sexta-feira, 27 de junho de 2014

Sobre o Che e o Gran Debate em Cuba, notas. Paulo Vinícius Silva


Amanheço comovido. Li esses dias vários artigos sobre el Gran Debate, acerca da transição socialista enquanto Che era membro do governo Cubano. Este Che Ministro, a debater a lei do valor, o sistema de cálculo econômico soviético e o que intentava criar em Cuba, sendo o mesmo Che, mostra dons de uma escrita rica e cheia de conteúdo teórico dos mais difíceis, sua rebeldia a mesma, seu olhar crítico, suas reflexões, o estilo elegante da escrita, excelente referência.

Note-se: tanto ele quanto os debatedores fundamentais super atentos aos textos do camarada Stálin sobre o socialismo na URSS, com grande respeito. E a polêmica dura, mas elegante, no que, para o bem ou para o mal, muito se viu de uma influência do Che em aspectos fundamentais da economia e do socialismo em Cuba. Che tinha horror à canalha trotsquista.

E como uma coisa puxa à outra, eis-me lendo sobre sua trajetória. Suas experiências no Congo, e por fim na Bolívia. E o relato de que poderia ter-se salvo se não tivesse insistido em cobrir a retaguarda da fuga dos últimos guerrilheiros feridos. Só cinco escaparam.

Mas aí vem a pedra de toque comovedora. Sabendo já que executado seria, responde ao Sargento boliviano Mario Terán, que - a mando de seus superiores, na ação arquitetada com a CIA e o governo daquele país sob René Barrientos - o executaria  desarmado, prisioneiro, mas ainda a dizer, sem medo:  «¡Póngase sereno y apunte bien! ¡Va a matar a un hombre!».

O mesmo Mario Terán, que quatro décadas mais tarde, em 2007, teria devolvida sua visão graças ao convênio de solidariedade de Bolívia e Cuba, aos médicos cubanos que andam por tantas partes do mundo, fazendo o bem, sem olhar a quem.

Como disse, amanheço comovido. Por isso deixo-os com La zamba del Che, de outro querido revolucionário, Victor Jara:

http://www.cifraclub.com.br/victor-jara/la-zamba-del-che/

La Zamba Del Che

Victor Jara

 Victor Jara
Tom: G
  
Introducion:     Em   B   Am    Em  
  Em   B   Am   G    B7  Em  
 
 
Em                   B7 
Vengo cantando esta zamba 
 
                 Em  
con redoble libertario, 
 
                B7 
mataron al guerrillero 
 
   Em          E  
Che comandante Guevara. 
 
 Am     G     B   Em    E  
Selvas, pampas y montañas 
 
Am        G       B       Em     
patria o muerte su destino. 
 
 
Que los derechos humanos 
los violan en tantas partes, 
en America Latina 
domingo, lunes y martes. 
Nos imponen militares 
para sojuzgar los pueblos, 
dictadores, asesinos, 
gorilas y generales. 
 
 
Explotan al campesino 
al minero y al obrero, 
cuanto dolor su destino, 
hambre miseria y dolor. 
Bolivar le dio el camino 
y Guevara lo siguio: 
liberar a nuestro pueblo 
del dominio explotador. 
 
 
A Cuba le dio la gloria 
de la nacion liberada. 
Bolivia tambien le llora 
su vida sacrificada. 
San Ernesto de la higuera 
le lAm an los campesinos, 
selvas, pampas y montañas, 
patria o muerte su destino.