segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Feliz cumpleaños, Fidel!

Hoje, o querido Fidel Castro completa 86 anos desafiando toda a urucubaca, atentados terroristas, maleitas e sobretudo desafiando o imperialismo estadunidense. Alvíssaras, comandante, que siga por muitos anos ainda dando trabalho e zelando pelo povo que tanto te quer.

Pude conferi-lo sempre, inclusive nesta minha última ida a Havana. Conversei, comi nas ruas, andei em meio ao povo, saindo o máximo que pude do circuito das muitas atividades que tivemos. Fi-lo de propósito, para auscultar o sentimento dos donos da Revolução Cubana, esse heróico povo que a defende com armas e sonhos e músicas e realizações e sem o qual Cuba jamais ultrapassaria as muita intempéries, com a mesma improbabilidade com que o comandante desafia o tempo, e com essa mesma lucidez que sempre colocou as pessoas em primeiro lugar.

Regozijei-me ao constatar que, como disseram pelo menos três dos populares que abordei, "Esse país es fidelista, fidelista!". Recordo-me que certa noite, no Malecón, um pouco macambúzio a despeito do espetacular momento - os poetas e revolucionários, os apaixonados e os extravagantes costumam por vezes ter esses lapsos inexplicáveis - mas portando em uma mão uma garrafa de Havana Club, e na outra um charuto dos que os próprios cubanos fumam, fui acolhido em meus muxoxos por dois anciãos animadíssimos, que com maraca e violão e a alegria de suas vozes marcadas pelo tempo seguiam ganhando a vida através do cantar de clássicos cubanos, salseiros e românticos, e que me regalaram com sua companhia. Gente querida, muito querida.

Depois de umas tantas canções e tragos e baforadas, arrisquei, disparando: "Por que vocês gostam tanto assim do Fidel?". Ele parou, olhou-me diretamente, os olhinhos brilhar, e simplesmente me disse: "Fueran muchas cosas..." Naquela mirada havia tanta história, tantas lembranças de discursos, tantas batalhas vividas que não precisava ser dito nada mais. Disse-me depois, com orgulho incontido: "Sabe com quem você esta falando? Com um soldado da guerra revolucionária!"

Ao lado do apoio às medidas de abertura econômica que dinamizam a economia socialista - porque o socialismo é economia de transição, não é o comunismo -, vi esse unânime carinho por Fidel. Outro cubano, disse-me: "Estávamos acostumados que, de repente estava ele aí. Sentimos muito a sua falta!". Uma taxista, disse-me sem pestanejar, que também os avanços recentes tinham o dedo do Fidel, já que ele estaria agora mais livre para observar as coisas com distanciamento e perceber os erros que havia.

Outro elemento que observei foi o olhar crítico que o cubano tem sobre o seu próprio processo revolucionário e país. Os cubanos reclamam mesmo e tem uma grande noção dos direitos que possuem. Andei por toda parte, inclusive de madrugada sem medo algum. Poucas vezes me senti tão seguro em minha vida quanto nas ruas de Havana, mas não me recordo de ver um policial com fuzil, um "caveirão", uma viatura gigante a barulhar encandeando a todos com seu passar apressado.

Tive sim a grata oportunidade de ver o Fidel falando no centro de convenções em Havana no Encontro Hemisférico de Luta contra a ALCA - em 2004, creio. Uma aula espetáculo que adentrou pela madrugada, crivada de gargalhadas e histórias, ele de terno, super bem. Quando entrou, uma senhora do fundo do auditório, gritou: "Guapíssimo, Fidel!", e era verdade.

Que maravilha ter a pretensão anexionista dos EUA ido ALCArajo, e em seu lugar ter avançado a integração latino americana, ter ingressado a Venezuela no Mercosul, não nos calarmos ante os intentos de golpe em Honduras e no Paraguai, e o Fidel estar aí, vivinho, perturbando os imperialistas! Fidel, Fidel, que tine Fidel, qiue los imperialistas no pueden con él! Feliz cumple, comandante!

E para vocês recomendo essa seleção de falas históricas do maior orador do século XX.

Fidel: Revolución

 

“Revolución es sentido del momento histórico;
es cambiar todo lo que debe ser cambiado;
es igualdad y libertad plenas;
es ser tratado y tratar a los demás como seres humanos;
es emanciparnos por nosotros mismos y con nuestros propios esfuerzos;
es desafiar poderosas fuerzas dominantes dentro y fuera del ámbito social y nacional;
es defender valores en los que se cree al precio de cualquier sacrificio;
es modestia,
desinterés,
altruismo,
solidaridad y heroísmo;
es luchar con audacia, inteligencia y realismo;
es no mentir jamás ni violar principios éticos;
es convicción profunda de que no existe fuerza en el mundo capaz de aplastar la fuerza de la verdad y las ideas.

Revolución es unidad, es independencia,
es luchar por nuestros sueños de justicia para Cuba y para el mundo,
que es la base de nuestro patriotismo, nuestro socialismo y nuestro internacionalismo.”


FIDEL

Fidel previne a su pueblo sobre  desintegración de la Unión Soviética




Maravilhoso discurso de Fidel Castro.na Argentina sobre o imperialismo e o Che - extratos