quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Madalena Guasco comenta Congresso da CONTEE, Educação e desfiliação da CUT - Portal CTB

Madalena Guasco: "Somente com a valorização dos profissionais alcançaremos uma educação de qualidade"


madalena guascoDurante os dias 31 de agosto, 01 e 02 de setembro professores e professoras de todas as regiões do país estiveram reunidos em São Paulo, para participar de um dos eventos mais representativos da categoria: o 8º Congresso da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee).
Foram três dias de debates que culminaram com reeleição de Madalena Guasco no comando da entidade e a desfiliação da Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Doutora em História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997), Madalena Guasco vai para sua quarta gestão à frente da Contee. Em entrevista ao Portal CTB a professora destaca as principais lutas da entidade para a próxima gestão e faz um balanço do Congresso que culminou com sua eleição e a desfiliação da CUT.
O que representou para você a vitória nas urnas da Chapa Ação Classista?
Representou o coroamento de um trabalho de crescimento da nossa força na Confederação e também de reconhecimento do papel que a confederação  foi adquirindo no cenário nacional e internacional. A Contee esteve presente como protagonista em todas as batalhas no âmbito da educação, de defesa de um projeto soberano e democrático para o país e em todas as lutas de interesse dos trabalhadores no geral e dos trabalhadores em educação em particular.
Esse foi o reconhecimento da categoria ao trabalho realizado na última gestão?
Na Contee a composição da nova direção se dá por proporcionalidade qualitativa, assim todas as chapas compõem a direção, de maneira proporcional ao que conseguiram nas urnas.
A nossa chapa foi a mais votada porque tínhamos 48 % dos delegados, assim além do reconhecimento do trabalho, a vitória é fruto do esforço coletivo dos sindicatos e federações da CTB filiados à Contee.   
Você já está em sua 4ª gestão. Quais conquistas você pode destacar nesses últimos anos para os docentes?
A Contee destacou-se no último período como protagonista nos principais debates educacionais e sindicais do País. Podemos enfatizar a atuação destacada da Confederação e de nossas entidades filiadas na organização das etapas municipais, estaduais e nacional da Conferência Nacional de Educação (CONAE) – realizada em 2010 –, bem como no acompanhamento criterioso e dedicado da tramitação do Projeto de Lei 8035/2010, que cria o novo Plano Nacional de Educação (PNE).
Promovemos também encontros e atividades relacionadas à questão educacional e sindical e participamos de atividades internacionais – consolidando o papel da CONTEE nas lutas mundiais dos trabalhadores, em especial da educação, e levando ao conhecimento da comunidade internacional as bandeiras dos trabalhadores em estabelecimento de ensino brasileiros – com destaque para o combate à mercantilização da educação.
No último período, a Contee passou ainda a compor o Fórum Nacional de Educação (FNE) e prosseguiu atuando em instâncias de formulação de políticas públicas como a CONAES (Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior) e CONAP (Comissão Nacional de Acompanhamento e Controle Social do Programa Universidade para Todos).
Nesta gestão que se inicia quais serão as principais bandeiras de luta?
A regulamentação da educação privada, a luta contra a desnacionalização da educação superior brasileira, Por um PNE avançado e com 10% do PIB para a educação. A luta pela manutenção da unicidade sindical na base e pela manutenção dos direitos dos trabalhadores, conquistados na legislação. A CONTEE defende que a luta contra a crise tem que preservar os direitos dos trabalhadores e avançar para conquistas como a estabilidade dos dirigentes sindicais, a proibição da demissão imotivada e que o desenvolvimento  do país somente se dá com avanços nos direitos dos trabalhadores.
Por uma II Conferência Nacional de educação que avance na elaboração de uma legislação que regulamente a educação provada e crie o sistema nacional de educação e que a Conferencia de fato se torne referencia para a elaboração de políticas publicas de educação.
E os principais desafios dessa nova fase?
A continuidade da luta pela regulamentação do setor privado de ensino e pela defesa da educação pública, de qualidade, democrática segue como desafio para a nova direção, bem como a luta pela gestão democrática nas instituições de ensino; a valorização da carreira docente; e o veto ao ingresso do capital internacional no setor educacional do País.
Como você disse, os professores brasileiros sofrem com um quadro de desvalorização profissional. Como esse cenário pode ser revertido?
A Contee representa os trabalhadores em educação tanto os docentes como os técnicos administrativos. A Contee e as outras entidades de educação lutam para que este quadro seja revertido. Este quadro é fruto da implementação de uma política anti-democrática que entende o nosso pais como ator de segunda no panorama internacional.
A Educação tem que ser entendida como prioridade, porque somente uma educação de qualidade é capaz de colocar o nosso país como protagonista de seu próprio destino rumo ao seu desenvolvimento solido. Somente com a valorização dos profissionais de educação é que alcançaremos uma educação de qualidade.   
Sobre a desfiliação da CUT... O que levou a categoria a optar o pela desfiliação?
A maioria dos sindicatos e federações filiados a Contee são filiados à CTB. Mas na Confederação atuam também  sindicatos filiados à outras centrais sindicais como CUT, CGTB, Força Sindical e  Conlutas. Desse modo, manter a filiação à CUT, além de artificial, seria prejudicial para a manutenção da unidade dos trabalhadores.
A desfiliação da CUT e a não filiação à outra central sindical, não representa em hipótese nenhuma que a entidade não participará ativamente do movimento sindical brasileiro . Ao contrário, através das suas entidades filiadas participará das centrais sindicais e  lutará pela unidade dos trabalhadores através de ações unitárias das centrais, única forma de fortalecer a luta dos trabalhadores brasileiros.
Portal CTB