sexta-feira, 14 de março de 2014

Inácio, o homem da luta do povo, Grande Senador do Ceará! Paulo Vinícius Silva

Essa foto é do Blog do Carvalho, de 1990, campanha de Gilse Federal e Inácio Estadual. Alguns meses depois, maio do ano seguinte, eu cheguei à ao CR (Comitê Regional) para ter uma conversa com o Cabo Chico sobre um trabalho de escola acerca da Ditadura.

Conheci Inácio primeiro no Partido, pois entrei em 1991. Não era - nunca fui - "otoridade", mas um menino da Barra do Ceará. Uma das crias políticas do Rubão, velho e bom comunista dado à lida com os operários e operárias do Carlito Pamplona, aonde fica até hoje o Distrital da Barra. Com o tempo, tendo ele ao meu lado em passeatas, panfletagens em escolas e fábricas, debates e campanhas, em contato com amigos comuns, nos debates nas instâncias do Partido Comunista do Brasil no meu Ceará natal, pude ver muita coisa que não se valoriza, que não se imagina. E houve sempre esse sentimento que Inácio Arruda é gente do povo, comprometida com o Brasil, com a população mais humilde e com a luta pelo socialismo. Por isso, todas as vezes em que ouvi "ô Inácio, ô Inácio, homem da luta do povo", foi com a certeza da justeza de sua, da nossa luta.

Mais ainda quando vi o meu Ceará ter, enfim, um grande Senador que soube honrar a terra de Dragão do Mar, Bárbara de Alencar, de José de Alencar, de Patativa do Assaré e do Padre Cícero, de Antônio Conselheiro, Dom Hélder, de Miguel Arraes - isso, cearense, pode saber - de Arthur Eduardo Benevides, a terra do sol que tanto contribuiu para o Brasil, mas poucas vezes teve representantes que nos dessem motivo de orgulho, como é o caso de Inácio.

Falo isso porque é preciso que se o diga em alto e bom som, que Inácio Arruda honrou a responsabilidade de ser o segundo senador comunista, depois de Luís Carlos Prestes, inclusive por ter sido fundamental para retomarmos os mandatos, injustamente cassados pela onda reacionária que na segunda metade dos anos quarenta do século passado excluiu toda a nossa bancada na Câmara e no Senado.

Inácio, vindo do povo, irmão do Flavinho, marido da Teresinha, filho da dona Don. Que bairro de Fortaleza, que cidade do meu Ceará não viu a passagem daqueles pés andarilhos?! Tavez por ter vindo dessa cepa, alegra-me ele ser quem é: não arrega, não tem medo de assumir suas posições, e o faz num sentido politizador, para elevar a consciência, com inquebrantável compromisso com os mais pobres e com a democracia, e paga muita vez alto preço por essa posição de peito aberto que tem.

Quando vejo as vacilações no campo da própria esquerda, a facilidade com que setores - supostamente de esquerda - criticam alianças para fazerem as piores alianças - com o PIG e o imperialismo - atacando os avanços que o Brasil e o Ceará teve, minimizando tantas vitórias do povo, não posso deixar de posicionar-me para dizer que as bandeiras mais avançadas que conquistamos tiveram sempre em Inácio Arruda um grande batalhador. E compreendo perfeitamente que ele precise pagar esse preço, pelo papel fundamental que teve em tudo o que conquistamos. Inácio é um homem honesto, de bem, um político diferenciado. E mesmo quem dele divirja não lhe pode negar o talento, o brilho, muito menos suas inumeráveis contribuições como tribuno do povo alencarino.

Desde a Associação de Moradores do Dias Macêdo, passando pela Federação de Bairros e Favelas, vereador, deputado estadual e federal, esse comunista foi depositário fiel das esperanças de seus camaradas e do povo, e quanto essa esperança coletiva pôde realizar, tanto graças a essa dedicação do Inácio! Gastar sola de sapato com ele não é expressão, mas ação, eu mesmo pude ver dois sapatos morrerem - e ele secar, deve ter perdido uns 15 quilos - em dois meses e pouco de campanha. Mas para que mesmo, tanto falar e caminhas pelas ruas e praças e salas e lugares de trabalho no Ceará?

Não é verdade que a atividade parlamentar seja inútil. Quando a serviço do povo, ela é um ato de amor e dedicação, de realização dessa honrosa função de tribuno da plebe, para usar um termo romano. Penso nos estudantes que conquistaram em Fortaleza a meia passagem e a meia entrada como um sólido direito - e ele ainda lutou pela meia macrorregional e metropolitana.

Penso em cada sala, cada laboratório, cada obra que foi feita com recursos valiosos em tempos em que as universidades lutavam contra sucessivos cortes orçamentários nos anos FHC, e que podem ser vistos por onde quer que se ande na UECE, UFCE, no IFET, antiga Escola Técnica. Poderiam ser milhares de exemplos, nos municípios, graças à ação republicana dos comunistas do parlamento para servir ao interesse público na destinação de obras e na defesa dos interesses legítimos do Ceará. Inácio, inclusive coordenou TODA a bancada cearense.

