domingo, 6 de setembro de 2015

Frente Popular reúne o Brasil em Belo Horizonte - Portal Vermelho



Frente Popular reúne o Brasil em Belo Horizonte - Portal Vermelho



Lidyane Ponciano 
Carina Vitral, da UNE, fala na mesa de abertura do lançamento da Frente Brasil Popular
Mais de duas mil pessoas passaram o dia no espaço livre da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte, a partir da manhã desse sábado (5) para discutir alternativas para a crise política e econômica brasileira no lançamento da Frente Brasil Popular.


Foi a primeira vez, desde as Diretas Já em 1984, que uma ampla coalizão de centenas de lideranças e representações de movimentos populares, sociais, sindicais, estudantis, forças e representações políticas de esquerda estiveram juntas para defender o estado democrático brasileiro.

A Conferência Nacional em Defesa da Democracia e por uma Nova Política Econômica demonstrou uma grande força de unidade de entidades progressistas e partidos de esquerda. O principal objetivo é barrar a escalada antidemocrática oposicionista para defender o mandato da presidenta Dilma Roussef, combater o golpismo pregado pela aliança formada pelas forças conservadoras e direitistas, que têm o apoio da grande mídia.

O ex-presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, falou da importância do lançamento dessa frente em Minas, terra do senador Aécio Neves e onde ele teve sua principal derrota nas últimas eleições. Renato lembrou que a criação de uma frente popular que reúne a esquerda já foi proposta pelo partido há dois anos. “Durante o último congresso, definimos que era preciso um bloco de afinidade de esquerda, formada por partidos de esquerda, grupos de esquerda, movimentos sociais e personalidades com afinidades. O PCdoB participa dando foco a algumas questões que são fundamentais hoje, lutando contra as maiores ameaças: como o golpismo, a luta pela democracia e defesa do mandato da presidenta”.

Para Renato, outra questão importante é taxar as grandes fortunas, para que os ricos paguem sua parte na crise. “Defendemos voltar a CPMF para a saúde, além de combater o financiamento empresarial em campanhas políticas, que já derrubamos no Senado, e também a defesa da Petrobrás e da engenharia nacional”.

O lançamento contou com a presença de variadas frentes dos movimentos sociais, entre sindicalistas, trabalhadores dos movimentos sem terra, os que defendem habitação, pastorais sociais, igrejas, movimento negro, LGBT, a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CBT) e Central Única dos Trabalhadores (CUT), entidades do movimento estudantil, entre elas a UNE, além de personalidades, parlamentares e demais políticos de diversas regiões do Brasil. Compuseram a mesa de abertura o presidente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile e Carina Vitral, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) e a presidente da CUT Minas, Beatriz Cerqueira, que representaram a organização do ato.

Entre as bandeiras apresentadas, além da defesa da democracia, muito foi falado sobre a necessidade do governo atender o pedido dos movimentos para a necessidade de mudanças na economia, com uma nova política de juros mais baixos, que desonere o bolso dos trabalhadores sem ferir os direitos conquistados. Outra questão defendida foi a necessidades de se taxar as grandes fortunas e heranças, para gerar mais recursos para investimento nos programas sociais, além da necessidade da reforma política a partir do fim do financiamento empresarial de campanhas eleitorais, como medida central para combater na raiz a corrupção. “Essa frente nacional rearticula os movimentos sociais para enfrentar a crise política e crise econômica que está em curso no país, manter as nossas conquistas e nossos direitos através das nossas lutas. Vamos combater e repudiar toda tentativa de golpear a democracia. Nós temos uma outra posição em relação à política econômica do atual governo, com a qual não concordamos”, defende Carina Vitral, presidenta da UNE.

Após a abertura, a Conferência prosseguiu com grupos de discussão temáticos até o início da tarde, tratando além dos eixos centrais para enfrentamento da crise, questões como avanços nas políticas raciais e de gênero que melhor atendam e compreendam a diversidade da sociedade brasileira.

Na plenária final, estiveram ainda presentes Nivaldo Santana, da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Beatriz Cerqueira, da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT-MG), representantes de entidades do movimento negro, de mulheres, LGBT, dos movimentos populares, vilas e favelas, o vice-presidente nacional do PCdoB, Walter Sorrentino, os deputados federais do PCdoB, Wadson Ribeiro, Jô Moraes e a líder do partido na Câmara Federal, Jandira Feghali, o ex-ministro e ex-presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Roberto Amaral, Tarso Genro (PT), ex-governador do Rio Grande do Sul, os senadores Lindberg Farias (PT) e Roberto Requião (PMDB), Luzianne Lins, deputada federal (PT-CE), além de Nilmário Miranda, secretário de Estado de Direitos Humanos de Minas Gerais, representando o governador Fernando Pimentel, entre muitos parlamentares mineiros presentes.

