sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Israel leva o holocausto à Palestina -Zillah Branco- Portal Vermelho







Israel leva o holocausto à Palestina

Zillah Branco *


Uma falsa
tradução do que disse o ex-Presidente Ahmadinejad, do Irã, ha alguns
anos, de que "o holocausto não existiu no território árabe, mas sim na
Europa", (como se tivesse dito que não houve o holocausto fascista), foi
utilizada por Israel e os imperialistas em geral, para comover a
opinião pública mundial, através da media submissa, e refazer a imagem
da vitimização semita omitindo os milhões de russos e comunistas de
várias nações que foram mortos nos campos de concentração nazistas.





Com esta habilidade cínica dos dirigentes de Israel, que ocupam
territórios do Estado Palestino tratando-os como terroristas, e não com a
dignidade de um povo, conduzem-no à miséria que aumenta com o
enriquecimento de uma elite no poder centralizado pela globalização a
comando do sistema imperialista. Afirmam-se na condição racista de povo
eleito e eliminam do mapa, nos livros escolares, os limites dos
territórios reconhecidos pela ONU de povos não judeus.



Netaniahu, que dirige o Governo de Israel hoje, refere o bombardeio ao
Hamas e não ao Estado Palestino, dizendo que os "terroristas" usam a
população civil como "escudo". Passivamente os dirigentes dos Estados
Unidos e da ONU aceitam esta linguagem que deturpa a história e a
geografia política e aceitam o falso pretexto da auto-defesa do
imperdoável agressor, ele sim um terrorista que desonra a humanidade com
a sua perfídia.



Israel, encarregou-se de trazer o holocausto para o Oriente Médio, com
os ataque contínuos aos palestinos que vivem cercados de muros como um
vasto Campo de Concentração. Desrespeitam a memória dos 20 milhões de
prisioneiros, dos quais 6 milhões eram judeus, foram imolados por Hitler
e seus colaboradores nazistas. Aplicam os ensinamentos nazistas que
pareciam banidos do concerto de nações representadas na ONU.



E os líderes Sociais-democratas e liberais, das grandes Nações que se
reúnem na ONU assistem tranquilos, isto é, coniventes. As populações de
todo o planeta rejeitam os crimes e as falsidades políticas dos que se
consideram donos do Poder.



* Cientista Social, consultora do Cebrapaz. Tem experiência de vida e trabalho no Chile, Portugal e Cabo Verde.