segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Somos todos Baga? Ataque mata duas mil pessoas na Nigéria - Portal Vermelho

Somos todos Baga? Ataque mata duas mil pessoas na Nigéria - Portal Vermelho

Enquanto
todos os olhos se voltam comovidos para a França por conta dos ataques
de radicais islâmicos, na Nigéria, segundo aponta a Anistia
Internacional, o ataque ocorrido na quinta-feira (8), pelo grupo Boko
Haram matou duas mil pessoas, principalmente mulheres e crianças, na
cidade de Baga e centenas de corpos continuam espalhados.





O grupos radical islâmico Boko Haram tem cometido uma série de atentados na Nigéria
O grupos radical islâmico Boko Haram tem cometido uma série de atentados na Nigéria


De acordo com fontes da Anisitia, o ataque foi o mais letal da
história do grupo, O Porta-voz do governo nigeriano, Mike Omeri, afirmou
que os atiradores têm como objetivo recuperar o controle de Baga, na
fronteira com o Chade, onde os insurgentes tomaram uma base militar no
dia 3 de janeiro e atacaram novamente na quarta-feira (7).



"As forças de segurança têm respondido rapidamente e utilizado recursos
significativos, além de realizar ataques aéreos contra os militantes",
afirmou Omeri em um comunicado.



De acordo com o chefe do distrito, Baba Abba Hassan, a maioria das
vítimas são crianças, mulheres e idosos que não conseguiram fugir quando
os insurgentes invadiram Baga, disparando granadas e fuzilando os
habitantes.



"A carnificina humana perpetrada pelos terroristas do Boko Haram em Baga
foi enorme", disse à agência Associated Press, Muhammad Abba Gava, que é
porta-voz de um grupo de civis que luta contra a Boko Haram. "Ninguém
conseguiu prestar assistência aos corpos, e até mesmo os gravemente
feridos já devem ter morrido agora", acrescentou.



Antes do ataque desta semana, o dia mais sangrento aconteceu em 14 de
março do ano passado em Maiduguri, onde soldados atiraram em
prisioneiros desarmados num ataque ao quartel militar da cidade.



As ações do grupos radicais já dura cinco anos e matou mais de 10 mil
pessoas apenas em 2014. Mais de um milhão de pessoas estão deslocadas,
dentro da Nigéria, e centenas de milhares fugiram pelas fronteiras com
Chade e Camarões.



Da redação

Com informações de agências