sexta-feira, 17 de maio de 2013

Martin Almada: Videla, sócio de Stroessner morre atrás das grades - Portal Vermelho

Martin Almada: Videla, sócio de Stroessner morre atrás das grades - Portal Vermelho


A jornalista argentina Stella Calloni, define a Operação Condor como o pacto criminoso entre os governos militares da década de 1970 de Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai que deixou como saldo mais de 100 mil vítimas no Cone Sul. Suas vítimas foram os dirigentes sindicais, estudantis, professores, jornalistas, religiosos/as, os seguidores da Teologia da Libertação, advogados, médicos, cooperativistas, intelectuais, ou seja, a classe pensante da América Latina.

Por Martín Almada

La Nación

Jorge Videla e o presidente do Paraguai, Alfredo Stroessner em 1977
O então Secretpario norte-americano Henry Kissinger foi o cérebro do mal que deu a ordem ao general Augusto Pinochet do Chile de limpar o aparato Estado, a sociedade civil e a sociedade política de comunistas no Chile e no Cone Sul da América Latina. Por outro lado, o general boliviano Hugo Banzer tinha que limpar a Igreja Católica por dentro dos sacerdotes esquerdistas envolvidos com a Teologia da Libertação.

Leia também:
Morre Jorge Videla, o maior genocida da América Latina

O governo norte-americano que naquele momento queria impor o modelo neoliberal estabelecendo o mercado total e a insegurança total e para cumprir com este objetivo cometeu os crimes de lesa humanidade por meio de seus mercenários latino-americanos formados na Escola das Américas na zona do Canal de Panamá. O governo norte-americano financiou e forneceu assistência técnica para realizar a Operação Condor.

Videla cumpriu o papel secundário na Operação Condor e para reconciliar-se com o governo norte-americano para fazer mérito extraordinário incorporou o sequestro dos bebês das mães parturientes, sistematicamente, aplicou o saque e morte ao se apoderar dos bens dos que seriam supostamente cumplices dos subversivos e perseguiu implacavelmente os Centros Universitários, uma conspiração contra a sociedade do conhecimento.

Videla não morreu em sua casa, mas na prisão cumprindo uma condenação judicial, diferentemente de seus associados Augusto Pinochet (Chile); Alfredo Stroessner (Paraguai), Hugo Banzer (Bolívia), Juan Bordaberry (Uruguai), Ernesto Geisel (Brasil), etc. Impunes. No caso de Videla se cumpre o refrão: “Quem com ferro fere, com ferro será ferido” atrás das grades de sua cela.

*Martín Almada foi vítima da Operação Condor e descobridor de seus arquivos secretos

Tradução: da Redação do Vermelho