quinta-feira, 21 de junho de 2012

Governo brasileiro considera que impeachment é golpe de Estado - Portal Vermelho

Governo brasileiro considera que impeachment é golpe de Estado - Portal Vermelho

A presidenta Dilma Rousseff informou, por meio de sua assessoria, que acompanha com “apreensão” a situação política no Paraguai. Presidentes dos países da Unasul (formada por Argentina, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela) fazem uma reunião de emergência na tarde desta quinta-feira (21) durante a Rio+20 para discutir a situação política no país.

AFP

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, faz pronunciamento nesta quinta-feira (21) no palácio do governo, em Assunção, sobre o processo de impeachment
Até o momento, o governo brasileiro soube da votação de um “impeachment” do presidente Fernando Lugo pela Câmara do país. A votação pelo Senado deve ocorrer nesta quinta-feira (21) à tarde.

Leia também:
Países da Unasul enviam ministros a Assunção para apoiar Lugo
Ampla mobilização no Paraguai para defender permanência de Lugo
Felício: Após massacre, Lugo pode ter mesmo destino de Zelaya
O sentimento dentro do governo brasileiro, embora ainda ninguém do entorno da presidente fale em público, é que o “impeachment” de Lugo teria o efeito de um golpe de Estado – pela rapidez e forma com que está sendo conduzido. O Brasil deverá reagir condenando tal desfecho.

Unasul

O anúncio da reunião da Unasul foi feito pelo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que também preside o grupo diplomático. Confirmaram presença, além do próprio Santos, os presidentes do Brasil (Dilma Rousseff), da Bolívia (Evo Morales) e do Equador (Rafael Correa).

"Defendemos os princípios democráticos e esta posição para nós é fixa, concreta e inegociável. É a posição que levaremos a qualquer reunião sobre qualquer situação: defenderemos as democracias, as vontades dos povos soberanos", afirmou Santos antes da reunião.

Não renuncio

Lugo afirmou, nesta quinta-feira (21), em cadeia nacional que se submeterá ao julgamento político, mas que a vontade pública está sendo alvo de um ataque “de setores que sempre se opuseram à mudança”.

O policiamento na capital foi reforçado. No centro de Assunção, as lojas foram fechadas e o policiamento reforçado por temor de confrontos entre apoiadores de Lugo e opositores.

O paraguaio teria ligado para presidentes do bloco e confirmado que não tem intenção de renunciar.

O Golpe

A pressão política sobre Lugo cresceu nas últimas horas com a aprovação pela Câmara dos Deputados de um processo de impeachment sob o argumento de responsabilidade no confronto entre policiais e camponeses que deixou 17 mortos na última sexta-feira (15). O confronto provocou a morte de 11 trabalhadores e 6 agentes policiais.

Na semana que vem (dias 28 e 29) está programada uma reunião dos países integrantes do Mercosul em Mendoza, na Argentina. Por causa dessa ameaça de instabilidade institucional no Paraguai, a presidente Dilma cogita a possibilidade de antecipar o encontro.

Da Redação do Vermelho,
Com informações de agências