terça-feira, 24 de maio de 2011

Entre Marina e Ricupero, rebelo-me, vou de Rebelo.

Paulo Vinícius

É absurda a campanha de desconstruir o Aldo. Não há debate. Não há boa fé. O Código é uma incógnita nesse debate, e dá-me vontade de vomitar ouvir o oportunismo de certos defensores da "natureza". Fala sério... A ciumeira do protagonismo de Aldo é evidente, reluz gritante, porque ele de fato fez uma ampla aliança que se assenta sobretudo no setor produtivo, no campo, em milhões de pequenos agricultores e
médios. E coloca para a esquerda o debate se devemos criminalizar a agricultura produtiva de grande escala. E, para mim, o inimigo é o capital financeiro.

A maior aliança com o "agronegócio" foi feita por Lula. E ainda que tenha sim críticas ao agronegócio, sou contrário à visão do MST que o demoniza, sem entender que o desenvolvimento agrícola em grande escala, a complementariedade com os setores pequenos, fazem e farão parte do Projeto Nacional de Desenvolvimento no Brasil. Sou contra jogar todo mundo na vala comum, assim como sempre fui solidário ao MST quando se o persegue. Mas eu sou contra mesmo é gringo querer dizer o que o Brasil deve fazer. Isso eu não admito. Mas tem gente que negocia, que coabita, que se locupleta, e que posa de bom moço, até que se evisceram suas podridões e sua sordidez surge, mais cedo ou mais tarde.

Se Aldo tem uma culpa, é essa transparência quixotesca que o vitima: ele encara, faz o que se exige de um parlamentar sério, negocia, transige, busca um meio termo, e foi levando o texto a seguidas alterações visando a criar uma ponte entre o desenvolvimento e a preservação do meio ambiente, de acordo com uma visão nacional, que vê o Brasil como país que tem dentre suas matrizes econômicas a pequena, a média e a grande agricultura. Para impedir-nos de debater o tema, apela-se, cristianiza-se, lapida-se o Aldo. Em vez de um debate, é ao Aldo que se quer destruir. Ouvir de vendidos, aliados do capital financeiro, da CBN, impulsionadores da aliança com a grande propriedade desde a primeira hora - não nos esqueçamos - as barbaridades que se tem dito contra o Aldo é demais.

Cara de pau absurda é o Brasil não aplicar o código florestal existente, editar MPs expedidas pelo nosso governo em favor da agricultura brasileira que o fazem letra morta, e ver pusilânimes do partido da Presidente a assumir um discurso incompatível com suas ações. Mas depois, aposto,  por coerência com a realidade, que se impõe, terão de o apoiar, sob pena de entregar nas mãos dos inimigos da agricultura brasileira os destinos do nosso campo.

O Aldo vai lá, põe a cara, e tentam crucificá-lo. Já o abandonaram e o traíram no passado, o ciúme de sua capacidade é público, e não me estranha que sigam a se aliar com o Greenpeace e com o capital financeiro para o achincalhar. Mas seu talento, sua preocupação com o país, sua habilidade, vão movendo obstáculos, apelando ao raciocínio. E mesmo que cometa este ou aquele erro, que se divirja dele, o mérito de sua coragem de enfrentar o debate - que continua após a votação na Câmara, pois o projeto vai ao Senado, ainda passa pela Dilma - é uma demonstração de grandeza que só poderia vir de gente de sua estirpe, desse filho de vaqueiro alagoano que honra o Brasil, e o ama. É uma histeria essa pressão contra o Aldo e sua proposta de Código Florestal. E uma histeria contra o desenvolvimento brasileiro.

E não posso me deixar dirigir nem pelos ambientalistas da CIA nem pelos fanáticos religiosos contrários ao desenvolvimento que tornam o debate impossível com seu falso moralismo. O tema é polêmico mesmo. Mas essa manipulação e o maniqueísmo são inaceitáveis.

E o Ricupero que fique na sua. Pra mim, esse não "ricupera" jamais sua credibilidade. Entre Marina e Ricupero, não me engano, rebelo-me, vou de Rebelo. Não tenho dúvida de que Aldo - a despeito de divergências que são normais - age de boa-fé e preocupado com o Brasil.