terça-feira, 27 de agosto de 2013

O Mais Médicos e a hora de dizer basta à manipulação da direita e do mercado de vidas - Paulo Vinícius Silva



Aos meus amigos profissionais de saúde

Ainda que possamos ter divergências sobre o Programa Mais Médicos, penso que os infames acontecimentos havidos em Fortaleza na data de ontem, em que 50 playboys promoveram um ignominioso linchamento moral contra os médicos que vieram atender nossa gente mais sofrida, esse fato constitui um ponto de inflexão no debate. Aquilo me doeu muito, porque eu me indigno com as injustiças, e porque me orgulho de ser cearense. Foi triste, e o que senti vendo aquilo foi que observava, em pleno século XXI, os tetranetos morais da Casa Grande a agredir os tetranetos das senzalas, que só porque Cuba é Socialista puderam ser médicos e vem em nosso auxílio como gesto de amor e solidariedade ao povo mais pobre. E foi por isso que foram vaiados e agredidos, chamados de escravos como um xingamento, o que é típico do pensar contemporâneo desses sinhozinhos. Veja: é a chance de marcar uma diferença fundamental no seio da categoria: a que separa os profissionais éticos e humanistas daqueles que envergonham a categoria e que tem práticas absolutamente contrárias ao juramento de Hipócrates. É a chance que muitos médicos, confusos com os acontecimentos, precisam para ver qual o seu lado, e tomar o partido do povo.

É argumento corrente na categoria que o Mais Médicos teria caráter eleitoreiro. Na verdade, qualquer governo executa ações que tem nexo com suas perspectivas de projeto de poder. Difícil é que o projeto de poder se baseie na ampliação de direitos, na distribuição de renda, na construção de pontes para que os mais pobres possam encontrar os caminhos da dignidade advinda do trabalho valorizado e da universalização de direitos.
Muito menos comum é que os médicos percebam a manipulação de que estão sendo alvo, e ela é política e de mercado. A direita e os empresários do comércio de vidas, os medalhões, nada tem em comum com os médicos que amam a população e fazem da medicina um sacerdócio. No entanto, o corporativismo - essa ilusão de que opressores e oprimidos são a mesma coisa por uma categoria - tem servido apenas para o descrédito da própria carreira e de seus profissionais, e para estimular os mais torpes sentimentos encrustados numa formação que sempre privilegiou a elite e nunca incorporou o povo, desde os filhos da Casa Grande, até as vagas públicas que há três, quatro gerações, pertencem às mesmas famílias.

É a direita e o grande business da saúde que é responsável pela desmoralização da categoria, ao utilizar a xenofobia, o preconceito, a insensibilidade como respostas à proposta do Governo, colocando como incompatíveis os direitos dos médicos e o direito da população à Saúde, essa sim uma contradição falsa, que visa a favorecer a Direita. Na verdade, o Mais Médicos é grande oportunidade para que a categoria mostre sua relevância e o direito negado à Saúde, legitimando a carreira de Estado, e a ampliação do investimento na Saúde da campanha Saúde + 10, que apoiamos.

A reação da direita e do mercado é outra. Sua virulência e insensibilidade não pode ser a voz de quem tem compromisso com a saúde pública e o povo. É preciso que uma nova geração de líderes se apresente ao país como parte da solução, e não amplificadora dos problemas, e isso só será possível se cada médico(a) perceber que há muito mais que política atrás dos posicionamentos de seus Conselhos e Sindicatos. Há política de Direita, há clientelismo com a carência do direito à Saúde, há tolerância com as fraudes e corrupção no SUS, há insensibilidade social, há corporativismo e, portanto, interesses inconfessáveis que jamais se alinharam aos interesses da categoria, e sempre lucraram com a exploração dos profissionais da Saúde e de nosso povo.

É por isso que o movimento caminha para a xenofobia, o racismo social, a defesa descarada da elite, o ódio à esquerda, ao socialismo e a Cuba. São expressões do caminho que se seguirá com a liderança da direita. E esse imenso dano à categoria tem inegáveis interesses de politicagem e de mercado. São políticos, portanto, mas políticos para negar direitos, para afirmar privilégios. para separar os médicos da população, para constranger e cooptar profissionais éticos e humanos ao serviço dos inimigos da Saúde Pública e do país.

A população está tirando conclusões. Não aceite a direção da direita e dos mercadores de sangue e vidas. Não compactue com o fascismo que se mostrou de cara limpa em Fortaleza, na data de ontem, envergonhando a terra aonde primeiro se libertou os escravos no Brasil, a terra de Antônio Conselheiro, Miguel Arraes, Dom Hélder Câmara, Padre Cícero, Bárbara de Alencar, Patativa do Assaré, Rodolfo Theófilo, Bezerra de Meneses, de Dragão do Mar, e tantos outros cuja vida e obra foram escritas a partir do compromisso com o povo. Os coxinhas pertencem a outra tradição, a de Gustavo Barroso, célebre fascista de triste memória. Representam quem nunca pôde representar o meu Ceará, humilhado por aquele gesto vil.

Tenhamos coragem de denunciar, de sair desse lado e somar com aqueles que hoje lutam para que todos saibam que tem direito à saúde. Esse é só o primeiro momento. É possível, tendo a preocupação com o povo como centro, defender muitas vitórias para saúde pública e a carreira, se a categoria tiver uma postura diferente dos atos e declarações que tanto tem envergonhado os médicos comprometidos com o SUS e o país. Quem apoiará as causas justas dos médicos, se o seu semblante para a sociedade for esse que vimos no vídeo, de ódio, branco, de costas para o povo?! O corporativismo e a manipulação política e de mercado estão causando gravíssimo dano da categoria e às suas aspirações legítimas. Essa legitimidade de ir ao povo é que ampliará a luta pelas bandeiras dos médicos e de todos os profissionais da saúde, na contramão dos interesses privados, na contramão do mercado de sangue, dor e morte, na contramão dos elitistas que não tem compromisso, na contramão dos que fraudam o SUS, na contramão da direita que jamais fez nada pela Saúde, muito ao contrário, sempre se utilizou da posição social dos médicos na sociedade para políticas clientelistas que se baseiam na negação e não na afirmação de direitos.

Essa é a hora de afirmar a ética, o compromisso com a sociedade, a sincera defesa da saúde pública, a competência e a qualidade de nossos profissionais. Para que isso aconteça, no entanto, é preciso coragem. Coragem para romper com o corporativismo. Coragem de denunciar a manipulação, a estreiteza política, o elitismo, coragem para denunciar a indústria da dor, do sangue e da morte que tanto machuca, adoece e corrompe gente de bem, sinceramente preocupada com seu semelhante. Sem que esses profissionais assumam as bandeiras do povo, como será possível mudar a Saúde, defender a categoria, como será possível assegurar os direitos a Saúde Pública? Coragem! O povo, o Brasil, nós precisamos de vocês, de cabeça erguida, mostrando que há outros valores e profissionais, sendo parte da titânica batalha em curso para aifrmar o direito universal à saúde, apenas o começo, mas um começo importante, e que precisa de cada médico progressista, humanista, de esquerda, para afirmar uma corrente progressista na Saúde.