segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Fernando Brito: Roberto Marinho e o golpe, em documentos secretos - Portal Vermelho



Fernando Brito: Roberto Marinho e o golpe, em documentos secretos - Portal Vermelho




A rigor, não é novidade, todo mundo sabe que o império Globo se formou com ajuda direta dos Estados Unidos. Os documentosreproduzidos ontem pelo GGN são, apenas, uma confirmação do óbvio. A história de Roberto Marinho com o golpe de 64 tem duas partes.

Por Fernando Brito*


Na primeira, antes, é um personagem secundário, embora não insignificante.

O Globo era um jornal de segunda linha, e sua rádio, embora importante, também não era a maior, embora já tivesse aberto seus microfones, dez anos antes, para Carlos Lacerda investir contra Getúlio Vargas. Sobre isso, aliás, indico a leitura do trabalho de Lia Calabre, coordenado por minha boa amiga Ana Baum,Conspirações Sonoras.

A cumplicidade da Globo com os militares se intensifica após o golpe, quando acabam de derrubar o combalido império de Assis Chateaubriand, àquela altura já entrevado pelo por um AVC e as paralisias que este causou.

E que, na passagem dos anos 60 para os 70, transformou-a na grande e onipotente rede de comunicação – e de dominação – que o regime precisava.

Marinho sempre soube ser um negociador esperto.

Propunha-se a servir, mas o fazia de forma a que, na verdade, fosse servido.

Ficou mais rico e poderoso do que qualquer dos generais que apoiou e, depois, dos civis a quem fez presidentes ou deu suporte: Sarney e seu Cruzado e Collor, que plantaria a semente da entrega do Estado brasileiro, regada e vicejante depois, com Fernando Henrique.

Sem ele, seu império decadente continua a imperar menos por seu próprio poder do que pela covardia de enfrentá-lo.

*Jornalista

Fonte: Tijolaço