quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O Bolsa Censura pro Aécio, o papel de Dilma e do povo - Paulo Vinícius Silva

É um atentado à democracia o TSE decidir que não pode haver "ataques" na campanha eleitoral. Uma coisa é os abusos serem punidos, como em toda eleição. Outra, é o Tribunal vir em socorro de Aécio exatamente quando contra ele se levantam legítimas acusações contra claros desvios de toda natureza. Na verdade, diante da unanimidade da imprensa burguesa em favor de Aécio, o destino é certo, calar a coligação que apoia Dilma quando assume a ofensiva decisiva para a vitória. Quando o TSE se posicionou pelo claro partidarismo da imprensa  golpista? Uma censura prévia do debate político é imoral, e mostra os gravíssimos riscos que sofre a democracia brasileira, assim como a constituição de corporações de privilegiados que querem decidir sem o respaldo da maioria do voto popular, mas por cima e contra o voto popular.

A Presidenta Dilma Rousseff, essa mulher corajosa, indômita, que não teme cara feia nem chantagem, mais do que nunca assume um papel incomparável para as mulheres na História de nosso país. Dilma é a esperança de uma Reforma Política que cumprirá duplo papel: combater a corrupção e impedir o monopólio do poder econômico nas eleições. Mas não apenas: a Presidenta aposta no papel do povo na democracia: ao fortalecer os conselhos das políticas públicas em que a sociedade civil organizada pode influir republicanamente no processo político, e os plebiscitos e referendos que avançam para aquilo que temem os neoliberais: a força do voto igual de todos os cidadãos e cidadãs.

Não é à toa o ódio dos privilegiados contra Dilma. Sua coragem redesenha um programa avançado, republicano, democrático e popular baseado no desenvolvimento nacional. Esse projeto tem face definida:

- Os Bancos Públicos e o Estado tem papel central para alavancar o investimento privado;

- Não à soberania do sistema financeiro que tem amealhado quase metade do orçamento da União. Dilma é a candidata dos juros baixos, do crédito produtivo e popular, da ampliação do consumo. Dilma é a candidata contra a crise que os adversários propagam com sua permanente sabotagem do Brasil;

- Dilma é a candidata da democracia, da diversidade, da participação popular, e fez gestos concretos para a sociedade civil, em especial para a juventude e os trabalhadores;

- Dilma é a candidata das mulheres, do seu empoderamento, da luta contra a violência e a opressão. Os debates entre ela e Luciana Genro e Aécio mostram como essa luta é imprescindível. Ao chamá-las de "levianas", ao gritar e tratar as mulheres que o questionam do modo como o Brasil inteiro viu, o candidato Aécio dá um recado sobre o lugar que crê devem ocupar as mulheres.São elas que precisam responder a essa indignidade e desrespeito;

- Dilma é a candidata da defesa da Petrobrás dos interesses do imperialismo estadunidense sobre o Pré-Sal. Mais que isso, Dilma assumiu para seu projeto uma REVOLUÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL. Dedicar os recursos do Pré-Sal para a Educação e a Saúde e defender o Pré Sal, só Dilma pode fazer - e tem feito;

- Dilma é republicana, digna e séria. Jamais pôs as amizades, a família ou o Partido à frente dos interesses da República. Não protege quem está errado. Fortalece os órgãos fiscalizadores, não extrapola de suas prerrogativas, não invade a alçada dos poderes outros - ao contrário do TSE. Suas propostas concretas de combate à corrupção ampliam esse legado. O desequilíbrio, os abundantes dados existentes, a gritante falta de imparcialidade da justiça quanto aos malfeitos do PSDB de ontem e de hoje dizem muito bem quem tem compromisso com a coisa pública;

- Dilma defende o estado laico e é a garantia que o fundamentalismo, a intolerância, os crimes de ódio não terão a cumplicidade da maior mandatária do país. É assustadora a proliferação da agenda do ódio e da violência, da intolerância fascista. Dilma é a nossa bandeira de esperança no que é ser profundamente brasileiro, misturado, mestiço, sincrético, popular, respeitador do outro e da diversidade.

- Dilma é a candidata do emprego, do desenvolvimento, das obras estruturantes do futuro do Brasil e que estão a pleno vapor. Seu segundo mandato impulsionará a economia brasileira na retomada da indústria, no fim da miséria, em novas alianças internacionais que protejam nossas Amazônia e o Pré-Sal.

Por tudo isso, por essa nitidez programática e esse mar de possibilidades para o nosso país, é que as forças mais tenebrosas da vida nacional se unem para derrotar o Brasil que é representado por essa mulher de luta e coragem, que é Dilma. E é quando o debate vira que o TSE vem e quer tutelar a disputa eleitoral. Censura de conteúdo absurda, o Bolsa Pergunta Incômoda pro Aécio é grotesca expressão do desespero das elites que criam conquistada sua vitória e a veem escapar por entre os dedos. Ora, por que não responde Aécio as incômodas perguntas de Dilma? Por que xinga, esperneia e grita. Por que vêm ao seu socorro para que siga sem responder o que não pode ser respondido?

A realidade que vai se afirmar é a da unidade de todos os patriotas, democratas, da esquerda, dos movimentos sociais e do povo para darmos um salto adiante nas grande mudanças que temos feito no Brasil.Sejamos todos e todas a voz dessa digna lutadora que é a Presidenta Dilma. Podem censurar a TV e o rádio, mas jamais calarão a voz da MILITÂNCIA e do povo organizado, a maior trincheira da defesa da democracia, a garantia do voto libertador em Dilma 13 para impedir o retrocesso e abrir novos horizontes para o Brasil.