nivel a la CNN”.

isis10

11. Las brutales decapitaciones realizadas por los terroristas de ISIS, forman parte de los programas de entrenamiento patrocinados por la CIA en campos de Arabia Saudita y Qatar y cuyo objetivo es causar pavor y conmoción.
isis11

12. Muchos de los criminales reclutados por ISIS, son presidiarios condenados liberados de las cárceles de Arabia Saudita, país aliado de Occidente. Entre ellos se encuentran ciudadanos Saudíes condenados a muerte que fueron reclutados para unirse a las brigadas terroristas.

13. Israel ha apoyado a las brigadas de ISIS y Al Nusrah de los Altos del Golán, en su lucha contra el gobierno de Al-Assad y las fuerzas chiítas de Hezbollah.
Combatientes yihadistas se han reunido regularmente con oficiales de las Fuerzas de Defensa Israelíes (FDI), así como con el primer ministro Netanyahu.


isis12
Netanyahu con un mercenario de la guerra de Siria, siendo curado en un hospital de Israel
El alto mando de las FDI reconoce tácitamente que: “elementos de la jihad global dentro de Siria, miembros de ISIS y Al Nusrah, son ​​apoyados por Israel”.

14. Los soldados de ISIS dentro de Siria, trabajan a las órdenes de la alianza militar occidental. Su mandato tácito es causar estragos y destrucción en Siria e Irak.
Una prueba de ello, la encontramos en esta foto, en la que el senador estadounidense John McCain se reune con líderes terroristas yihadistas en Siria.
isis13

15. Las milicias de ISIS, que actualmente son el presunto blanco de una campaña de bombardeos de Estados Unidos y de la OTAN bajo el mandato de la “lucha contra el terrorismo”, continúan siendo apoyadas secretamente por Occidente.
Fuerzas chiitas que luchan contra ISIS en Irak, así como miembros del propio ejército iraquí han denunciado repetidamente las ayudas militares suministradas por Estados Unidos a los terroristas de ISIS, mientras a la vez, combatían contra ellos.

isis14

16. Los bombardeos estadounidenses y aliados no están apuntando a ISIS, sino que tienen el objetivo de bombardear la infraestructura económica de Irak y Siria, incluyendo sus fábricas y refinerías de petróleo.

17. El proyecto de ISIS de crear un califato, forma parte de una agenda de política exterior de Estados Unidos, que pretende dividir Irak y Siria en territorios separados: Un califato islamista sunita, una República Árabe chiíta y la República del Kurdistán.

LAS MENTIRAS DE LA GUERRA MUNDIAL CONTRA EL TERRORISMO

18. “La Guerra Global contra el Terrorismo” se presenta de cara a la opinión pública como un “choque de civilizaciones”, una guerra entre los valores y las religiones, cuando en realidad se trata de una guerra de conquista, guiada por objetivos estratégicos y económicos.
isis15

19. Brigadas terroristas de Al-Qaeda, patrocinadas secretamente por las agencias de inteligencia occidentales, se han desplegado ya en Malí, Níger, Nigeria, la República Centroafricana, Somalia y Yemen para llevar el caos a esos países y justificar una intervención militar occidental.

20. Boko Haram en Nigeria, Al Shabab en Somalia, el Grupo de Combate Islámico de Libia, (apoyado por la OTAN en 2011), Al Qaeda en el Magreb Islámico y Jemaah Islamiya en Indonesia, entre otros, son grupos afiliados a al-Qaeda que son secretamente apoyados por la inteligencia occidental.

isis16

21. Estados Unidos también está apoyando a organizaciones terroristas afiliadas con Al-Qaeda en la región autónoma Uigur de China. Su objetivo es desencadenar la inestabilidad política en el oeste de China.

isis17

22. La amenaza terrorista local, como la que hemos visto en EEUU o Europa, es una fabricación promovida por los gobiernos occidentales y apoyada por los medios de comunicación con el fin de crear una atmósfera de miedo e intimidación, que lleve a una anulación de las libertades civiles y favorezca la instalación de un estado policial.
 
