terça-feira, 11 de setembro de 2012

No Segundo Turno da UnB, com Ivan Camargoe Sônia Báo, Somos UnB - Votem 86 - Paulo Vinícius Santos da Silva*

A eleição da reitoria da UnB foi por demais adjetiva. Urge substantivá-la, retomar projetos, e esperanças. Por isso é importante uma liderança que una a UnB. Infelizmente a candidata da situação pouco contribuiu para o debate de conteúdo. Não é à toa. Representa projetos pela metade, propostas não cumpridas e requentadas– como a estatuinte. Com esse passivo privilegiou mistificações para impedir a análise do seu atual mandato e de sua candidatura, de situação.

O situacionismo agressivo moveu duros ataques, abertos e velados, a acadêmicos ilustres, personalidades da ciência, ou mesmo a servidores e estudantes, como se isso fosse razoável entre colegas de universidade. Carimbaram-se clandestinamente (:-0) cartazes, para com esse deplorável ato mudar o foco do debate da eleição de Reitor. Queriam discutir qualquer coisa, exceto o descalabro administrativo, a baixa auto-estima, a queda dos indicadores.

Pretendem, ademais, o monopólio da esquerda, de sua narrativa, como se ser de esquerda fosse calar ante a incapacidade de gestão, o aparelhismo e as truculências vistas no primeiro turno. Mas, se não falam por toda a esquerda, bem poderiam assumir a sua parte na atual administração.

Por isso, o compromisso de Ivan Camargo com a paridade e as seis horas, fecha um ciclo na eleição para a UnB, pois tira o último véu que era usado para esconder o debate de conteúdo na eleição de reitor. A UnB decide hoje e amanhã se quer continuar como está ou quer mudança.

A UnB tem opção à situação atual, que já conhecemos. É possível retomar o caminho da excelência e da pacificação interna. Mas, como a candidatura mais agressiva da gestão que nos trouxe a esse patamar poderia unir a UnB, ou oferecer mais do que já fez até agora?

Não podemos aceitar impassíveis a decadência física da universidade, a falta de coesão interna, a incapacidade de gestão, os retrocessos da autonomia financeira. Não é aceitável a queda sucessiva nos indicadores da UnB. O que foi feito com a maior oportunidade de expansão que a UnB teve, o REUNI? Aprovamos essa maneira de conduzir a nossa Universidade? Esse é o debate.Não há mistificação ou fuga que impeça a comunidade de mudar isso.

Ivan Camargo foi ex-decano do Professor Lauro Mohry, e merecem ambos muitíssimo respeito. Venceu no 1º turno, com maioria de estudantes e professores. A eleição paritária angariou apoios. Ivan, apesar da pouca experiência política, demonstra uma capacidade cara a um reitor: estabelecer compromissos, construir pontes. Assim agiu ao assumir o empoderamento dos servidores(as), ao valorizar a prata da casa e declarar que não mudará a paridade em seu mandato.

Não é à toa que Volnei Garrafa e Bermúdez apoiam Ivan e Sônia – 86, que fazem pontes. A candidata da situação, ao contrário, ataca, até com o que não são ataques, como ilustrou o segundo debate. Ela lançou sobre Ivan a pecha de partidarismo por ele ter o apoio de comunistas, como o professor Volnei Garrafa. A verdade é que adorei a carta, pois faz desmoronar o discurso que negava a Ivan apoios na esquerda –se tem até dos comunistas! -, ou interlocução política. Na verdade, a chapa tem pluralidade, articulação e é boa de serviço.

Por tudo isso, votarei em Ivan e Sônia Báo – 86, afinal:
  • Firmam o compromisso de exercer a paridade e dela não retroceder.
  • Apoiam a jornada de seis horas para os servidores e seu empoderamento na gestão;
  • Sua excelência acadêmica aponta para a retomada da posição da UnB;
  • Tem os melhores nomes e a melhor política de gestão para recuperar a autonomia e a capacidade de financiamento público da UnB;
  • Desde a campanha, mostram uma relação para republicana com a universidade. Em vez de de ataques, ações anônimas e agressivas, focam em propostas.

Esse é o debate, e eu quero mudar. Pode-se fazer melhor e com democracia, sem maniqueísmos que negam a própria universidade. A UnB é maior que isso. A UnB somos nós. 

* Estudante do Mestrado da UnB - ICS - CEPPAC