segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Charlie Hebdo e a manipulação imperialista. Paulo Vinícius Silva

Por três vezes mataram a equipe do Charlie. De três modos sofrem os muçulmanos no mundo de hoje.

A primeira morte na barbárie que significa matar um jornalista/chargista/funcionário/policial com vistas a calar-lhes e também de potencializar o ódio. No fim das contas, os assassinos agiram para armar o imperialismo, a despeito de sua retórica e do sentido aparente de sua infames ações. A sinergia dos objetivos de fundamentalistas e dos imperialistas em favor da guerra é gritante. O terrorismo fundamentalista tem sido instrumento mais que eficaz para propagar a guerra que interessa, permanentemente, ao imperialismo.


A falta de caráter da extrema direita, da direita e da imprensa monopolista não tem limites. Não acreditei quando vi Netanyahu - troféu Herodes 2014, carrasco de Gaza, que matou centenas de crianças - posando lépido e fagueiro na multitudinária manifestação parisiense contra o terrorismo, a paz, ou dizendo Je Suis Charlie. Mataram, assim, pela segunda vez os jornalistas, chargistas e funcionários do CharlieHebdo. Alguns dos quais inclusive trabalharam em L´Humanité, eram gente de esquerda, que jamais apoiariam qualquer sentimento xenofóbico, racista, sionista e de direita. Gente que jamais jogaria água no moinho da intolerância. Assim, há que diferenciar na aparente unanimidade da marcha os interesses antagônicos da maioria do povo, dos interesses do imperialismo, francês inclusive. Não é à toa que vemos a defesa dos valores da República, da democracia, como a posição consequente presente ao protesto.

A terceira vez que os mataram foi a maneira como a imprensa monopolista discrimina as pessoas, e dessa vez, usando seu nome. Como as vidas de uns e de outros, segundo o país, valem tudo ou nada. Quantas vidas palestinas valem a de um Israelense? Quantas vidas nigerianas vale uma francesa? A pergunta infame não é minha, infame é a cobertura da imprensa, seletiva, todo dia. Afinal, e o Iraque? E o Afeganistão? E a Palestina, cujas crianças gazenses que sobreviveram passam o frio invernal em meio a escombros? E a Nigéria, em que 2000 (sim, DUAS MIL!) pessoas, a maioria crianças e mulheres!? É difícil ignorar o silêncio da imprensa ante a morte de inocentes em tantas partes do mundo, e que morreram exatamente pela política dos mandatários da Europa e Estados Unidos que colocou o mundo nessa situação triste e perigosa. Graças à vitória do povo em 2002, o Presidente Lula desde o princípio denunciou a guerra imperialista contra árabes e muçulmanos.

Como vemos, humor é coisa seriíssima, em especial diante das consequências trágicas da "guerra ao terror" desatada por Bushinho. Irônica ou tragicamente, por isso estão mais próximos os povos que professam o Islã das vítimas francesas, pois nada tem a ver com os mandatários hipócritas e a imprensa monopolista que promovem a guerra. Pelo contrário, os últimos eram alvo permanente das ironias e críticas dos profissionais do Charlie.

Os muçulmanos sofrem também triplamente. Massacrados pela política imperialista de Estados Unidos, França e União Europeia, cuja "guerra ao terror" só desatou mais e mais terror. Confrontados com os fundamentalistas, cuja ação os atinge mais que a qualquer país ocidental, cobrando inúmeras vidas. E, por fim, padecem ante o inclemente preconceito que coloca o Islã como um todo, e os árabes, como vinculados ao imaginário "terrorista" promovido pela imprensa monopolista a serviço do imperialismo.

A capa do CharlieHebdo, retratando o Profeta Mohammed (Maomé) a chorar, e a dizer, "Tudo está perdoado", é o tapa de luva de pelica, a melhor resposta. Tão ácidos, resgataram a palavra que mais fortemente deveria marcar o judaísmo, cristianismo e islamismo, assim como todo agnóstico e ateu consequente, humanista. A misericórdia, o perdão, a fraternidade deveriam lhes falar mais alto.

Charlie, que primava pela dissidência e pelo humor ácido e sem travas, em seu maior número diz-nos o que necessitamos ouvir, sem poder rir, e lindamente: não em nosso nome, imperialistas; não em nosso nome, racistas; não em nosso nome, direitistas; não em nosso nome, sionistas; não em nosso nome, fundamentalistas. O mundo não precisa do reforço da Guerra, nem da militarização.

A PAZ, esta sim segue como a bandeira revolucionária e anti-imperialista.

P.S.: O Governo Nigeriano, através de seu Diretor de Informação do Ministério da Defesa, Maj. Gen. Chris Olukolade,questionou a informação de haveria 2000 mortos no ataque do Boko Haram em Baga, Nigéria, alegando que 150 pessoas teriam morrido. A comprovar. Mantenho o argumento. (12/01/2014 às 23h43)