domingo, 25 de agosto de 2013

O “Dr. Puliça” de Minas está prejudicando os colegas… - Blog Tijolaço



A manchete do Estado de Minas, hoje, é a reação “prendo e arrebento” do Dr. João Batista Gomes, presidente do Conselho Regional de Medicina mineiro.

Ele diz que não quer nem saber: onde estiver um médico cubano, vai com a “puliça” e prende por charlatanismo…

O doutor não está nem aí com a população de Alpercata, Alvorada de Minas, Camacho, Capitão Andrade, Cedro do Abaeté, Córrego Novo, Desterro do Melo, Divinésia, Fernandes Tourinho, Gonzaga, Ibituruna, Imbé de Minas, Inimutaba, Itaverava, Marliéria, Munhoz, Naque, Nova Módica, Novorizonte Paiva, Paulistas, Pescador, Pingo-d’Água, Piracema, Queluzito, Rio Doce, Rio Manso, Santa Helena de Minas, Santana do Jacaré, Santana dos Montes, Santa Rosa da Serra, Santo Antônio do Itambé, Santo Hipólito, São Domingos das Dores, São Félix de Minas, São Francisco do Glória, São Geraldo do Baixio, São João da Lagoa, São João da Mata, São José do Mantimento, São Sebastião do Rio Preto, Senador Cortes, Serra da Saudade, Serra dos Aimorés, Taparuba, Tapiraí, Tumiritinga, Turvolândia, Vermelho Novo, Vieiras, Wenceslau Braz, os 50 municípios mineiros que, conforme publicou a Folha, em 2008, não tinham sequer um médico morando lá.

O Doutor também deveria ler o que publica nesta sexta o jornal Hoje em Dia, falando que os prefeitos do interior vão ter de aumentar os salários dos médicos de suas prefeituras, porque o Mais Médicos vai pagar mais do que pagam aos seus colegas.

Sim, porque o salário oferecido pelos Mais Médicos é maior do que muitos dos que se oferecem aos médicos mineiros, em vários casos sem férias ou décimo-terceiro.

E sem contar o fornecimento de casa para morar.

Quer a prova?

É só ir ver as ofertas de emprego no site do próprio CRM-MG que se vai encontrar a realidade dos salários médicos.

Eu reproduzi só alguns, para ilustrar, maso endereço está aqui.

Para isso o senhor vai chamar a “puliça”, Doutor?Por: Fernando Brito


Relacionados
Conselhos ameaçam profissionais que trabalham no “Mais Médicos”