quarta-feira, 16 de maio de 2012

Colômbia: Paramilitares ameaçam membros da Marcha Patriótica - Portal Vermelho

Paramilitares ameaçam membros da Marcha Patriótica - Portal Vermelho

Na Colômbia, várias organizações integrantes do movimento político Marcha Patriótica foram ameaçadas por paramilitares autodenominados “Águias Negras” através de uma carta dirigida ao presidente do sindicato agrário Fensuagro, Alirio García.

A mensagem, carregada de insultos e datada no mês de maio em Cundinamarca, região central do país, declara “objetivo militar” para os endereços de doze organizações que acusam de ser “financiadas pela guerrilha para o trabalho com a população e a construção de um novo movimento”, informou a agência de notícias EFE.

A carta rotula a estas organizações de serem membros da União Patriótica (UP), um partido de esquerda, nascido nos anos oitenta e que despareceu após os assassinatos sistemáticos de milhares de seus integrantes pelas forças de segurança do Estado e paramilitares.

Os “Águias Negras”, um dos grupos neoparamilitares que surgiu após a desmobilização entre 2003 e 2006 das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), advertem aos ameaçados que “ faltam poucos dias para abandonarem a cidade” e os acusam de serem “o avance da guerrilha nas cidades”.

A carta está assinada pelo “Bloco Capital DC” e seus autores culpam suas vítimas de estarem “levantando as comunidades para que reivindiquem seus supostos direitos, suas terras e supostos benefícios por serem “desplazados” (pessoas que foram expulsas de seu território e tiveram que buscar moradia em outros lugares) ou vítimas do Estado”.

Marcha Patriótica



A Marcha Patriótica fez uma grande manifestação pacífica que recorreu às ruas de Bogotá e juntou milhares de pessoas vindas de todo o país. É um movimento que buscaria ocupar o espaço político que deixou a União Patriótica e que, junto ao Polo Democrático Alternativo (PDA), constitui uma única oposição ao Governo da Unidade Nacional do Presidente Santos.
Estas ameaças somam-se a dois casos de desaparecimento forçado e outros dois assassinatos de integrantes da Marcha Patriótica desde sua apresentação oficial em abril.



Telesur e EFE