domingo, 23 de outubro de 2011

90 anos não são 90 dias - Portal Vermelho - Fernando Borgonovi

90 anos não são 90 dias - Fernando Borgonovi - Portal Vermelho

Fernando Borgonovi *

O linchamento político em curso contra o camarada Orlando Silva, ministro do Esporte, indignou a todos nós, militantes comunistas. Em meio à tormenta e à resistência, um aspecto foi, ao meu ver, pouco explorado e nele reside uma diferença comparativa favorável ao PCdoB dentre a seara partidária nacional. Essa "diferença" tem nome, sobrenome, CPF e crediário nas Casas
Bahia: é a militância.

Digo isso, correndo o risco de parecer óbvio, porque julgo um feito raro o que realizamos nos últimos dias. A postura "natural" diante de uma capa de Veja, somada a um Jornal Nacional, arrematados por 13 minutos de Fantástico, seria a prostração, o recolhimento.

Ocorre que com o PCdoB foi diferente. Desde sábado, foi um final de semana de mobilizações. Ninguém recuou, ninguém cedeu, ninguém ficou magoadinho. Alimentada pela reação firme, de bate-pronto, de nosso ministro e de nosso presidente Renato Rabelo, a infantaria avançou para não recuar.

Já na noite de domingo a militância comunista mostrou que não aceitaria passivamente o enchovalhamento de um destacado dirigente e do Partido que tantos deram a vida para trazer onde está hoje. Pelo twitter, ferramenta que pegou especialmente para a política, os comunistas - por iniciativa pioneira da aguerrida UJS - deram a cara a bater com a campanha #souorlandosoubrasil.

Em poucas horas, o movimento escalou o Aconcágua: foi a segundo lugar no top trend no Brasil. Alguém poderá querer limitar o valor da iniciativa por envolver a internet, mas estará enganado. Ter a presença de espírito para tomar a ofensiva em tema tão intrincado e de tamanha repercussão negativa entre os brasileiros é, para dizer o mínimo, um ato de coragem e desprendimento.

Mas a conquista do Everest ainda estava por vir. Entre a noite de domingo e a tarde de terça-feira, a hashtag #souorlandosoubrasil computou inacreditáveis 11 milhões de postagens. Atingiu a expressiva marca de mais de 142 mil adesões individuais. Virou notícia em grandes portais e, por fim, fez com que o Twitter censurasse a iniciativa, seguramente por algum motivo
comercial ferido.

A grande repercussão conseguiu furar, ainda que parcialmente, o bloqueio da grande mídia à versão antagônica, à contestação. Mostrou que há, sim, espaço para impingir derrotas nesses conglomerados irresponsáveis que ousam definir, numa reunião de pauta em sala refrigerada, quais serão as próximas cabeças a rolar das guilhotinas, as reputações a serem maculadas.

Um Partido com história e que não se deixa abater

Por fim, a mobilização foi um verdadeiro chacoalhão moral. Sim, porque às vezes, no boteco da esquina, na barbearia ou na fila do mercado, podemos esmorecer, nesta aridez desértica que é a luta contra o pensamento hegemônico.

Não se pode prever como será o desfecho da crise iniciada pelas calúnias contra o ministro e nosso Partido. Mas, de todo modo, a militância comunista já deu prova notável do que é o PCdoB nos dias de hoje. Um partido moderno, renovado, que busca ampliar sua influência em todas as áreas, utilizando todas as formas de luta, que prefere não se acomodar ao fácil destino de virar seita e nem teme os desafios do presente.

Um Partido que é comunista e, portanto, é de classe e é de militância. Que se orgulha de seus líderes de hoje, que honra a memória de seus líderes e herois pretéritos. Um Partido que esteve em cada lance, em cada luta travada pela grandeza do Brasil e de seu povo desde o início do século passado. Que sangrou em defesa da liberdade e da democracia e, por isso mesmo, não se curvará nem por um instante à sanha dos que desejam negá-las, através da calúnia e do linchamento político e moral.

Um Partido que tem acertos e erros, porque tem uma linda e viva história de 90 anos. E 90 anos, cá entre nós, não são 90 dias.


* Secretário de Comunicação do PCdoB-SP