A deputada Jandira Feghali analisou que na Conferência “estão os representantes da luta do povo brasileiro, que sabem superar toda e qualquer adversidade. Mas lutar na adversidade é o nosso grande desafio. A gente luta na adversidade contra uma mídia golpista que tenta apagar a memória do povo brasileiro, porque nós tivemos conquistas sim, que não são conquistas apenas do governo, mas do povo”.

Ao final, como uma das principais ações da agenda a ser construída pela Frente Brasil Popular, ficou decido um grande ato nacional em defesa da Petrobrás, no dia 13 de outubro, data que se comemora o aniversário da estatal. Para marcar o lançamento da frente, foi lido o Manifesto ao Povo Brasileiro, na íntegra abaixo:



Manifesto ao Povo Brasileiro

Vivemos um momento de crise. Crise internacional do capitalismo, crise econômica e política em vários países vizinhos e no Brasil.
Correm grave perigo os direitos e as aspirações fundamentais do povo brasileiro: ao emprego, ao bem-estar social, às liberdades democráticas, à soberania nacional, à integração com os países vizinhos.

Para defender nossos direitos e aspirações, para defender a democracia e outra política econômica, para defender a soberania nacional e a integraççao regional, para defender transformações profundas em nosso país, milhares de brasileiros e brasileiras de todas as regiões do país, cidadãos e cidadãs, artistas, intelectuais, religiosos, parlamentares e governantes, assim como integrantes e representantes de movimentos populares, sindicais, partidos políticos e pastorais, indígenas e quilombolas, negros e negras, LGBT, mulheres e juventude, realizamos esta Conferência Nacional onde decidimos criar a Frente Brasil Popular.

Nossos objetivos são:

1- Defender os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras: melhorias das condições de vida, emprego, salário, aposentadoria, moradia, saúde, educação, terra e transporte público!

Lutamos contra o atual ajuste fiscal e contra todas as medidas que retiram direitos, eliminam empregos, reduzem salários, elevam tarifas de serviços públicos, estimulam a terceirização, ao tempo em que protegem a minoria rica. Defendemos uma política econômica voltada para o desenvolvimento com distribuição de renda.

Lutamos contra a especulação financeira nacional e internacional, que transfere para uma minoria, por vias legais ou ilegais, através da corrupção e de contas bancárias secretas, parte importante da riqueza produzida pelo povo brasileiro!
Lutamos por uma reforma tributária que – por meio de medidas como o imposto sobre grandes fortunas e a auditoria da dívida – faça os ricos pagarem a conta da crise.

2.Ampliar a democracia e a participação popular nas decisões sobre o presente e o futuro de nosso país.

Lutamos contra o golpismo – parlamentar, judiciário ou midiático – que ameaça a vontade expressa pelo povo nas urnas, as liberdades democráticas e o caráter laico do Estado!

Lutamos por uma reforma política soberana e popular, que fortaleça a participação direta do povo nas decisões políticas do País, garanta a devida representação dos trabalhadores, negros e mulheres, impeça o sequestro da democracia pelo dinheiro e proíba o financiamento empresarial das campanhas eleitorais!

Lutamos contra a criminalização dos movimentos sociais e da política, contra a corrupção e a partidarização da justiça, contra a redução da maioridade penal e o extermínio da juventude pobre e negra das periferias, contra o machismo e a homofobia, contra o racismo e a violência que mata indígenas e quilombolas!

3. Promover reformas estruturais para construir um projeto nacional de desenvolvimento democrático e popular: reforma do Estado, reforma política, reforma do poder judiciário, reforma na segurança pública com desmilitarização das Polícias Militares, democratização dos meios de comunicação e da cultura, reforma urbana, reforma agrária, consolidação e universalização do Sistema Únnico de Saúde, reforma educacional e reforma tributária!

Lutamos pela democratização dos meios de comunicação de massa e pelo fortalecimento das mídias populares, para que o povo tenha acesso a uma informação plural, tal como está exposto na Lei da Mídia Democrática.

4.Defender a soberania nacional: o povo é o dono das riquezas naturais, que não podem ser entregues às transnacionais e seus sócios!
Lutamos em defesa da soberania energética, a começar pelo Pré-Sal, a Lei da Partilha, a Petrobrás, o desenvolvimento de ciência e tecnologia, engenharia e de uma política de industrialização nacional!

Lutamos em defesa da soberania alimentar e em defesa do meio ambiente, sem o qual não haverá futuro.

Lutamos contra as forças do capital internacional, que tentam impedir e reverter a integração latino-americana.

Convidamos a todas e a todos que se identificam com esta plataforma a somar-se na construção da Frente Brasil Popular.

O povo brasileiro sabe que é fácil sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho. Mas sabe, também, que sonho que se sonha junto pode se tornar realidade.

Vamos lutar juntos por nossos sonhos!

Viva a Frente Brasil Popular!

Viva o povo brasieiro!

Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Setembro de 2015






Da redação do Vermelho Minas