domingo, 25 de agosto de 2013

Conselho ameaça profissionais que trabalham no “Mais Médicos” - Blog Tijolaço





Conselhos ameaçam profissionais que trabalham no “Mais Médicos”

O Conselho Federal e os regionais de Medicina estão ameaçando com processos ético-profissionais e com punições (que podem, no caso, chegar à suspensão do registro e do direito de clinicar) os médicos do serviço público que integrarem como gestores ou supervisores de profissionais estrangeiros.



Com o claro intuito de provocar o medo entre os médicos do serviço público que participam ou dirigem programas oficiais do Governo que utilizarem médicos estrangeiros, um e-mail do CFM, que está sendo repassado pelos Conselhos Regionais diz que “tais médicos estão passíveis de processos e penalizações de caráter ético-profissional, civil e criminal pelos atos praticados por participantes e intercambistas do Programa Mais Médicos”.

Reproduzo o e-mail que me foi enviado por um médico, chocado com a atitude intimidatória que sua entidade profissional está assumindo.

Notem que o texto não apenas exige o Revalida, mas que este seja nos seus moldes atuais.

Não aceita, portanto, o exame destes profissionais estrangeiros previsto para se realizar, a partir da semana que vem, em universidades federais brasileiras.

Apenas para lembrar, se o exame realizado pelo Cremesp, o conselho paulista, tivesse a aprovação como condicionante do registro profissional, 54,5% dos formados em medicina no Estado de S. Paulo – reprovados no teste – não poderiam clinicar.

Os conselhos de medicina precisam refletir no que estão fazendo. Vão jogar a população contra os médicos, que em sua enorme maioria são trabalhadores preocupados em atender corretamente a população.

Não podem se deixar levar pela elite da corporação médica, encastelada em suas clínicas particulares, nem por grupos imaturos de médicos jovens – aquele pessoal do “somos ricos, somos cultos” – que só vê na profissão o resultado financeiro que pretende.

Agindo com este furor e sem ponderação – ponderação, cautela e vagar que nunca lhes falta na hora de punir médicos desidiosos com a população, como aqueles da fraude do ponto com dedos de silicone, que continuam, quatro meses depois, com seus CRM ativos – vai provocar inevitavelmente a percepção, pela população mais pobre que seu dito interesse pela qualidade da medicina só tem importância quando defende suas conveniências.

Por: Fernando Brito