Cearense, e portanto cioso de suas opiniões, enfrentou inimigos poderosos, que muita vezes o atacam sem mostrar a face, escondendo-se atrás de factoides criminosamente montados, para atacar um homem de bem. Mas acho bonito o jeito como tem enfrentado isso, compreendendo-se parte de um projeto maior, lado a lado com seus militantes e com o povo que o conhece. Todo o sacrifício pessoal, a dedicação ininterrompida dia e noite, tanta capacidade, tanto poder de síntese, tudo isso só me convence de que ganha muito o Ceará, em especial o povo, por termos um Inácio Arruda, por onde ele passou.

Exemplos são muitos. Sua ação na cultura tem beneficiado sobretudo a juventude e os trabalhadores. A meia entrada e o apoio à PEC dos Artistas ladeiam com o resgate de Patativa do Assaré e da cultura cearense, a defesa da cultura como elemento progressista da nacionalidade, as homenagens a Vinícius e a tantos ícones da nossa cultura.

Inácio é o autor da emenda das 40 Horas Semanais sem Redução de Salários, ainda não aprovada, o que mostra as graves limitações dos nossos 12 anos de governos progressistas, o que também ilustra a necessidade de termos gente com a capacidade de Inácio. Em tempos de vale-cultura, o que essas quatro horas significariam na vida da família de trabalhadores e trabalhadoras!? Há ainda muito que Inácio pode fazer por essas e tantas outras causas.


Como era de se esperar, ele - e tantos outros lutadores do povo com tamanha representatividade - não estaria fora das campanhas que visam a detratar os principais líderes que ao lado de Lula e Dilma puderam mudar o Brasil. Sua capacidade aí também avulta. Sabidamente um caxias, jamais, por mais que tenham tentado, puderam encontrar NADA que atentasse contra sua honra e a qualidade de seu trabalho parlamentar.

Muito antes do debate recente em defesa da mobilidade e da qualidade dos espaços urbanos, Inácio foi o relator do Estatuto das Cidades, e sempre defendeu a população das periferias e o transporte público barato e humanizado, assim como o cuidado com as populações das áreas de risco ou favelas. Foi toda essa luta do movimento comunitário - de que Inácio veio - que pôde conquistar o Minha Casa Minha Vida, em curso, e que tem dado dignidade a milhões de brasileiros e brasileiras, estas últimas sempre alvo de projetos, pronunciamentos e da parceria de Inácio Arruda em favor da igualdade de gênero e dos direitos das mulheres.

O mandato de Inácio Senador é nosso, dos e das cearenses. Motivo de orgulho, amparo de justas causas e dos interesses do Estado e do Brasil, espaço republicano de luta por desenvolvimento e progresso no Ceará, sempre a serviço da democracia, dos direitos dos trabalhadores, da cultura, da juventude, das mulheres.

Lembro quando tínhamos o Tasso no Senado, mas prefiro deixar isso bem pra longe, como um passado soturno que o povo cearense arranjou jeito de sanar. Hoje sim, temos Inácio Arruda, um grande senador que honra, defende e faz avançar o meu Ceará. E esse trabalho digno, correto, essa ação no Senado com a qualidade do Inácio, tudo isso deveria continuar pelo bem do povo cearense e pelo Brasil. Por uma questão de justiça - simples assim - votar na Dilma deve implicar no reconhecimento de quem trava o difícil combate no Congresso em favor dos interesses do povo brasileiro, e é o caso precisamente de Inácio Arruda. Se hoje conquistamos que os royalties do Pré-Sal vão para a Educação, conformando a histórica vitória dos 10% do PIB para a Educação. Se hoje se constroem tantas creches, há tantas escolas técnicas, fortalece-se o ensino técnico e o ensino superior público, se queremos que continuem as vitórias que o Brasil conquistou com Lula e Dilma, para ser justo, precisamos reconhecer esse lutador como parte fundamental dos avanços e das vitórias do Ceará e do Brasil, pela efetividade das ações daquele jovem negro, militante comunista do movimento comunitário, vindo das periferias, que construiu uma linda trajetória que fez por merecer o honroso título, e a comovente canção, que chama: "ô Inácio, ô Inácio, homem da luta do povo!"
 

Inácio é de luta, de combate, de compromisso e de realização. Nessa hora de IMENSA PARTIDARIZAÇÃO DO JUDICIÁRIO, vejo como se tenta impedi-lo de prestar contas de tantas ações em favor do Ceará e do Brasil, e entendo perfeitamente.  Por isso, venho me colocar à disposição para dizer tudo que puder a respeito de um comunista cearense no Senado que travou num ambiente mais inóspito o mesmo combate militante que tantos travamos em fábricas, escolas, ruas e praças. Se não tiver a revista, tenho a voz, o blog, as convicções para a defesa desse patrimônio nosso, do povo cearense. Conte conosco, camarada!