quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Messias de Souza: Advogado Alagoano revela ser apaixonado por Brasília - http://www.messiasdesouza.com.br/


MESSIAS 2
Veja a reportagem com o perfil de Messias, o Federal de Brasília, publicada pela última edição da revista Tendências e Negócios

Procedente do movimento estudantil iniciou a atividade pública na década de 80, como advogado. Participou ativamente do movimento pela anistia aos presos políticos e das campanhas pela redemocratização do país desenvolvidas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Defensor de presos políticos, de trabalhadores rurais, de sindicalistas e de causas indígenas. Foi presidente da Sociedade Alagoana de Direitos Humanos.
Chegou a Brasília em 1985 a fim de exercer a advocacia, especialmente eleitoral, junto aos tribunais superiores. Participou da legalização do PCdoB e posteriormente foi assessor da Assembleia Nacional Constituinte.
Após três anos como gestor à frente, da Administração de Brasília, Messias de Souza se despede do Cargo de administrador da capital federal para enfrentar novos desafios.
Brasília é a cidade que escolheu para viver e para criar seus filhos, Em certo sentido, representa  a sobrevivência. “A luta de classes me colocava num protagonismo e enfrentamento muito grande em Alagoas”. Messias diz que vários amigos que tinham um trabalho semelhante ao seu, terminaram vitimados pela violência política na época. “Brasília me abriu as portas para um novo tipo de militância, tanto profissional, como político, além da segurança pessoal, que era uma necessidade naquele contexto”, afirma.
Parque da Cidade
O Parque, desde que foi criado, nunca teve documento regulamentado apontando o que pode e o que não deve ser construído. Quando foi administrador de Brasília, determinou a criação de um grupo de estudos para a elaboração do Plano Diretor do Parque da Cidade, que é o instrumento que vai definir, com parâmetros urbanísticos, o potencial construtivo, o zoneamento e os tipos de atividades permitidas dentro do Parque.
parque iluminaçãoA regulamentação dos permissionários do Parque deu segurança jurídica aos empreendedores que agora podem investir em melhorias e novas tecnologias e oferecer melhores serviços à comunidade. “O Parque passou muitos anos abandonado, sem investimentos, e na minha gestão à frente da Administração de Brasília, houve um processo de recuperação importante, a começar pelas obras de iluminação”. Messias aponta que por ser uma área muito grande e muito arboriazdda, a pouca iluminação acabava atraindo a presença de pessoas que praticavam ações ilícitas. O processo de iluminação foi o primeiro grande passo para dar mais segurança aos usuários do Parque da Cidade.