segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Grécia recomeça com a Ley de Medios - Conversa Afiada

O novo Governo grego do partido de esquerda Syriza se elegeu com os compromissos do “programa de Salônica”, lançado na cidade de Salônica em setembro passado.

É uma “Carta aos Brasileiros” do Lula, de 2002.

O líder Alexei Tsipras se comprometeu a repudiar os termos dos acordos da Grécia com os bancos – especialmente alemães: “a austeridade ficou pra trás”, disse ele ao comemorar a vitória.

A dívida grega equivale a 174% do PIB.

A tentativa de pagar a dívida provocou desemprego em massa.

Entre jovens ultrapassa 50% – assim como na Espanha, onde um Governo também conservador aplica um programa do gênero Joaquim Levy e corre o risco de perder a próxima eleição para um partido jovem, de esquerda, o Podemos.

O programa de Salônica prevê:

- um Luz para Todos, especialmente nas casas que não tem como pagar pelo aquecimento no inverno;

- construção de moradias para os sem teto;

- aumentar o salário mínimo;

- reduzir o imposto dos pobres e da classe média;

- subsidiar a compra de comida e o transporte;

- ampliação do alcance da Saúde Pública.

E um capítulo muito interessante, que deveria merecer a atenção do Ministro Berzoini:

- refundar o sistema publico de televisão e audio-visual que foi canibalizado pelos neolibelês que o antecederam.

“Para promover a defesa do pluralismo e da qualidade, o serviço aos cidadãos, e ao espírito de equidade e probidade, sob a experiência do jornalismo militante dos últimos anos.”

As empresas privadas de telecomunicação – as Globo de lá – serão submetidas à lei (porque lá como aqui, a Globo não cumpre a Constituição, a de 1988). Da mesma forma, as concessões, as mudanças de controle acionário e a fiscalização seguirão a lei do pais !

Que horror !

4c. Nous allons retracer la carte des médias d’information en Grèce.

Nous allons refonder l’audiovisuel public grec – sous le label ERT supprimé par le gouvernement actuel et qui sera rétabli – en défendant le pluralisme et la qualité, le service des citoyens, l’esprit d’équité et de probité, en nous inspirant des expériences du journalisme militant des dernières années. Nous renforcerons aussi  les médias d’information locaux.

En ce qui concerne les médias d’information privés ils seront soumis aux obligations prévues par la loi auxquelles ils ont longtemps échappé grâce aux passe-droits accordés. Il en sera ainsi des licences, des cotisations sociales, de la fiscalité.
Navalha
O Brasil vai precisar quebrar, a juventude vai ter que se submeter a um desemprego de 50% para o Governo trabalhista fazer uma Ley de Medios.
Viva o Brasil !

Paulo Henrique Amorim