sábado, 31 de janeiro de 2015

Renato Rabelo conclama unidade pelo desenvolvimento do Brasil  - Portal Vermelho

Renato Rabelo conclama unidade pelo desenvolvimento do Brasil  - Portal Vermelho

Com
o objetivo de refletir sobre a configuração social e política do Brasil
nos últimos anos e buscar pistas para entender a contradição por trás
da dicotomia avanço/atraso, teve início na noite desta sexta-feira (30),
na sede do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o 3º
Seminário de Estudos Avançados.




Foto: Cezar Xavier
“A grande questão, hoje, é por onde alavancar esse crescimento. Um dos caminhos é a modernização do setor logístico do país, já fomentado pela presidenta Dilma”, afirmou Renato Rabelo. 
“A grande questão, hoje, é
por onde alavancar esse crescimento. Um dos caminhos é a modernização do
setor logístico do país, já fomentado pela presidenta Dilma”, afirmou
Renato Rabelo. 



A atividade, que é organizada pela Secretaria Nacional de Formação
e Propaganda, através da Escola Nacional de Formação João Amazonas e da
Fundação Maurício Grabois, foi aberta pela conferência “Significado e
alcance da quarta vitória do povo brasileiro e os desafios do
desenvolvimento”, conduzida pelo presidente Nacional do PCdoB, Renato
Rabelo. O evento que reúne cerca de 90 quadros e lideranças do Partido,
vindos de 20 estados brasileiros, tem como objetivo realizar um
movimento de análise da realidade concreta para, assim, cimentar o
entendimento dos desafios de um novo ciclo de desenvolvimento social.



Ao longo de mais de duas horas, Renato Rabelo apresentou um raio x da
conjuntura nacional, indicando a importância do significado e alcance da
quarta vitória do povo brasileiro, com a recondução da presidenta Dilma
Rousseff à presidência, e os desafios da luta pelo projeto nacional de
desenvolvimento.



Luta política




Renato Rabelo alertou para a acirrada disputa política em curso e
destacou que para entender o governo é preciso levar em conta o contexto
social, politico e econômico, ou seja, as condições objetivas, que
atravessamos. “Temos que compreender as condições para, assim, entender a
complexidade, a agudez dos desafios que estão postos”, salientou ele.





O presidente do PCdoB lembrou que um dos principais desafios para 2015 e
a retomada do desenvolvimento, alinhado a um movimento que frei o
avanço da desigualdade, a concentração da riqueza, endividamento publico
e das famílias. E pontuou que, na atual conjuntura, somente a esfera
financeira deita em berço esplêndido. “Ônus ficou para os trabalhadores e
trabalhadoras, não só do Brasil, mas de todo o mundo, e para a maioria
da economias nacionais”.



Ele lembra que o sistema mundial vive um impasse, chamado por alguns de
“síndrome crônica de déficit de demanda”. Tais reflexos chegaram ao
Brasil e sentimos como resultado desse impasse grande estagnação, queda
dos preços das commodities, por exemplo. Esse cenário, indica Rabelo,
quando associado às dificuldades estruturais internas, às oscilações
climáticas, ao baixo crescimento, ao limite da meta, ao déficit em conta
corrente, sem falar no avanço das forças de direita e o papel do
consórcio oposicionista, determinam difíceis condições para o país
avançar.



O líder comunista ressaltou que as eleições presidenciais evidenciaram
uma aguda disputa política ideológica, que resultou em um cenário com
distintas correlações de forças, tendo como resultado a estruturação de
um Congresso ainda mais conservador. “Diante desse cenário, o governo
tendeu para uma manobra que nos leva a uma flexão na orientação
econômica e na formação do governo”, ponderou. E completou: “O quadro
atual deixa claro que o momento é de reforço da unidade, pois nossa luta
é contra a oposição conservadora”.



Retomada do crescimento



“A retomada do crescimento de forma progressiva e continuada é
fundamental para o avanço nas mudanças”, reafirmou o presidente do
PCdoB. Ele lembra que o Brasil possui um grande potencial para o seu
crescimento, seja por ser um grande mercado, seja pela sua atratividade
como território global para os investimentos [atualmente o Brasil ocupa o
5º lugar no ranking de preferencia para investimentos estrangeiros].



