segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Evo Morales: “Querem nos esquartejar politicamente" - Portal Vermelho

Evo Morales: “Querem nos esquartejar politicamente" - Portal Vermelho





O presidente da Bolívia, Evo Morales, manteve neste sábado (1º) a linha de indicar interesses políticos por trás da marcha popular iniciada há um mês e meio contra a construção da uma estrada no leste do país.
Morales resolveu se reunir com grupos de manifestantes favoráveis à obra no momento em que os contrários retomavam a caminhada em direção ao Palácio Quemado, em La Paz. Para o presidente, os argumentos utilizados pelos contrários ao projeto, tocado pela construtora brasileira OAS com financiamento do BNDES, se valem de uma visão conectada ao capitalismo dos Estados Unidos.

“A verdade é que esquartejaram fisicamente Tupac Katari. E a nós querem esquartejar politicamente utilizando os meios de comunicação”, acusou, em referência ao líder inca que comandou uma rebelião contra o domínio colonial espanhol no século 18.

Ele lembrou ainda os episódios de agosto e setembro de 2008 quando, após sua vitória em um referendo revogatório de mandato, houve grande instabilidade no país por conta da oposição comandada a partir do oriente. “Os opositores tratam novamente de utilizar os meios de comunicação para confundir o povo sobre o processo de mudança”.

O debate sobre a rodovia que corta o Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis) ganhou ainda mais força desde o domingo (25) passado, quando forças policiais reprimiram a marcha popular que há 45 dias deixou o parque.

Morales esclareceu que não saiu de seu gabinete ou de algum ministério a ordem para a repressão. “Como posso instruir a que maltratem meus irmãos indígenas”, reforçou neste sábado.

Além disso, ele e o vice-presidente, Álvaro García Linera, declararam total compromisso com a apuração dos fatos, primeiro convocando ministros a depor perante a Assembleia Nacional Constituinte e, depois, montando uma comissão investigativa com a presença de representantes da ONU, da Organização dos Estados Americanos e da Unasul.

Neste sábado, Morales manteve o tom de desmerecer as críticas, asseverando que o debate não está se dando entre ecologistas e desenvolvimentistas, mas entre o governo e gente interessada em desestabilizá-lo.

“Nestes dias são os ‘tipnólogos' que falam, e falam, e não conhecem a realidade da região”, acusou, em ironia ao nome do parque, Tipnis. “O que está em debate na construção da rodovia entre Villa Tunari e San Ignacio de Moxos é resolver a pobreza e o abandono dos irmãos indígenas que vivem nos parques nacionais.”

Diante dos protestos, Morales decidiu submeter a construção da estrada a um plebiscito nos departamentos (o equivalente a estados) afetados, mas os manifestantes querem que se assine de imediato o fim das obras.

"Reiniciamos a marcha e nossa intenção não é a de enfrentarmos ninguém. O que o governo deve fazer em vez de acusar os indígenas é resolver de uma vez este problema da estrada", disse à mídia local Adolfo Chávez, presidente da Central Indígena do Oriente Boliviano e ex-aliado de Morales.

Com Rede Brasil Atual

Veja também:

Telesur: Presidente Morales reitera voluntad de diálogo