A su vez, los arrestos, juicios y condenas de “terroristas islámicos” sirven para sustentar la legitimidad del Estado de Seguridad Interna de Estados Unidos y la creciente militarización de sus fuerzas de seguridad.

isis18

El objetivo final es inculcar en la mente de millones de estadounidenses que el enemigo es real y que la Administración de los Estados Unidos protegerá la vida de sus ciudadanos.
Lo mismo podemos decir de países como Francia, Reino Unido o Australia.

isis19

23. La campaña “antiterrorista” contra el Estado islámico ha contribuido a la demonización de los musulmanes, que a ojos de la opinión pública occidental se asocian cada vez más con los yihadistas, sentando así las bases para un choque de religiones y civilizaciones.

24. Cualquiera que se atreva a cuestionar la validez de la “Guerra Global contra el Terrorismo” es calificado de terrorista y se ve sometido a las leyes anti-terroristas.
Se establece con ello, un primer instrumento para perseguir a cualquier tipo de disidente ideológico, asociándolo con el terrorismo.

Esta herramienta, podrá ser extendida posteriormente a cualquier otro tipo de disidencia ideológica.
Como vemos, la administración Obama ha impuesto finalmente un consenso diabólico, con el apoyo de sus aliados y el papel cómplice del Consejo de Seguridad de las Naciones Unidas.
La prensa occidental ha abrazado ese consenso de forma obediente y entusiasta; se ha descrito el Estado Islámico como una entidad independiente, surgida de la nada, un enemigo exterior que amenaza los valores “pacíficos y democráticos” del mundo occidental.

Se ha creado un enemigo que puede aparecer y actuar en cualquier momento, como un fantasma con el que asustar a la población cuando más convenga y empujarla a aceptar cualquier tipo de política represiva de las libertades y cualquier tipo de acción militarista al servicio de los grandes poderes occidentales.

Y por lo visto, este drama, no ha hecho más que empezar…

Fuente: Global Research
Traducción, actualización y fotos por El Robot Pescador

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Falece um querido sindicalista bbancário classista, o nosso Paquetá

As bandeiras vermelhas estão a meio mastro, uma taça de vinho exige o momento... partiu um bom camarada, um bom militante, um bancário do BB e sindicalista, um militante respeitado e querido da CTB. Perdemos um querido amigo. Piqueteirozinho de greve fino, relata o Alvarenga. Tão querido, a conversa incrível, um vinho, uma cerveja amiga. E Paquetá uivava para a lua.


Fará muita falta.

PV

 

Camarada Paquetá. Presente!


Faleceu nesta quinta feira, 05 de novembro de 2015, o companheiro bancário Paquetá.
José Proença Duarte, 60 anos, conhecido como Paquetá, morador da ilha do mesmo nome, torcedor apaixonado do América, foi militante do PCB e nos anos 90 se filiou ao PCdoB. Militou na Corrente Sindical Classista (CSC) e participou da fundação da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil).

Funcionário do Banco do Brasil há 35 anos, formou-se em História pela UFF onde fez parte da resistência à ditadura militar. Participou nos seus mais de 30 anos como trabalhador bancário de todas as campanhas salariais e lutas sindicais no Rio de Janeiro e nos outros locais onde esteve lotado, como nas agências de Imperatriz (MA), Rio Grande (RS) e Manaus (AM). Como diretor do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro desde 1997, ocupou a Diretoria de Políticas Sociais e a Secretaria Geral da entidade.

Militante abnegado, defensor ferrenho do socialismo, polêmico, pai orgulhoso do Pedro, participou ativamente da sua última batalha sindical, que foi a greve nacional dos bancários no mês de outubro deste ano.

Paquetá deixa uma lacuna difícil de ser preenchida no cotidiano das centenas de amigos que fez pelo país, de todas correntes de pensamento.

A CTB-Bancários, consternada, presta solidariedade aos amigos e familiares na despedida desse lutador, amigo e camarada.

Camarada Paquetá, presente!