Foto: Cezar Xavier






“A grande questão, hoje, é por onde alavancar esse crescimento. Um dos
caminhos é a modernização do setor logístico do país, já fomentado pela
presidenta Dilma”, afirmou Renato Rabelo, ao comentar que o governo
Dilma tem como projeção investir nesse setor recursos da ordem de R$ 1
trilhão de reais.



Ao falar sobre o ajuste fiscal, Renato Rabelo alertou que é preciso
parcimônia, pois esse debate exige uma reflexão ampla tanto no interior
da sociedade civil como no Congresso Nacional. “O PCdoB defende um
ajuste que garanta o estimulo à produção e consumo, aumento da
capacidade do investimento público, que assegure as conquistas sociais e
trabalhistas. Para tanto, um caminho justo é a tributação das grandes
fortunas”.



Ele lembra que na proposta do governo o que está colocado é um ajuste
gradativo, sem comprometer o emprego e a renda. “Avaliamos que uma linha
contracionista é nociva para o próprio desenvolvimento da economia
nacional nesse momento”, avisou Renato.



Contribuição do PCdoB



Na oportunidade, o presidente nacional do PCdoB citou a proposta enviada
à presidenta Dilma que apresenta soluções para a retomada do
crescimento do país. Ele ainda fez duras críticas para o que chamou de
tripé nocivo da economia – superávit primário, taxa de juros e câmbio -,
que da forma que está só desequilibra e prejudica o crescimento do
país.



E destacou que “para se alcançar os objetivos estratégicos necessários
para que o Brasil siga firme nas mudanças, é preciso delinear e executar
um novo projeto nacional de desenvolvimento que dê conta das condições
históricas atuais”.



Renato Rabelo ainda lembrou que os comunistas não devem perder de vista
que, ao mesmo tempo em que travamos a luta para consolidar uma nova
forma de governar, o mundo assiste a uma violenta reestruturação geral
do pensamento neoliberal, que se intensifica com a crise sistêmica e
estrutural do capitalismo.



Centralidade das forças sociais



Diante do exposto, Renato voltou a falar da centralidade de se reunir
forças maiores para garantir o lastro de uma frente que possibilite ao
Brasil seguir no caminho do desenvolvimento sem perder de vista os
direitos sociais e dos trabalhadores. “Constatamos que a sociedade está
ansiosa para garantir avanços, ela almeja, justamente, maiores
conquistas. A condição para isso é a retomada do desenvolvimento”.



Todavia, o dirigente nacional alertou que há, efetivamente, uma
convergência tácita para fragmentar os setores que lutam pelo avanço de
um país justo e que valorize o trabalhador. Desse modo, afirmou ele, “a
resposta à disputa de hegemonia política e cultural no sentido mais
avançado não terá êxito com uma esquerda fragmentada e atomizada. Pelo
contrário, só com a junção de forças, com a definição de uma plataforma
comum e atual, é que teremos munição para uma ação ampla e robusta, que
se converterá em uma reposta candente às exigências atuais, necessárias
para o avanço transformador da atualidade”.



E completou: “Não devemos perder de vista a atualidade e vivacidade que
possui o programa do Partido. Entender a sua aplicação aos desafios da
atualidade, com foco na realização e execução do Novo Projeto Nacional
de Desenvolvimento (NPND), com vistas a implantar uma transição ao
socialismo, torna-se fundamental diante da atual conjuntura”.



Assim, orientou o líder comunista, urge a elaboração de um esboço da
situação e papel do movimento de esquerda e comunista no Brasil e no
mundo. “Precisamos olhar para caldo produzido no 13 º Congresso do
Partido, para assim entender os impactos dos resultados das eleições de
2014”.



Por fim, ele ponderou que “vivemos em um período de grande dispersão e
confusão, dessa forma, fortalecer a identidade do partido e o seu
projeto é fundamental para garantir o enfrentamento às forças
conservadoras. Nós devemos tomar nas mãos é o PCdoB hoje, ter ciência
dos seus desafios, está preparado para essa nova realidade”.



Joanne Mota

Da Redação do Vermelho