quinta-feira, 1 de março de 2012

Inácio Arruda fala sobre a disputa eleitoral em Fortaleza - Portal Vermelho

Inácio Arruda fala sobre a disputa eleitoral em Fortaleza - Portal Vermelho

Em entrevista publicada na coluna do jornalista Felipe Patury, da revista Época On-line, o senador Inácio Arruda (PCdoB) fala sobre as eleições deste ano em Fortaleza; os objetivos do PCdoB e a relação do seu partido com o PT. Abaixo o Portal Vermelho publica a entrevista do parlamentar cearense.


O senador Inácio Arruda (PCdoB) é o pré-candidato mais lembrado atualmente pelo eleitor na disputa de Fortaleza. Deputado federal por três mandatos seguidos, ele tentou por três vezes (1996/2000/2004) comandar a Prefeitura da capital cearense, antes de se eleger senador em 2006. Agora, se apresenta mais uma vez à disputa, seguindo a estratégia dos comunistas de crescer nas capitais e grandes cidades. “A eleição é o momento em que se está mais perto do eleitor, em que se pode explicar um programa”, afirmou Arruda, em entrevista ao jornalista Marcelo Osakabe.

Coluna Felipe Patury: O senhor será candidato à prefeitura de Fortaleza?
Inácio Arruda: O PCdoB tomou a decisão de ter candidatura na capital, mas ainda não indicou o nome. Além de mim, há o deputado Chico Lopes.

Coluna Felipe Patury: Por que o PCdoB não comporá chapa com o PT, como nas últimas eleições?
Inácio Arruda: Olhe, participamos de uma frente muito ampla, que deu sustentação aos dois mandatos de Lula e que elegeu Dilma. O PT é o centro dessa aliança, e tem em suas mãos a Presidência da República. O PCdoB decidiu por uma estratégia de crescimento neste ano. Passamos anos tentando crescer pela via parlamentar, mas enxergamos agora que isso se dará via eleições majoritárias. A eleição municipal é um espaço privilegiado, é o momento em que se está mais perto do eleitor, se pode explicar melhor o programa.

Coluna Felipe Patury: Como o senhor enxerga o desafio de vencer uma aliança da prefeita Luizianne Lins (PT) com o governador Cid Gomes (PSB)?
Inácio Arruda: Esses arranjos não estão definidos. O PT ainda não escolheu candidato. A discussão de alianças ainda é informal, porque não se tem os nomes e é em torno de nomes que se fazem as alianças.

Coluna Felipe Patury: E que partidos vocês procuraram?
Inácio Arruda: Estivemos com Cid. Conversamos com o PMDB, inclusive com o presidente regional e municipal do partido. Estivemos também com partidos menores, porém importantes na aliança do estado e na nacional. E conversamos com delegados do PT. Tanto nacional como localmente, o PT compreende nossas razões. Se você não cresce, sua opinião fica menos relevante.

Coluna Felipe Patury: O senhor tem afirmado com frequência que o problema de Fortaleza é o planejamento.
Inácio Arruda: Esse é um problema que vem de longe. Tínhamos uma instituição de planejamento, que foi liquidada em 1997. Desde então, ficamos sem um órgão publico que concentrasse o debate. Isso tem impacto na questão do trânsito. O transporte metroviário é responsabilidade do estado, mas deveria ter um mínimo de coordenação com o rodoviário, que é da Prefeitura. Não há essa interface porque o planejamento foi esquecido. O projeto do Maranguapinho é outro exemplo. Ele é bem conduzido pelo governo do estado, porque o município deu pouca atenção. Transporte, habitação, investimentos, tudo tem que ser pensado de forma ampla. O método usado de 1997 até hoje levou Fortaleza a perder oportunidades.

Coluna Felipe Patury:
Qual a avaliação da gestão da prefeita Luizianne?
Inácio Arruda: Fizemos, primeiro numa Secretaria Regional, depois na do Turismo, o máximo que poderíamos ter feito. Atuamos na área de habitação. Conseguimos R$ 1 bilhão em investimentos para a diminuição das áreas de risco. Pleiteamos e conseguimos investimentos para programas de desenvolvimento turístico, recuperação da orla e do centro. Fortaleza precisa da ajuda do governo federal, e isso torna a questão do planejamento mais importante.


Fonte: Época on-line