segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

PC chileno celebra 100 anos em ato com 70 mil pessoas - Portal Vermelho

PC chileno celebra 100 anos em ato com 70 mil pessoas - Portal Vermelho

Cerca de 70 mil pessoas participaram, na noite deste domingo (10), de um ato de celebração dos 100 anos do Partido Comunista do Chile, que foi realizado no Estádio Nacional, onde se apresentaram vários artistas, incluindo o cubano Silvio Rodríguez.
O evento contou também com a presença de representantes de outros partidos políticos, uma oportunidade que foi usada pelo secretário-geral da PC, o deputado Guillermo Teillier, para fazer um apelo à unidade da oposição, para enfrentar junta as próximas eleições presidenciais e legislativas de 2013.

Durante seu discurso aos participantes, Teillier criticou o governo do presidente Sebastián Piñera, a direita e seus projetos, como a Lei da Pesca, que favorecem apenas os ricos, fato pelo qual exigiu mudanças na economia, que incluam uma maior presença "do Estado e uma reforma tributária. "

Ele também disse que seu partido exige "uma educação público gratuito", e também apoiou a possibilidade de descriminalização do uso da maconha.

"Convocamos a unidade e a luta: de outra forma não se cumprirão essas exigências", disse o secretário geral do PC. Ele também reivindicou a do PC na ampla derrota da direita nas recentes eleições municipais, em que seu partido aumentou o número de prefeitos e vereadores.

"Esta vitória deve persistir nas próximas eleições presidenciais e parlamentares, para o que precisamos, e é a nossa demanda, contar com um programa que nos represente a todos nós, especialmente ao mundo social", concluiu Teillier.

O espetáculo foi aberto pelo cantor cubano Silvio Rodriguez, que passou cerca de uma hora no palco, e em seguida, apresentaram-se artistas nacionais de renome, como Inti Illimani, Illapu, Sol e Lluvia e Manuel García.

"O povo unido jamais será vencido", gritava a multidão, que formava uma ampla gama de fãs jovens e antigos, que recebeu com fervor o cantor e seus cinco acompanhantes. Silvio deu início ao show com "Carta a Violeta Parra", cujos acordes fizeram brotar uma multidão de exclamações, aplausos, bandeiras de Cuba e do Chile, das Juventude Comunista e do povo mapuche, entre outros.

"Hoje enfim estou aqui porque conheci uma pessoa que se chamava Victor Jara. Estou aqui porque eu conheci uma pessoa chamada Gladys Marin. Estou aqui porque eu conheci uma pessoa chamada Isabel Parra. Por isso que eu estou aqui" , disse o cantor cubano.

Depois de fazer uma homenagem merecida a Violeta Parra, Silvio presenteou os participantes com Cita com Angeles, Santiago de Chile, Historia de la silla, Mujeres e Escaramujo.

Por sua parte, a platéia cheia de euforia gritava frases: "Um Chile novo é possível", "O povo unido jamais será vencido", "Viva Silvio", "Vivam Cuba e o Chile."

O presidente do Partido Comunista do Chile, Guillermo Teillier agradeceu a apresentação do trovador cubano e recordou como, apesar de suas músicas estarem proibidas no país durante a ditadura, elas floresceram como rosas vermelhas de resistência e encorajamento para continuar lutando.

"Esse gesto, tão comovente sua parte Silvio, corresponde à solidariedade entre nossos povos, temos a certeza de que vai durar por muito tempo. O Chile segue te admirando e te querendo bem", disse Teillier.

A primeira viagem de Sílvio ao Chile foi em 1972, durante o governo de Salvador Allende, que decide cometeu suicídio em 11 de setembro de 1973.

Durante a ditadura, os militares censuraram seus discos, e só depois de 1990, com a queda de Augusto Pinochet, o artista cubano pode retornar ao Chile. Depois visitou o país em outras oportunidades.

Dentro das figuras do PC, destacaram-se a presidenta da Central Unitária de Trabalhadores (CUT), Barbara Figueroa, assim como os jovens líderes, Camila Vallejo e Camilo Ballesteros, que lideraram o movimento estudantil e agora são cartas do partido que podem ser apresentadas nas eleições parlamentares.

Também foi divulgada uma mensagem enviada pela ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, que atualmente atua nas Nações Unidas, mas as pesquisas a indicam como a figura principal da oposição e provável candidata a retornar à Presidência.

"Eu estou contente que o PC possa comemorar este aniversário em um Chile capaz de superar muitos obstáculos para construir uma convivência livre e democrática", disse o presidente em sua mensagem.

"Apesar das limitações do sistema eleitoral binominal, que é urgente reformar, o PC chegou a uma representação parlamentar legítima, como parte de uma acordo amplo das forças democráticas, que também deu frutos na recente eleição municipal", disse Bachelet.

O PCdoB também partricipou da celebração chilena, enviando representantes ao evento.

Com agências